Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-01-20T19:44:35-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

20 de janeiro de 2021
19:25 - atualizado às 19:44
Biden Eleições Mercados Alta Estados Unidos EUA USA
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Existe um novo chefe andando pelos corredores da Casa Branca. Os democratas Joe Biden e Kamala Harris tomaram posse como presidente e vice-presidente dos Estados Unidos nesta tarde e podem finalmente começar os trabalhos do seu governo. 

Em seu discurso de posse, feito em um Capitólio esvaziado por questões de segurança (contra a covid-19 e “entusiastas” do antigo presidente), Biden fez um “bingo” na cartela de expectativas do mercado. 

O novo presidente voltou a reafirmar o seu compromisso com a democracia e com o combate à pandemia do coronavírus - o que deve incluir mais estímulos fiscais, como a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão anunciado, e um esforço de ampliação da campanha de vacinação no país que hoje tem o maior número de mortos pela doença. 

Ontem, o mercado já havia sentido um gostinho do que pode vir a ser o governo Biden. Janet Yellen, ex-presidente do Federal Reserve,que assumiu o Tesouro americano, discursou ontem no Congresso e também confirmou os acenos para estímulos mais gordos. 

Tudo isso pode parecer notícia velha, já que esse discurso foi muito semelhante ao feito no dia que foi declarado presidente-eleito e ao que Biden vem afirmando desde então, mas ainda assim foi catalisador de uma nova onda de entusiasmo no mercado financeiro.

O Nasdaq (com um empurrãozinho da Netflix) e o S&P 500 chegaram a marcar novos recordes intraday, enquanto o Dow Jones flertou com novas máximas. Na Europa, as principais praças também fecharam no azul.

Mas nós ficamos de fora dessa festa. O clima de tensão no Brasil foi tão intenso que a posse de Biden teve efeito limitado e a bolsa brasileira passou longe de demonstrar algum entusiasmo. 

No começo do dia, até parecia que o Ibovespa ia seguir os mercados internacionais. O principal índice da bolsa brasileira chegou a subir 0,67%, na máxima, mas não conseguiu sustentar o sinal positivo por muito tempo. 

Ao longo da manhã, as notícias sobre as dificuldades encontradas pela vacinação em larga escala no Brasil foram deteriorando o otimismo e deram lugar à cautela. Ao fim do dia, o Ibovespa registrava uma queda de 0,82%, aos 119.646,40 pontos. 

O dólar, no entanto, acompanhou o movimento do exterior e terminou o dia em queda de 0,63%, a R$ 5,3118, influenciado também por um fluxo positivo de entrada de investimento estrangeiro no país que só hoje totalizou R$ 2,26 bilhões. O saldo em janeiro é de R$ 21,11 bilhões.

Na equação dos negócios hoje tivemos também uma cautela pré-Copom. Ainda que a decisão da autoridade monetária, divulgada após o fechamento do mercado, tenha vindo em linha com o esperado, os investidores passaram o dia na expectativa. 

Em decisão unânime, o BC manteve a taxa Selic em 2% ao ano, a mínima histórica desde agosto, mas derrubou o “forward guidance”, a prescrição futura que indica os próximos passos da política monetária do país. 

Com a pressão sobre o ajuste fiscal brasileiro e no aguardo da decisão, o mercado de juros se manteve mais contido. Confira as taxas de fechamento dos juros futuros:

  • Janeiro/2022: de 3,255% para 3,215%
  • Janeiro/2023: de 5,025% para 4,93%
  • Janeiro/2025: de 6,49% para 6,48%
  • Janeiro/2027: de 7,19% para 7,14% 

Choque de realidade

Enquanto o mercado internacional comemorava, a bolsa brasileira sucumbia à pressão dos problemas que se acumulam.

O principal deles é o ritmo da vacinação contra a covid-19 em território nacional. As seis milhões de doses disponíveis da Coronavac, feita em parceria com o Instituto Butantan, foram distribuídas entre os estados e a chegada e produção de novas doses está comprometida. Isso porque a China tem dificultado a importação dos insumos necessários para a produção. A Fiocruz adiou para março a entrega das doses prometidas.

Representantes já confirmaram que o entrave tem raiz na postura do governo brasileiro nos últimos anos e nos ataques feitos pelos filhos do presidente ao país.

O governador de São Paulo, João Doria, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, entraram no jogo para tentar resolver a situação. 

Durante a manhã, Maia se encontrou com o embaixador chinês no país e disse ter sido um ótimo encontro e que ele trabalhará para reverter a situação. Já o presidente Jair Bolsonaro culpou a embaixada pelo "desentendimento". O secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse em entrevista à Rádio Bandeirantes, que o governador pode ir até a China para negociar a liberação dos insumos. 

O Instituto Butantan já teria envasado 4,8 milhões de doses, mas está sem insumos para produção desde o fim de semana. Existe também uma dificuldade para o país importar as doses que o governo federal diz ter adquirido da Índia. Ontem, o governo indiano anunciou uma lista com seis países que devem receber as doses, mas o Brasil não era um deles.

Além da falta de vacina, temos também a falta de um cronograma e um plano nacional de vacinação delimitado. 

Enquanto isso, a pandemia segue voltando a registrar números expressivos no país e novas medidas de distanciamento para conter o vírus precisam ser tomadas - tanto aqui quanto no exterior. O agravamento da situação fará com que o governo de SP revise pela terceira vez em quinze dias as liberações das regiões do estado. O presidente do Butantan, Dimas Covas , considera inevitável novas bandeiras vermelhas.

A questão da vacinação vai além do campo da saúde. Um fracasso nessa área certamente custará ao governo mais estímulos fiscais e até mesmo uma possível extensão do auxílio emergencial, piorando o cenário das contas públicas. 

A questão fiscal fica ainda mais em evidência com a corrida pela presidência da Câmara. Tanto o principal candidato da oposição, Baleia Rossi, quanto o do governo, Arthur Lira, já sinalizaram interesse em voltar a discutir os novos estímulos e benefícios.

A perda do apoio popular do presidente também pesa, já que aumenta as chances do governo deixar de lado o compromisso com o teto de gastos e o equilíbrio fiscal.

Victor Benndorf, analista da Apollo Investimentos, aponta que a reação da bolsa brasileira com os novos entraves se dá por uma antecipação no curto prazo dos resultados da vacina e movimentos como o de hoje são originados de um “choque de realidade”. 

A vacina ainda vai demorar, a recuperação econômica será mais lenta, temos problemas políticos e déficit fiscal para monitorar. “O pessoal acabou comprando a chegada de uma nova vacina como se fosse algo salvador no curto prazo. Os antigos problemas não estavam sendo precificados”, conclui. 

Sobe e desce

As empresas de e-commerce se destacaram no pregão desta quarta-feira (20). Segundo Marcio Lórega, analista da Ativa Investimentos, a piora no cenário da pandemia leva os investidores de volta para os ativos ligados à "nova economia" e que conseguem se favorecer do cenário de isolamento social. Com a apreensão dos rumos da vacinação no país, esse setor sobe em bloco.

Já Victor Benndorf, analista da Apollo Investimentos, aponta que, puxado pelos bons números da Netflix no quarto trimestre, o setor de tecnologia tem uma boa recuperação no mercado internacional nesta quarta-feira. Com um bom fluxo de entrada de investimentos estrangeiros na B3 hoje, esse setor, que já está preparado para um momento de crise e que teve um desconto recente, ganha a preferência.

A B2W liderou os ganhos do dia, com uma alta de 8,53%. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
BTOW3B2W ONR$ 87,508,53%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 25,425,56%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 25,654,06%
HGTX3Cia Hering ONR$ 17,011,80%
VVAR3Via Varejo ONR$ 14,571,75%

Também repercutindo o cenário de vacinação, as companhias aéreas, que sofrem profundamente com o impacto do coronavírus, lideram as quedas do dia durante a maior parte da sessão. Vale lembrar que recentemente elas tiveram uma recuperação, apoiada na esperança com o início da campanha de imunização em solo nacional.

Outro setor que tem peso para o Ibovespa e que teve um dia de queda em bloco foi o setor bancário. Segundo Stefany Oliveira, analista da Toro Investimentos, esse movimento foi intensificado pela queda de 1% na busca por crédito no país em 2020. Vale e Petrobras, também com grande peso para o índice, não escaparam e tiveram um desempenho negativo no dia, recuando respectivamente 1,85% e 1,67%.

A Cemig também foi um dos destaques negativos, após concluir uma oferta secundária que a retirou da base acionária da Light. 

Confira abaixo as principais quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
PRIO3PetroRio ONR$ 70,81-3,66%
EMBR3Embraer ONR$ 9,16-3,27%
SANB11Santander Brasil unitsR$ 41,87-2,56%
CMIG4Cemig PNR$ 13,84-2,40%
NTCO3Natura ONR$ 50,02-2,27%

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ele está de volta?

Setores fazem pressão por volta do horário de verão

Criado com a finalidade de aproveitar o maior período de luz solar durante a época mais quente do ano, o horário de verão foi instituído no Brasil em 1931 pelo então presidente Getúlio Vargas e adotado em caráter permanente a partir de 2008.

MANOBRAS

Juiz põe no banco dos réus ex-gestores do banco Máxima por gestão fraudulenta

O Banco Máxima S.A. informa que seus atuais acionistas assumiram a administração do banco em 2018, após aprovação pelo Banco Central, e que os integrantes da antiga gestão não têm mais qualquer relação com a instituição financeira

Foguete? Tô fora!

Warren Buffet: o bilionário que não quer conhecer as estrelas

Enquanto Bezos, Musk e Branson protagonizam a nova corrida especial, o Oráculo de Omaha prefere apenas observar

O melhor do Seu Dinheiro

O seu momento Sherlock Holmes

Na adolescência, ouvia que quem buscasse por romance policial brasileiro deveria ler algo do Rubem Fonseca. Era uma vontade minha achar uma história desse gênero que fosse mais próxima da minha realidade — e o filtro nacionalidade me pareceu o mais adequado.  A ideia surgiu depois de ter conhecido parte das histórias criadas por Agatha […]

Mesa Quadrada

Comentarista da ESPN Paulo Antunes fala da sua paixão por futebol americano e experiência no mercado financeiro

Ele conta sobre suas aventuras na cobertura de futebol americano e basquete e ainda revela seus investimentos na Bolsa em novo episódio do podcast Mesa Quadrada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies