Menu
2020-10-28T20:16:07-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Análise

O mercado trucou, e o Banco Central mandou descer ao bancar juro baixo

Emparedado pelo repique da inflação e pelo aumento do risco fiscal, o BC foi inflexível e sustentou o “forward guidance”, a sinalização de que a Selic permanecerá baixa por um longo período

28 de outubro de 2020
20:16
Ibovespa cartas baralho
Imagem: Shutterstock

Emparedado pelo repique da inflação e pelo aumento do risco fiscal, o Banco Central foi inflexível: não só manteve a taxa básica de juros (Selic) em 2% ao ano como sustentou o “forward guidance”, a sinalização de que as taxas permanecerão baixas por um longo período.

Na prática, a decisão significa que o BC segue no jogo depois que o mercado gritou “truco”. A aposta dos investidores é que a autoridade monetária não tem cartas na mão para sustentar a Selic no menor patamar da história.

Leia também:

Na edição mais recente do boletim Focus, o mercado projeta uma Selic a 2,75% ao ano no fim do ano que vem. Mas as taxas futuras negociadas na B3 já embutem juros acima dos 5% ao ano em 2021.

As apostas contra o BC ganharam força em setembro, com as ameaças do governo ao teto de gastos e a indefinição sobre como financiar o Renda Cidadã, a versão ampliada do Bolsa Família.

Nas últimas semanas, a visão de que o Banco Central não teria como manter os juros em 2% ao ano foi reforçada com a alta dos índices de inflação ao consumidor.

Até então, havia dúvidas se a inflação medida pelos IGPs, muito sensíveis à variação cambial e preços no atacado, chegaria ao IPCA, o índice usado como referência do sistema de metas de inflação.

A turma dos que acreditam que a ameaça da inflação é real ganhou mais adeptos depois da divulgação do IPCA-15 de outubro, que registrou a maior alta para o mês dos últimos 25 anos.

Praticamente ninguém no mercado esperava que o Copom mexesse na Selic na reunião que terminou nesta quarta-feira. Mas a visão predominante era que o BC adotasse uma postura mais dura tanto com relação ao risco fiscal quanto de inflação.

Uma maneira de fazer isso seria retirar o "forward guidance" ou sinalizar de forma mais clara que pode agir para conter as pressões.

O comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) não deixa nenhum dos temas sem resposta. Mas traz uma cenário aparentemente mais otimista do que o traçado pelo mercado.

Sobre a inflação, manteve o diagnóstico de que o choque de preços é temporário e que as diversas medidas de inflação apresentam-se “em níveis compatíveis com o cumprimento da meta para a inflação no horizonte relevante para a política monetária”. Mas acrescentou que monitora a evolução dos preços com atenção.

Com relação a um possível furo no teto de gastos em 2021, o BC alerta que o prolongamento das políticas fiscais de resposta à pandemia ou frustrações em relação à continuidade das reformas podem elevar os prêmios de risco.

Essa ameaça, porém, não é suficiente para fazer o BC desistir do “forward guidance” porque os diretores entendem não houve mudanças no regime fiscal. O Copom nem sequer fechou completamente a porta para novos cortes na Selic no futuro.

Resta agora saber se os investidores vão aumentar a aposta no truco contra o BC ou levarão a sinalização do “forward guidance” a sério. A trajetória do dólar e dos juros futuros a partir de amanhã deve trazer a resposta.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Após vacinação e apoio fiscal

Economia dos EUA está “em ponto de inflexão” positivo, diz Powell, do Fed

Economia norte-americana está prestes a começar a crescer muito mais rapidamente, afirmou presidente do banco central norte-americano em entrevista

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies