🔴 É HOJE! PLANO PRÁTICO PARA GERAR RENDA EM DÓLAR SERÁ REVELADO – VEJA COMO ACESSAR

Um FII para você capturar oportunidades no aquecido mercado de crédito imobiliário

Com a reviravolta na reforma tributária, e tendo em vista a forte demanda por imóveis residenciais, considero que o segmento seguirá bem aquecido nos próximos meses

29 de julho de 2021
6:05 - atualizado às 18:44
casa sobre pilhas de moedas imóveis
Imagem: Shutterstock

Após um mês de junho sofrível para o mercado de FIIs, o segundo semestre começa com o pé direito. No geral, os fundos imobiliários ganharam tração após uma reviravolta na proposta de Reforma Tributária e se tornaram os principais destaques de julho, à frente do Ibovespa, por exemplo.

Apenas relembrando, o auge do estresse de 2021 foi concentrado no final do primeiro semestre, com a nova proposta de Reforma Tributária por parte do governo, que incluía a tributação de 15% sobre os rendimentos de fundos imobiliários, hoje isentos de imposto.

A iniciativa causou pânico em alguns players da indústria, que retiraram seus recursos e proporcionaram uma queda generalizada do mercado — ao final de junho, o Ifix acumulava queda de 4% no ano.

Contudo, conforme tratamos em live no canal do Seu Dinheiro no YouTube, existiam várias inconsistências na proposta, o que proporcionou uma reação pujante do mercado contra a iniciativa. 

Felizmente, logo na primeira quinzena de julho, o ministério de Paulo Guedes realizou mudanças no texto e removeu as alterações na indústria de FIIs, garantindo a isenção dos rendimentos no curto prazo. 

É importante citar que este risco ainda paira sobre a indústria em uma perspectiva de longo prazo. Em um momento de maior maturação dos FIIs (que pode levar anos), a isenção pode ser revisada. De qualquer forma, podemos aproveitar o curto / médio prazo para incrementar nossa renda com proventos mais gordos!

Falando em curto prazo...

É certo no mercado imobiliário atual que temos um segmento de destaque: o residencial. 

De acordo com a ABRAINC (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias), os lançamentos de imóveis somaram 28.470 unidades nos meses de fevereiro, março e abril, alta de 45,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior. 

Paralelamente, foram comercializadas 37.227 unidades no trimestre móvel, o que representa uma alta de 30,4% em relação ao volume transacionado na comparação anual. Já no acumulado nos últimos 12 meses encerrados em abril de 2021, as unidades comercializadas superaram em 29,3% as vendas registradas no período precedente.

Uma imagem contendo Interface gráfica do usuário

Descrição gerada automaticamente
Fonte: ABRAINC / FIPE

Este volume tem sido bem capturado pelas incorporadoras, especialmente Direcional (DIRR3), que é minha favorita no setor. A companhia divulgou uma prévia operacional formidável para o segundo trimestre, com crescimento de vendas contratadas de 50% na comparação anual, acima das expectativas.

Entretanto, o mercado não tem “comprado” tão facilmente a tese de incorporadoras até o momento, influenciado pelos riscos inflacionários (especialmente no custo de construção) e do histórico volátil do setor.

Deste modo, entendo que outra vertente ainda se mostra como destaque para o momento: o crédito imobiliário. Considerando os recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, o volume de crédito concedido para compra e construção de imóveis cresceu 124% no primeiro semestre em relação ao ano passado e alcançou um novo recorde de R$ 97 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

É bem verdade que em um cenário de alta dos juros, como estamos presenciando agora, o crédito imobiliário tende a ficar gradualmente mais caro – recentemente, o Santander iniciou este movimento para sua linha de financiamento imobiliário. Contudo, tendo em vista a forte demanda por imóveis residenciais, considero que o segmento seguirá bem aquecido nos próximos meses.

Adicionalmente, cria-se uma narrativa por parte do setor de que “o momento para comprar um imóvel é agora”, de modo a causar um sentimento de urgência nos compradores, o que pode proporcionar um impulso de crédito no curto prazo.

Mas como capturar esse crescimento?

Novamente, trago uma indicação de fundo de crédito para o Décimo Andar – não quero soar repetitivo, mas sim reforçar que essa categoria se tornou uma das principais alternativas de renda da indústria.

Dito isso, o nome do FII de hoje é KNSC11. O Kinea Securities (KNSC11) é quase um novato no mundo dos FIIs, mas também é um prodígio. Gerido pela Kinea Investimentos e administrado pela Intrag DTVM, o fundo realizou seu IPO recentemente e iniciou a negociação de suas cotas em novembro de 2020.

Desde então, o fundo acumula retorno de 17% (contra de 0,7% do Ifix), com uma carteira composta por Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) e cotas de outros FIIs, gerenciados por uma política flexível de investimentos.

Como é possível observar na ilustração abaixo, o portfólio do fundo está majoritariamente exposto ao setor residencial, que corresponde a 43% do seu patrimônio de CRIs. 

Gráfico

Descrição gerada automaticamente
Fonte: Kinea

Vale mencionar que 87,3% da carteira do KNSC11 está indexada ao IPCA – ou seja, mesmo que tenhamos uma continuidade da tendência de crescimento inflacionário, a carteira do fundo está bem indexada ao nível de preços. 

Na parte do risco, o fundo possui uma ampla base de devedores, sendo que a composição geral oferece um risco de crédito confortável, dado que grande parte apresenta garantias reais e LTVs (loan to value, relação entre o valor do crédito e o do imóvel usado como garantia) baixos. Entre os devedores, temos marcas conhecidas como Creditas, JHSF e Via Varejo.

Antes de finalizarmos, vale um destaque para o dividend yield (retorno com dividendos) anualizado do fundo: com o último pagamento de R$ 0,95 por cota e considerando os preços de tela, o FII gera um yield de 11%, valor bastante atrativo — a distribuição de um fundo de CRI nem sempre é constante e deve variar de acordo com o desempenho de seus indexadores.

Nos primeiros 12 meses de nosso modelo, prevemos rendimentos na casa de R$ 9 por cota, o equivalente a um dividend yield de 8,7% dado o preço atual das cotas — vale salientar que estimamos uma inflação de 4,5% para o período, posição neutra para o índice.

Ainda que não esteja totalmente exposto ao mercado residencial, entendo que o fundo consegue capturar boas oportunidades de crédito no segmento, além de proporcionar uma gestão de excelência da Kinea e uma indexação interessante à inflação, capaz de proteger o portfólio no curto prazo.

Até a próxima!

Compartilhe

DÉCIMO ANDAR

FIIs de tijolos voltam ao radar: veja um portfólio bem descontado

21 de agosto de 2022 - 7:33

FIIs de lajes corporativas, shoppings e logística saltam mais de 8% em agosto, com altas expressivas em portfólios tradicionais; conheça um dos meus ativos favoritos

Décimo Andar

O caminho da evolução: A indústria de fundos imobiliários ainda tem muito a avançar; saiba o que esperar

10 de agosto de 2022 - 11:04

Em termos de alinhamento com os cotistas, a indústria de FIIs tem características únicas e grandes vantagens. Ainda assim, são necessários novos ajustes no meio do caminho

DÉCIMO ANDAR

Magalu, Americanas e Via seguem como boas inquilinas? Apesar da desaceleração do e-commerce, FII de logística continua atrativo

24 de julho de 2022 - 7:40

Atualmente, temos diversos FIIs logísticos negociando abaixo do valor patrimonial e do custo de reposição, mesmo em portfólios de alta qualidade e bem posicionados

DÉCIMO ANDAR

Vale a pena investir em shopping centers? Confira uma oportunidade no segmento imobiliário de melhor performance em 2022

26 de junho de 2022 - 7:35

Vendas em shopping centers cresceram 34,8% no 1T22, primeiro resultado positivo do setor desde o início da pandemia

DÉCIMO ANDAR

Vai investir em FIIs? Conheça os simulacros e as melhores oportunidades do mercado imobiliário

25 de maio de 2022 - 12:26

O descolamento entre a performance dos ativos e a realidade financeira quase sempre indica uma antecipação de cenário pelas instituições do mercado. Quando essa dinâmica se mostra incorreta, surgem janelas de investimento

DÉCIMO ANDAR

Após a boa notícia da CVM, conheça uma nova oportunidade em um fundo imobiliário (FII) de crédito

22 de maio de 2022 - 7:39

Decisão da CVM sobre rendimentos de FII alivia a pressão sobre os fundos imobiliários, entre eles os de crédito (CRI); veja uma boa opção para investir

Décimo Andar

Com os FIIs de tijolo nos holofotes, conheça um portfólio de qualidade que está dando sopa

24 de abril de 2022 - 8:04

Cenário econômico proporciona uma série de barganhas entre os fundos imobiliários de tijolos, mesmo aqueles de maior qualidade

DÉCIMO ANDAR

Agora vai? Setor de lajes corporativas sinaliza recuperação e abre oportunidades nos fundos imobiliários (FIIs); saiba onde investir

27 de março de 2022 - 9:00

Temos uma oportunidade de entrada interessante em FIIs do segmento de escritórios, aproveitando este momento de retomada do trabalho presencial

DÉCIMO ANDAR

Uma nova oportunidade de entrada em um dos fundos imobiliários (FIIs) vencedores de 2021

27 de fevereiro de 2022 - 7:45

Enxergo uma nova oportunidade de entrada no FII Kinea Securities (KNSC11), que prepara a quarta emissão de cotas; conheça o fundo imobiliário

DÉCIMO ANDAR

Fiagro: fique por dentro da nova forma de ganhar dinheiro investindo no agronegócio

30 de janeiro de 2022 - 7:50

Fundo é uma junção dos recursos de vários investidores para a aplicação em ativos de investimentos do agronegócio, sejam eles de natureza imobiliária rural ou de atividades relacionadas à produção do setor

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar