🔴 É HOJE! PLANO PRÁTICO PARA GERAR RENDA EM DÓLAR SERÁ REVELADO – VEJA COMO ACESSAR

Após a boa notícia da CVM, conheça uma nova oportunidade em um fundo imobiliário (FII) de crédito

Decisão da CVM sobre rendimentos de FII alivia a pressão sobre os fundos imobiliários, entre eles os de crédito (CRI); veja uma boa opção para investir

22 de maio de 2022
7:39 - atualizado às 12:08
fundo imobiliário
Fundos de CRI seguem como uma das melhores opções de renda para os investidores Imagem: Shutterstock

Em um mês que parecia desafiador para os cotistas de fundos imobiliários (FIIs), a indústria recebeu ótima notícia do regulador.

Em reunião realizada na última terça-feira (17), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deliberou sobre o pedido de reconsideração envolvendo questões relacionadas à distribuição de rendimentos de fundos de investimentos imobiliários.

Relembrando o caso, em ofício divulgado ao final do ano passado, o colegiado entendeu que a distribuição de valores aos cotistas deveria se limitar ao lucro contábil e, portanto, todo montante que exceder essa linha não deve ser classificada como rendimento ou aumentar a rubrica de prejuízos acumulados de um fundo.

Na época, a decisão foi direcionada para apenas um fundo (Maxi Renda FII ou MXRF11), mas logo na sequência a instituição sinalizou que a regra deveria ser aplicada para o restante da indústria.

Porém, apesar de ser uma matéria pertinente, a decisão entrava em conflito claro com a Lei nº 8.668/1993, que impõe aos fundos a distribuição mínima de 95% do resultado caixa (“lucro caixa”) no semestre.

Isto é, caso um FII tivesse um resultado contábil negativo no período, mas um resultado financeiro positivo, a gestão seria obrigada a distribuir os rendimentos em forma de amortização, que é praticamente uma devolução de capital.

Além disso, o comunicado da CVM não estabelecia procedimentos necessários envolvendo a correção retroativa dos proventos. 

Após meses de discussão e rejeição por parte da indústria, o colegiado reformou, por unanimidade, a decisão anterior e adicionou novas orientações para os administradores.

Em suma, a nova direção mantém o modelo de cálculo tradicional e procura gerar maior transparência sobre as diferenças entre lucro contábil e lucro caixa nas informações dos FIIs.

Conforme já posicionado aqui na coluna Décimo Andar, entendo que a CVM tomou a atitude correta ao revisar a decisão anterior e priorizar o resultado caixa como base das distribuições.

A constituição dos FIIs é baseada no modelo dos REITs, os “fundos imobiliários americanos”, que também distribuem dividendos de acordo conforme o recebimento efetivo da renda. 

Alívio para alguns segmentos

Como reflexo, a decisão alivia a pressão de alguns segmentos da indústria, especialmente FoFs e fundos de crédito (CRI), que tiveram seus resultados contábeis prejudicados pela marcação a mercado dos ativos em carteira nos últimos semestres – a elevação da curva de juros e o recuo no mercado de FIIs tem papel fundamental neste movimento, que não afeta diretamente o caixa dos fundos. 

Nova oportunidade em FII destaque do setor de recebíveis

Falando em fundos de CRI, a classe segue como uma das melhores opções de renda para os investidores. Além da melhor performance no ano, a categoria segue com remuneração mensal atrativa, favorecida pela alta dos indexadores (CDI e inflação, principalmente). 

SegmentoRetorno em 2022
Crédito3,8%
Híbrido1,0%
IFIX-0,8%
Shoppings-1,6%
Renda Urbana-2,4%
Logística-2,6%
FOF-3,9%
Lajes Corporativas-5,8%
Média dos fundos presentes no Ifix (ajustada). Fontes: Empiricus e Bloomberg

Diante da alta de juros, as condições de crédito tem sido cada vez mais favoráveis aos credores, que conseguem travar remunerações mais atrativas e capturar a alta dos índices.

Esse é um dos fatores que contribui para o bom momento do segmento e para o crescente número de emissões dos FIIs.

Em termos de risco, vale citar que um fundo de recebíveis imobiliários está sujeito ao risco de crédito das empresas devedoras / projetos atrelados. Em caso de um eventual default (calote) das companhias, o fluxo de pagamento dos aluguéis será interrompido, impactando negativamente o resultado do fundo e, consequentemente, a rentabilidade do cotista.

Mesmo que as garantias sejam suficientes para cobrir as dívidas, a execução delas muitas vezes é árdua e o FII pode incorrer em eventuais perdas.

Dito isso, minha preferência tem se concentrado nos fundos high grade, isto é, nos portfólio de baixo risco de crédito. Neste caso, estamos tratando de carteiras de CRI bem diversificadas, de devedores conhecidos com ratings elevados, além de garantias reais bem estruturadas.

Com maior segurança jurídica envolvendo o setor, aliado a uma quantidade de ofertas relevante entre abril e maio, encontramos uma janela de entrada interessante neste momento.

Conheça o FII RBR High Grade (RBRR11)

Dedicado a uma estratégia em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), o RBR Rendimento High Grade (RBRR11) tem sido um dos destaques da indústria. Nos últimos 12 meses, o fundo entregou um dividend yield de 11,5%, sendo que sua última distribuição foi de R$ 1,20 por cota, o que confere um yield anualizado de 14%.

Atualmente, sua carteira de CRIs é bem diversificada, contando com mais de 40 ativos, sendo 94,4% deles high grade (baixo risco de crédito), com classificação maior ou igual a “A”. 

A gestão do FII normalmente dá preferência por emissões ancoradas pela própria RBR, que compõem 83% do portfólio. A originação própria confere um diferencial para a gestão, visto que permite o acompanhamento mais próximo dos devedores e a inclusão de cláusulas favoráveis ao fundo nos termos de securitização.

Em termos de indexação, encontramos uma maior exposição ao IPCA, que representa 48% dos CRIs, mas também encontramos uma boa parcela atrelada ao CDI (27% da carteira) — em média, temos taxas CDI + 2,8% e IPCA + 6,5% ao ano.

Além disso, a maior parte da carteira está exposta ao risco corporativo que, apresar de possuir todo o fluxo de pagamentos em um único devedor, normalmente apresenta garantias mais sólidas, o que traz um maior conforto em um eventual caso de inadimplência.

Por fim, 83% das garantias do FII se encontram localizadas no estado de São Paulo, sendo 52% delas situadas em regiões nobres da capital paulista, como Faria Lima, Jardins e Pinheiros, facilitando a execução dos ativos caso necessário.

Ainda falando sobre riscos (que é o principal ponto de análise quando tratamos de crédito), a carteira atual do RBRR11 conta com um LTV médio (razão de garantia) de 65%, bem confortável para um portfólio high grade. 

Interface gráfica do usuário, Aplicativo

Descrição gerada automaticamente
Posicionamento do RBRR11 no segmento de crédito. Fonte: RBR Asset

A sétima emissão de cotas do RBRR11

O RBR Rendimento High Grade vem para a sua sétima emissão de cotas, realizada nos moldes de uma oferta CVM 400, ou seja, destinada para o público geral.

O objetivo é captar R$ 300 milhões por meio da emissão de aproximadamente 3,08 milhões de cotas a R$ 99,40 cada, já considerando a taxa de distribuição de R$ 1,89 por cota (equivalente a 1,94%). Vale citar que o custo estimado total da oferta é de 3,22% do total. 

O FII já possui um pipeline bem definido com sete novas operações, que somam R$ 305 milhões, sendo todas CRIs do segmento residencial, conforme apresentamos no resumo abaixo.

AtivoSegmentoMontante
(R$ mil)
IndexadorTaxaDuration (anos)LTV
AResidencial90.000IPCA7,50%6,070%
BResidencial30.000IPCA8,75%6,275%
CResidencial70.000CDI4,50%2,070%
DResidencial40.000CDI3,50%2,060%
EResidencial50.000IPCA8,15%3,083%
FResidencial8.000IPCA8,00%3,570%
GResidencial17.000IPCA7,50%3,570%
Total305.000
Fontes: Empiricus e RBR

Caso o pipeline se confirme, o RBRR11 apresentará uma indexação similar a proporção atual entre IPCA e CDI, com uma diluição do IGP-M, que hoje representa quase um quinto da carteira – diante da alta volatilidade do indexador, temos pouquíssimos novos CRIs indexados ao IGP-M atualmente.

Em termos de remuneração, é esperado um incremento na taxa média da carteira do FII, visto que o pipeline aponta para taxas médias de IPCA+7,9% e CDI+4,1% ao ano. 

O ponto de atenção do FII está na exposição setorial, concentrada no segmento residencial. Apesar do fundo não estar exposto ao risco de obra, a conjuntura aponta para um cenário de desaceleração das vendas, o que pode impactar a estimativa de recebimentos. 

Em compensação, o RBRR11 deve aumentar suas garantias na região Sudeste, mais especificamente em São Paulo, principal estado no país em termos financeiros.

Com relação ao loan to value (LTV), o indicador das operações vem um pouco acima da média da carteira atualmente (65%), mas não deve sofrer grandes alterações mesmo após a alocação dos recursos.

De acordo com as estimativas da gestão, o rendimento projetado ao cotista no primeiro ano após o período de alocação será de 13,9% ao ano, valor bem interessante, principalmente quando levamos em consideração o nível de risco moderado das operações e a isenção de imposto de renda dos FIIs.

Diante das informações expostas, considero a participação na emissão de cotas uma oportunidade, que inclusive já está disponível para atuais cotistas por meio de direito de preferência. Para novos investidores, o período de subscrição começa no dia 30 deste mês e termina no dia 9 de junho.

Em suma, o segmento de crédito tende a continuar oferecendo atratividade ao longo do ano, ainda mais agora que a CVM removeu uma das ameaças. Em ritmo de expansão, considero o RBRR11 é um dos melhores veículos para aproveitar este momento.

Até a próxima,

Caio

Leia também

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

O Brasil não tem condições para uma Selic de um dígito em 2024: por que este estrategista acredita ser impossível juros abaixo de 10% em 2024

17 de junho de 2024 - 16:41

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) se aproximando, o mercado parece está cada vez menos esperançoso sobre os cortes na taxa básica de juros, a Selic. Para Rogério Benevente, sócio da GWM Investments e convidado desta semana do podcast Touros e Ursos, “é impossível pensar numa Selic abaixo de 10% em […]

PREFERE A TESLA?

Há algo de errado com a BYD? Warren Buffett despeja milhões em ações da chinesa dos carros elétricos no mercado

17 de junho de 2024 - 15:33

A Berkshire Hathaway vendeu mais 1,3 milhão de ações da BYD listadas em Hong Kong por US$ 39,8 milhões — a venda reduziu a participação do conglomerado para 6,9%

FIIs HOJE

Dividendos do Riza Akin (RZAK11) são os menores em mais de dois anos; por que os proventos do fundo imobiliário estão caindo?

17 de junho de 2024 - 14:11

A cifra é mais baixa paga pelo FII desde outubro de 2021, quando o portfólio do RZAK11 estava em seus primeiros meses de vida

RECOMENDAÇÃO DE COMPRA

Os fundos imobiliários de escritórios estão baratos — e o Itaú BBA revela seus três FIIs favoritos do segmento

17 de junho de 2024 - 12:34

O banco de investimento avaliou 14 fundos do segmento e deu a recomendação de compra para apenas três deles

MUDANÇA DE PERCURSO

A rota da Localiza (RENT3) foi calculada pelo BTG Pactual com o corte no preço-alvo das ações; o que fazer com as ações? 

17 de junho de 2024 - 11:44

Mesmo com a revisão, o banco ainda prevê uma valorização de mais de 70% dos papéis da locadora

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Todo mundo em pânico — menos ele. Por que o economista da Neo Investimentos vê exagero na queda da bolsa e na disparada do dólar

17 de junho de 2024 - 6:31

“Às vezes a gente acha que não, mas o Brasil continua sendo um mercado de risco alto”, afirmou Luciano Sobral, economista-chefe da Neo Investimentos, em entrevista exclusiva ao Seu Dinheiro

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Com pressão de NY, Ibovespa segura os 119 mil pontos e recua quase 1% na semana; dólar sobe e fecha a R$ 5,38

14 de junho de 2024 - 17:23

RESUMO DO DIA: Depois de uma semana movimentada com decisão sobre os juros nos Estados Unidos e preocupações com o cenário local doméstico, o Ibovespa segurou com algum esforço os 119 mil pontos. O principal índice da bolsa brasileira fechou em leve alta de 0,08%, aos 119.662,38 pontos. Na semana, o recuo é de 0,92%. […]

APOSTAS PARA O CÂMBIO

O dólar não vai mais cair? Alckmin diz que governo tem “absoluta confiança” sobre a trajetória da moeda norte-americana

13 de junho de 2024 - 17:52

O presidente em exercício falou sobre o tema um dia após a moeda americana ter ultrapassado a cotação de R$ 5,40 pela primeira vez desde janeiro de 2023

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Dólar fecha próximo da mínima intraday com rescaldo de Haddad sobre fiscal; Ibovespa sustenta os 119 mil pontos

13 de junho de 2024 - 17:17

RESUMO DO DIA: O cenário fiscal roubou a cena mais um vez no mercado acionário brasileiro. Se ontem foram as falas do presidente Lula que aumentaram a aversão ao risco, hoje o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ficou encarregado de ‘reduzir os danos’. Apesar dos esforços do ministro, o Ibovespa não deixou o tom negativo. […]

CAI, CAI

Fuga dos investidores? Como a B3 contribuiu para a forte queda do Ibovespa em maio; ações B3SA3 recuam 

13 de junho de 2024 - 15:59

A dona da bolsa registrou volume médio diário de negociações 8,8% menor em maio na comparação anual; Goldman Sachs mantém a recomendação

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar