Menu
2020-07-24T10:58:04-03:00
Estadão Conteúdo
preservação ambiental

Mourão detalha a Santander ações do Conselho da Amazônia

Vice-presidente se encontrou com a cúpula do banco para detalhar planos e metas; Sergio Rial prometeu cooperar

24 de julho de 2020
10:57 - atualizado às 10:58
50094002213_587e9199df_c
(Brasília - DF, 09/07/2020) Coletiva de Imprensa com Vice Presidente e Ministros. Foto: Marcos Correa/PR -

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, se encontrou ontem com a cúpula do Santander, em São Paulo, para detalhar os planos e metas do Conselho da Amazônia, do qual é presidente. Em resposta, o presidente do banco espanhol, Sergio Rial, prometeu cooperar em financiamentos para o desenvolvimento da região, com destaque para a bioeconomia.

Em nota, Mourão afirmou que "o diálogo entre instituições públicas e privadas tem sido uma das ênfases do Conselho Nacional da Amazônia Legal". Segundo Mourão, o propósito é "encontrar o melhor caminho para proteger e preservar a Amazônia Legal e desenvolver o Brasil".

Na quarta-feira, o vice-presidente recebeu, no Palácio do Planalto, executivos dos três maiores bancos privados do Brasil - Santander, Bradesco e Itaú - para discutir uma agenda conjunta para a Amazônia. Pelo lado do governo, além de Mourão, estiveram presentes a ministra da Agricultura, Tereza Cristina; o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles; e o presidente do BNDES, Gustavo Montezano.

Os bancos se juntam a investidores internacionais e grandes empresas brasileiras, que têm demonstrado desconforto com o efeito da questão ambiental sobre a economia brasileira. Em junho, a situação ficou ainda mais crítica quando representantes de fundos bilionários ameaçarem deixar o País caso o governo brasileiro não tome medidas contra o desmatamento da floresta amazônica, que registram novos recordes desde o ano passado.

Na noite de quarta-feira, Mourão disse ao Estadão que na reunião em Brasília foi reforçado aos representantes dos bancos que é "importante pensarem em formas de financiamento para projetos em bioeconomia, com juros melhores". "Eles não colocaram questão de perda de investimento. Agora, o que é claro hoje é que, com a agenda ambiental, todas as empresas têm uma preocupação sobre onde estão colocando seus recursos e onde estão investindo. E o que a gente vê é que a Amazônia pode ser uma solução em termos de empresas que têm atividades poluentes", afirmou Mourão.

Já agendada

A reunião do vice no Santander já estava marcada há uns dois meses. Mourão foi à sede do banco, em São Paulo, para mostrar o plano do governo para a Amazônia. O encontro teve a presença do comitê executivo e do conselho de administração do banco.

Foi mais uma parada do vice-presidente em uma espécie de "road show" que está sendo feito sobre o tema. Segundo apurou o Estadão, o fato de a reunião ter acontecido um dia depois da apresentação dos planos dos bancos sobre a Amazônia, em Brasília, foi uma coincidência. A reunião no Santander serviu mais para o governo tentar mostrar ao mercado financeiro de que está preocupado e tem uma política para a Amazônia - e não tem relação com a ação dos bancos Itaú, Santander e Bradesco, que ainda está em fase de estruturação.

Os três bancos -Bradesco, Itaú Unibanco e Santander - estavam entre os signatários de carta enviada a Mourão, que pediu, no início do mês, políticas de combate ao desmatamento na Amazônia. O documento fez defesa da agenda do desenvolvimento sustentável e solicitou o combate "inflexível e abrangente" ao desmatamento ilegal na Amazônia. Agora, depois da cobrança e com o plano anunciado na quarta-feira, os bancos têm a intenção de entregar uma forma de ajuda efetiva em relação ao assunto.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

EXILE ON WALL STREET

Bife ancho on sale!

Um país com a trajetória fiscal em xeque mais todas as idiossincrasias tupiniquins deveria ser motivo mais do que suficiente para que todo investidor buscasse diversificação no exterior

inteligência artificial

Elon Musk critica anúncio da Microsoft e expõe insatisfação com projeto de IA

Empresa terá licença exclusiva para o GTP-3, modelo de linguagem de inteligência artificial criado pela OpenAI – iniciativa fundada sem o propósito lucrativo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements