Menu
2020-05-28T08:17:03-03:00
Estadão Conteúdo
aliados de bolsonaro

Investigados negam crime e atacam STF

Empresários, políticos, youtubers e apoiadores de Jair Bolsonaro que foram alvo nesta quarta-feira de operação contra divulgação de fake news respondem publicamente

28 de maio de 2020
8:16 - atualizado às 8:17
Prisão de Roberto Jefferson
Brasil, Comendador Levy Gasparian, RJ, 21/11/2013. Roberto Jefferson (PTB-RJ), delator do mensalão e agora liado de Bolsonaro. - Imagem: FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

Empresários, políticos, youtubers e apoiadores de Jair Bolsonaro que foram alvo nesta quarta-feira de operação contra divulgação de fake news negaram irregularidades, criticaram a operação autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes e atacaram o Supremo Tribunal Federal (STF). Alguns deles levantaram a tese de que a investigação não poderia ter começado na Corte, sem participação do Ministério Público Federal (MPF). Segundo criminalistas ouvidos pelo Estadão, embora seja incomum, essa medida não é ilegal.

O empresário Luciano Hang, dono da rede varejista Havan, afirmou não ter nada a esconder, "haja vista que o que eu falo está nas minhas redes sociais, é de conhecimento público".

Segundo ele, seu computador pessoal e o celular "foram disponibilizados para perícia." Dono da rede de academias Smart Fit, Edgard Corona, afirma estar "à disposição da Justiça para os devidos esclarecimentos em investigação do STF". Já o investidor Otávio Oscar Fakhoury, financiador do site Crítica Nacional e um dos fundadores do grupo Aliança pelo Brasil, não foi localizado para comentar.

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) criticou o inquérito do STF, afirmou que o País vive um "estado de exceção" e pediu o impeachment de Moraes. Também deputada, Bia Kicis (PSL-DF) criticou "abusos de autoridade e atos antidemocráticos do ministro Alexandre de Moraes". Filipe Barros (PSL-PR) criticou o que chamou de "ditadura do STF".

Deputado estadual de São Paulo, Douglas Garcia criticou a ordem de busca e apreensão em seu gabinete e acusou o STF de perseguição. "Vocês querem calar a voz dos conservadores através das redes sociais", declarou. O deputado Gil Diniz (PSL-SP) disse que soube por meio da imprensa que será intimado a depor e chamou de "cala boca" a condução do caso.

Outro que se referiu ao Supremo com a palavra "ditadura" foi o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ). Seu colega Junio Amaral, fez piada nas redes sociais: "Repudio com veemência essa clara ilegalidade, mas também fico lisonjeado. Com a 'credibilidade' que eles gozam, só vão me promover, mais nada."

Presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson chamou de "censura" o mandado de busca e apreensão em sua casa. "Atitude soez, covarde, canalha e intimidatória, determinada pelo mais desqualificado Ministro da Corte. Não calarei", escreveu o político, que já se defendeu o ex-presidente Fernando Collor de Mello antes de se tornar bolsonarista.

A ativista Sara Winter xingou e fez uma série de ameaças contra Moraes. Em vídeo publicado nas redes sociais, Winter falou que, se estivesse na mesma cidade que Moraes, chamaria o ministro para "trocar socos". Ela também prometeu perseguir e "infernizar" a vida do magistrado, responsável por determinar a ação da PF. O vídeo foi encaminhado ontem para a Procuradoria-Geral da República. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mercado de capitais

Caixa terá “foco total” no IPO de cinco subsidiárias na B3, incluindo o banco digital

Banco público quer levar para a bolsa as unidades de seguros, cartões, fundos, loterias e o recém criado banco digital, segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães

Prévias

XP Inc. atinge R$ 660 bilhões em ativos sob custódia e 2,8 milhões de clientes em 2020

Ativos sob custódia cresceram 61% em relação a 2019, com captação líquida de R$ 198 milhões e valorização de mercado de R$ 53 milhões

Exile on Wall Street

Vendo Monza 2.0, única dona

Era descolado ter um Monza quando ele chegou ao Brasil. Mas seria ridículo ter um Monza ainda hoje. E tudo bem. O Monza continua com sua marca na história do mercado automobilístico brasileiro.

PODCAST TELA AZUL

Tela Azul #16: A profissão do Futuro e o que procuramos para investir numa empresa de educação

Na edição desta semana do Tela Azul, recebemos o Felipe Paiva, fundador da Let’s Code.

Mercados hoje

Falas de Guedes e Bolsonaro sobre privatizações e reformas animam e bolsa sobe forte; dólar recua quase 2%

Em evento do Credit Suisse, Bolsonaro e Guedes reafirmaram o compromisso com o andamento das reformas e das privatizações, o que apaga a perspectiva negativa com a saída de Wilson Ferreira Junior da Eletrobras.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies