Menu
2020-01-30T12:37:07-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
visão do presidente da Casa

Impacto das eleições na agenda do Congresso será limitado, diz Maia

Segundo ele, há um grande número de deputados nessa legislatura que não têm relação com eleições municipais

30 de janeiro de 2020
12:36 - atualizado às 12:37
mcmgo_191219img_05354973
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, voltou a dizer que acredita que o impacto das eleições municipais na agenda do Congresso Nacional será limitado. Segundo ele, há um grande número de deputados nessa legislatura que não têm relação com eleições municipais.

Maia disse que o quórum pode ser afetado em alguns períodos. "É claro que em algumas semanas o quórum pode ser afetado por eleições, mas não da forma como alguns dizem na imprensa", disse.

Maia afirmou ainda que as corporações perderam força no Congresso Nacional e criticou, por exemplo, o direito a honorários de sucumbência dados à Advocacia-Geral da União no passado.

"Não sei como aprovamos isso", frisou. Ele voltou a criticar também o tamanho e abrangência da Receita Federal e, ainda, a escalada rápida dos servidores públicos em geral ao topo da carreira.

"A agenda do servidor ainda está muito contaminada com seus próprios interesses. Não pode ter um salário médio no setor público do jeito que tem e a renda per capita média no Brasil de R$ 2 mil", disse.

Guedes

Maia também voltou a cobrar a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, na articulação pelas reformas econômicas no Congresso.

"Independência de Poderes não é cada um trabalhar no seu canto. Não é 'eu fiz a minha parte e agora você faz a sua'. É importante o ministro estar próximo, para mostrar à sociedade e aos parlamentares sobre a importância das reformas", disse o deputado a jornalistas, após participar de evento em São Paulo.

Guedes participou do mesmo evento antes de Maia e disse que o papel do poder Executivo é encaminhar os projetos ao Congresso, que, por sua vez, dará o ritmo da tramitação. "Cabe ao Executivo encaminhar a estrutura (dos projetos). O Congresso é quem dá o ritmo. A classe política sentou no comando da economia. Não tem mais essa de superministro", afirmou.

Maia, na sua vez, rebateu o ministro ao dizer que não pode ficar tudo nas costas do Parlamento e que a participação do governo federal é decisiva para o sucesso da agenda. Depois, na saída do evento, ao conversar com jornalistas, foi questionamento novamente sobre o tema e repetiu o argumento.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

PRÉVIA DOS BALANÇOS

Os grandões vêm aí: Petrobras e Vale divulgam os resultados; veja o que esperar

Semana será marcada pela apresentação dos resultados de algumas das principais companhias da B3

agenda lotada

Os segredos da bolsa: balanços de pesos-pesados podem manter Ibovespa em alta em semana de Copom

Lá fora, resultados do terceiro trimestre de Amazon, Apple, Facebook, Google e Microsoft são destaques, além de decisões de bancos centrais

O GRANDE DRAGÃO VERMELHO

Pandemia deve reforçar poder chinês na economia

Movimento aponta para a continuidade das tensões com Estados Unidos e manutenção da alta demanda por matérias-primas produzidas pelo Brasil

PANOS QUENTES

‘Apresentei desculpas e colocamos ponto final’, diz Salles sobre atrito com Ramos

Salles e Ramos protagonizaram o mais recente atrito dentro do governo, tornado público após chefe do Meio Ambiente se referir ao general como “Maria Fofoca”

ALÍVIO

Mortes por covid-19 chegam ao menor nível desde maio, diz Fiocruz

Média móvel de novos casos ficou em 22.483 no sábado, alta de 11% em relação aos casos da semana anterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies