Menu
2020-01-07T08:00:54-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
meta alta

Governo espera arrecadar R$ 6 bilhões em 2020 com a venda de imóveis da União

Previsão é ousada se considerados os números dos últimos anos. Entre 2018 e 2019, foram licitados apenas 39 imóveis, com arrecadação de R$ 273 milhões

7 de janeiro de 2020
7:59 - atualizado às 8:00
imóveis
Imagem: Divulgação

O governo federal espera arrecadar R$ 6 bilhões em 2020 com a venda de imóveis da União. A previsão é captar R$ 3 bilhões com o leilão de 425 imóveis, entre terrenos, apartamentos, casas e lojas.

O restante arrecadado seria com a venda de parcela de 100 mil terrenos em regime de "foro" (quando, por meio de um contrato, é atribuído a uma pessoa física ou jurídica o domínio de determinado imóvel da União).

Nesses contratos, o cidadão ou empresa detém 83% da propriedade do terreno e a União, os outros 17%. Uma medida provisória editada no fim do ano passado busca simplificar o processo pelo qual os ocupantes adquiram o domínio pleno desses terrenos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Uma portaria deve ser editada até fevereiro para prever os detalhes da avaliação informatizada dessas propriedades, o que vai dispensar a visita presencial, que torna o procedimento demorado.

A MP também permite que a venda direta de imóveis da União seja intermediada por corretores, assim como amplia os descontos quando o primeiro leilão da propriedade é fracassado - agora em 25%. Antes, o governo era autorizado a conceder desconto de até 10% após leilão fracassado por duas vezes seguidas, para imóveis de até R$ 5 milhões.

"Dando o desconto de 25% no segundo leilão já se tenta corrigir um problema que pode ser de precificação ou de mercado. E, em se mantendo sem interessados, ele vai à venda direta", explicou o secretário de Coordenação e Governança do Patrimônio da União, Fernando Bispo. Na venda direta, o desconto de 25% é mantido.

É na venda direta que entra a participação dos corretores de imóveis, que vão poder se cadastrar e exibir os imóveis da União para potenciais compradores - responsáveis pelo pagamento da corretagem.

Segundo Bispo, a secretaria deve publicar até fevereiro portaria para esclarecer detalhes dessa parceria. "Em geral, o pagamento da corretagem depende de mercado. Vai haver uma portaria em que nós vamos regulamentar isso, orientar que seja mantido o porcentual de mercado", disse.

Arrecadação

A previsão de arrecadar R$ 6 bilhões é ousada se considerados os números dos últimos anos. Segundo o Ministério da Economia, entre 2018 e 2019, foram licitados apenas 39 imóveis, com arrecadação de R$ 273 milhões.

Enquanto isso, entre 2017 e o ano passado, foram feitas 49 vendas de parcelas de terrenos (remições de foro), com arrecadação de R$ 1,79 milhão. Hoje, a SPU tem 320 pedidos de remição de foro em análise.

"A ideia do governo é desinvestir dos imóveis que não têm uso da União, que acabam indo para o abandono, e facilitar a vida do cidadão com a remissão do foro. O que está por trás da iniciativa é gerir os ativos", disse Bispo. Uma gestão eficiente dessas propriedades é algo que vem sendo cobrado do governo federal.

Reportagem do Estado publicada em outubro mostrou que apenas 100 imóveis localizados em Brasília - desocupados e em processo de venda - consumiram R$ 1 milhão em condomínio, metade desse valor desembolsada em 2019.

Até 2022, o governo tem como meta vender 3.775 imóveis, com expectativa de arrecadar em torno de R$ 36 bilhões. Para alcançar esses números, o Executivo confia numa mudança de cultura e de práticas sobre a venda dessas propriedades.

Bispo destaca que o mercado não sentia segurança jurídica com as operações."Esse governo está dando segurança para os investidores de que estarão fazendo negócio no mesmo nível de segurança do privado", disse.

Ele citou que os editais de licitação mudaram para fornecer aos potenciais compradores mais informações sobre o ativo, como, por exemplo, explicitar a existência de dívidas do imóvel e qual é nível de responsabilidade da União sobre elas.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

De volta para o futuro

Quando escrevi aqui na newsletter que não é possível prever o futuro, um leitor me corrigiu. Em alguns casos podemos sim antecipar com razoável grau de precisão o que vai acontecer: que o diga a previsão do tempo. Ele tem razão, mas a mesma premissa válida para a meteorologia não se aplica ao mercado financeiro. […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements