Menu
2020-01-11T13:54:51-03:00
Estadão Conteúdo
Tentando se explicar

Denunciado na Greenfield, Colnago diz não se arrepender sobre aporte da Funcef

Assessor da Economia e mais 28 pessoas foram denunciadas à Justiça pelo Ministério Público Federal (MPF) sob a acusação de gestão temerária

11 de janeiro de 2020
13:51 - atualizado às 13:54
Esteves Colnago
Imagem: Wilson Dias/Agência Brasil

O chefe da Assessoria Especial de Relações Institucionais do Ministério da Economia, Esteves Colnago, disse, em entrevista à Folha de S.Paulo, que não se arrepende de ter votado, em 2012, pelo aporte da Funcef, fundo de pensão dos funcionários da Caixa, de R$ 1 bilhão, na Sete Brasil, responsável pela construção de sondas para a exploração de petróleo no pré-sal. À época, Colnago fazia parte do conselho deliberativo do fundo de pensão.

"Não me arrependo. Deu errado. Podia ter dado muito certo. Mas deu errado. É difícil. Não, não me arrependo. Você ia imaginar que a Petrobras estava cheia de coisa lá dentro? Nunca. Que o petróleo ia despencar? Os grandes bancos estavam entrando, não só os públicos."

O assessor da Economia e mais 28 pessoas foram denunciadas à Justiça pelo Ministério Público Federal (MPF) sob a acusação de gestão temerária de instituição financeira. Segundo o MPF, a decisão dos então conselheiros da Funcef gerou uma perda de R$ 4,4 bilhões.

Na entrevista, Colnago reconheceu que, em termos operacionais, o debate sobre o investimento não foi conduzido da melhor maneira possível, porque a recomendação da diretoria para exercer o direito de preferência deveria ter sido recebida com maior antecedência pelo conselho.

Ele justificou, no entanto, que a reunião que decidiu pelo aporte na Sete Brasil era originalmente para definir uma diluição da Funcef na empresa, mas disse que a pauta mudou em cima da hora porque a diretoria havia concordado às vésperas que o investimento era bom. Segundo Colnago, diante da mudança de entendimento, ele solicitou um adiamento da reunião, mas os diretores argumentaram que o prazo para o exercício de preferência para o aporte era exíguo.

"O ideal era receber sete dias antes falando da recomendação de exercer o direito de preferência. Você teria um embasamento que daria uma conforto melhor. O investimento era bom, aparentemente era bom. Todo mundo falando que tinha que entrar. Mas houve uma queda muito forte no preço do petróleo, de US$ 100 o barril para US$ 30. Teve a Operação Lava Jato, que maculou a imagem da Petrobras e acionou regras de compliance dos bancos, que não tinham mais como emprestar. Os pilares do projeto ruíram. Deixaram de existir", argumentou, negando qualquer tipo de corrupção no conselho da Funcef.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fenômeno da internet

O ataque dos memes: Conheça 5 ações de empresas “quebradas” que mexem com Wall Street

O caso mais famoso foi o da GameStop, mas outras empresas que não contam com fundamentos sólidos vêm passando por movimentos de valorização estimulados por fóruns de internet

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies