Menu
2020-05-20T09:00:42-03:00
Estadão Conteúdo
caso envolvendo Bolsonaro

Delegado da PF muda versão sobre indicação

Carlos Henrique Oliveira disse que, em 27 de abril, assim que foi indicado por Bolsonaro para chefiar a PF, o diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem, o chamou para assumir a posição de número 2 na hierarquia da corporação

20 de maio de 2020
8:59 - atualizado às 9:00
22/07/2019 Almoço com os Oficiais-Generais da Aeronáuticar
(Brasília - DF, 22/07/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, participa de almoço com os Oficiais-Generais da Aeronáutica.rFoto: Marcos Corrêa/PR -

O delegado Carlos Henrique Oliveira, ex-superintendente da Polícia Federal (PF) no Rio e atual diretor executivo da corporação, prestou um segundo depoimento ontem no inquérito que apura suspeita de interferência política do presidente Jair Bolsonaro na PF. Ele deu uma versão diferente para sua indicação ao novo cargo.

No último dia 13, Oliveira disse que nenhuma pessoa cogitada para assumir a diretoria-geral da PF o havia procurado para oferecer a direção-executiva e que não tinha interlocução direta com Bolsonaro, seus familiares, ministros ou assessores.

Ontem, ele contou outra história. Disse que, em 27 de abril, assim que foi indicado por Bolsonaro para chefiar a PF, o diretor-geral da Abin, Alexandre Ramagem, o chamou para assumir a posição de número 2 na hierarquia da corporação. Ramagem teve a nomeação suspensa pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em 29 de abril.

Oliveira também narrou, ontem, um encontro que teria ocorrido no segundo semestre do ano passado entre ele, Ramagem e Bolsonaro no Palácio do Planalto. Ele, contudo, não soube informar o "objetivo específico" dessa reunião.

"Na realidade, gostaria de esclarecer que foi procurado no dia 27 de abril do corrente ano pelo delegado de Polícia Alexandre Ramagem, que perguntou para ele, depoente, se aceitaria ser diretor executivo da Polícia Federal durante a sua gestão", diz o termo de depoimento de Oliveira. Ele confirmou que aceitou o convite no dia seguinte, 28 de abril. Oliveira disse que conheceu Ramagem em 2016, durante a Olimpíada do Rio, e que seu relacionamento com o delegado é "estritamente profissional".

Ao falar sobre a reunião com Bolsonaro, Oliveira disse que o então diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, e o ministro da Justiça, Sérgio Moro, tinham ciência do encontro. O momento do encontro, segundo semestre de 2019, marca a primeira tentativa de Bolsonaro em emplacar um nome de sua confiança na chefia da PF do Rio, após a exoneração do então superintendente Ricardo Saadi. O presidente queria Alexandre Saraiva, do Amazonas, mas o nome indicado pela cúpula da PF era Oliveira, então superintendente no Pernambuco.

"Nessa reunião o presidente Jair Bolsonaro fez uma explanação geral da trajetória que havia percorrido até a sua eleição e dos desafios que enfrentou; Que perguntado se o presidente Jair Bolsonaro sabia que o depoente havia sido indicado para a Superintendência da Polícia Federal do Rio de Janeiro, o depoente respondeu que o presidente não disse isso diretamente, mas que isso já era um dado público à época", segundo o relato feito pelo delegado. Oliveira disse que não foi perguntado sobre investigações.

Inquérito

Oliveira também foi questionado sobre os supostos vazamentos de informações da Operação Furna da Onça ao senador Flávio Bolsonaro. Disse que se recordava apenas de um delegado que seria próximo da família Bolsonaro. Segundo ele, porém, o delegado não participou da operação. O número 2 da PF também relatou que a expedição dos mandados 'teve um trâmite diferente do habitual'. Segundo ele, o relator da operação, desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), levou a decisão para apreciação da Turma Criminal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

dragão à vista

Economistas voltam a piorar projeções para inflação e dólar em 2021

Possibilidade de dólar fechar o ano abaixo de R$ 5,00 ficou ainda mais remota, segundo mediana de projeções divulgada pelo BC

O melhor do Seu Dinheiro

Quem vai ganhar a corrida das varejistas?

Quem será o novo Magazine Luiza? Essa pergunta virou quase um clichê no mercado depois que a varejista se tornou um dos maiores casos de sucesso da bolsa, com uma valorização de quase 35.000% desde dezembro de 2015. Entre o antigo modelo de lojas de rua e o promissor varejo online, o segredo da empresa […]

alívio no caixa

Governo reabre programa para renegociação de dívidas das empresas

A ideia é proporcionar um alívio no caixa das empresas no momento em que governadores decretaram o fechamento de estabelecimentos não essenciais devido ao colapso em seus sistemas de saúde

briga de galo

IMC mantém, por ora, contrato de franquia com KFC

Juízo indefere pedido da KFC de revogação da exclusividade da IMC na administração das operações KFC no Brasil

Liberalismo sob medida

Ala liberal perde terreno e aponta falhas no governo

Após a interferência na Petrobras e rumores de que Guedes sairia do governo, pacote de medidas liberais está em cheque

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies