Menu
2020-09-07T18:06:47-03:00
Estadão Conteúdo
contas públicas me foco

Déficit estimado do setor público piora para 12,4% do PIB em 2020, diz governo

De acordo com a apresentação do Ministério da Economia, as medidas relacionadas à covid-19 têm impacto primário de R$ 605 bilhões em 2020, o que corresponde a 8,4% do PIB

4 de setembro de 2020
13:39 - atualizado às 18:06
paulo guedes

O Ministério da Economia piorou suas projeções e estima agora um déficit do setor público consolidado de R$ 891,1 bilhões em 2020 (12,4% do PIB). A última previsão, feita no fim de julho, era de um déficit de 11,3% do PIB.

Os dois casos consideram um recuo de 4,7% no Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, conforme a previsão da Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta.

Para o Governo Central (Tesouro Nacional, INSS e Banco Central), a estimativa é de déficit de R$ 866,4 bilhões em 2020 (12,1% do PIB). Antes, a previsão era de 11% do PIB.

De acordo com a apresentação do Ministério da Economia, as medidas relacionadas à covid-19 têm impacto primário de R$ 605 bilhões em 2020, o que corresponde a 8,4% do PIB. As novas previsões consideram um gasto adicional de R$ 67,6 bilhões com o pagamento do auxílio emergencial até o fim do ano.

O secretário da Fazenda, Waldery Rodrigues, lembrou que esses gastos fazem parte do chamado "orçamento de guerra", aprovado pelo Congresso Nacional.

O pagamento do auxílio emergencial entre abril e dezembro deste ano representa a maior despesa primária relacionada à pandemia do novo coronavírus, chegando a R$ 321,8 bilhões, já considerando os novos pagamentos de R$ 300 até o fim do ano.

Desconsiderando o impacto primário de medidas contra a covid-19, o déficit primário do Governo Central ainda seria de R$ 261,4 bilhões em 2020. Até o último dia 2 de setembro, as despesas pagas relacionadas à covid-19 somavam R$ 366,9 bilhões.

Dívida

O Ministério da Economia prevê que a dívida bruta do governo geral (DBGG) fique em 94,6% do PIB no cenário base, que considera um recuo de 4,7% no PIB brasileiro em 2020. No pior cenário, em que o PIB recua 6,7%, a DBGG iria para 96,9%.

A previsão para a dívida líquida do setor público é alcançar 67,9% do PIB em 2020 no cenário base e 69,7% do PIB no pior cenário. Já a necessidade de financiamento fica em 17% do PIB no cenário base e 17,6% do PIB no pior cenário.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

uma bolada

Bradesco paga R$ 5 bilhões em juros sobre capital próprio

Valor representa R$ 0,416 por ação ordinária e R$ 0,458 por ação preferencial, após o desconto do Imposto de Renda

seu dinheiro na sua noite

Dólar abaixo de R$ 5, Selic de volta aos 7% e o investimento da Petz em página de gatinhos

Apesar dos avanços na vacinação e do relaxamento nas medidas de distanciamento social, o fato de ainda estarmos convivendo com o coronavírus e uma elevada mortalidade pela covid-19 faz com que 2021 tenha um sabor de 2020 – parte 2. Assim tem sido, pelo menos para mim. Imagino que também seja assim para todas as […]

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies