Menu
2020-02-14T07:51:04-03:00
agenda do governo

Reforma administrativa vai na próxima semana, diz Bolsonaro

Segundo ele, depois do envio, o Legislativo “pode tudo”, inclusive rejeitar a sugestão do Executivo e aproveitar outro texto em tramitação

14 de fevereiro de 2020
7:50 - atualizado às 7:51
(Santos - SP, 10/01/2020) Presidente da República, Jair Bolsonaro
Imagem: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 13, que pretende encaminhar a reforma administrativa ao Congresso na próxima semana, desde que não haja "nenhuma marola até lá". Segundo ele, depois do envio, o Legislativo "pode tudo", inclusive rejeitar a sugestão do Executivo e aproveitar outro texto em tramitação com mudanças nas regras dos servidores públicos.

"Olha só, o Congresso tem autonomia, está certo? Pode rejeitar o nosso, pegar o de alguém lá, melhorar. Pode tudo o Parlamento", disse Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada.

Nesta semana, o governo cogitou desistir do envio da proposta para aproveitar apenas matérias já existentes, mas recuou diante da resistência do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O presidente avalia que a reforma sugerida pelo governo "está muito tranquila" porque não interfere nos direitos dos atuais servidores. Mas, destacou que só conseguirá enviar a proposta se não houver "nenhuma marola".

Há poucos dias, o ministro da Economia, Paulo Guedes, teve de pedir desculpas após chamar os servidores públicos de "parasitas".

"Pretendo encaminhar semana que vem. Se não tiver nenhuma marola até lá, pretendo encaminhar. Está muito tranquila a reforma. Não será mexido nos direitos atuais dos servidores, inclusive a questão da estabilidade. Quem é servidor continua com a estabilidade sem problema nenhum. As mudanças propostas ao Congresso valeriam para os futuros servidores. Algumas categorias teriam estabilidade, alguma diferenciação, porque tem que ter: a PF, PRF, Forças Armadas, Receita", afirmou Bolsonaro.

Voo de galinha

Reportagem do jornal O Estado de São Paulo publicada nesta quinta-feira informa que Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), têm sido alertados por economistas de que, com Bolsonaro vacilando na agenda de reformas, não há possibilidade de crescimento sustentável, o que pode até comprometer os planos de reeleição do presidente.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo apurou, a posição errática do presidente Jair Bolsonaro sobre as principais reformas enviadas ao Congresso já é vista por economistas - dentro da equipe econômica e fora do governo - como um risco para o processo de retomada do crescimento, que pode acabar se transformando, mais uma vez, em um "voo de galinha". O termo, muito usado no jargão econômico, descreve um quadro em que o avanço da economia tem fôlego curto e não se sustenta ao longo do tempo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Socorro

Parecer no Senado inclui trabalhador intermitente no auxílio emergencial

Senado Federal vai estender o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores intermitentes que estão com o vínculo inativo, ou seja, não estão atuando no momento

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements