Menu
2020-03-20T06:57:53-03:00
à janela

Bolsonaro é alvo de panelaços pelo terceiro dia seguido

Em São Paulo, os protestos ocorreram em Pinheiros, aos gritos de “Fora, miliciano”, e nos bairros Bela Vista, Higienópolis, Santa Cecília, Barra Funda, Jardins, Bixiga, Perdizes e República

20 de março de 2020
6:57
Presidente da República Jair Bolsonaro
Presidente da República Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro foi alvo de protestos nesta quinta-feira, 19, em ao menos quatro grandes cidades do País: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Fortaleza. É o terceiro dia consecutivo que manifestantes convocam panelaços contra o presidente.

Em São Paulo, os protestos ocorreram em Pinheiros, aos gritos de “Fora, miliciano”, e nos bairros Bela Vista, Higienópolis, Santa Cecília, Barra Funda, Jardins, Bixiga, Perdizes e República.

Já no Rio de Janeiro, há relatos de panelaços nos bairros Humaitá, Laranjeiras, Lapa Santa Teresa, Glória, Jardim Botânico, Leme e Botafogo.

Belo Horizonte e Fortaleza também registraram protestos nesta quinta, com moradores batendo panela aos gritos de "Fora Bolsonaro".

No Twitter, internautas já cogitam novo panelaço no próximo sábado, 21, dia em que Bolsonaro faz aniversário. As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, formadas por centenas de movimentos sociais, sindicais e partidos de esquerda, estão convocando novo panelaço em protesto contra o presidente para a mesma data às 20h.

Na última quarta-feira, 18, ao menos 22 capitais fizeram panelaços contra o presidente. Marcados inicialmente para as 20h30, os atos ocorreram ao longo do dia, enquanto Bolsonaro fazia aparições públicas para falar sobre medidas de combate ao coronavírus.

Desde o início da tarde de quarta, o presidente tentou neutralizar o efeito do protesto contra seu governo. Nas redes sociais e em entrevista coletiva, divulgou a existência de outro panelaço, às 21h e a favor do seu governo. A mobilização pró-Planalto foi registrada em pelo menos oito capitais.

Levantamento do jornal O Estado de S. Paulo mostra que o governo passou a ser alvo de "panelaços" nesta semana até em regiões que garantiram ao presidente 80% dos votos no 2º turno contra Fernando Haddad (PT) em 2018.

Na capital paulista, uma das regiões onde protestos foram ouvidos é o bairro do Morumbi, onde urnas chegaram a registrar 80,4% dos votos válidos para Bolsonaro na eleição. Moema (onde o então candidato do PSL levou 76,8% dos votos), Jardins (75,2%), Vila Romana (74,8%) e Santana (74,7%) também registraram atos.

No Rio, o cenário é parecido. Bolsonaro teve mais de 60% da preferência dos eleitores de bairros como Ipanema (67,3% contra 32,7% de Haddad) e Freguesia, em Jacarepaguá (61,6%), e foi alvo de protestos.

Aplausaço

Nas redes sociais, também foi convocado um aplausaço, como parte de uma campanha encampada por artistas para dar uma salva de palmas aos profissionais de saúde que atuam no combate ao coronavírus.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

emergência

Auxílio emergencial já pago soma R$ 1,5 bilhão, diz Caixa

Segundo informações do banco, o benefício já foi creditado na conta poupança de 2.150.497 clientes da Caixa, e outros 436.078 lançamentos serão realizados pelo Banco do Brasil ainda nesta quinta

180 dias para pagar

Caixa vai dar carência de seis meses para pagamento de financiamento imobiliário

Opção estará disponível a partir de segunda-feira para a compra de imóveis novos por qualquer linha de crédito; financiamentos em andamento já podiam optar por uma pausa de 90 dias nas prestações

agenda de brasília

Câmara adia votação de projeto de socorro a Estados para dia 13

Além de suspender o pagamento de parcelas de dívidas com a União e bancos, o projeto permite aos governadores tomar crédito novo no limite de até 8% de suas receitas

crise chegando

Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA chegam a 6,61 milhões

Total ficou bem acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de 5 milhões de solicitações

diante da crise

BC autoriza emissão de letra de crédito imobiliário (LCI) por cooperativas

Segundo BC, medida tem potencial para impactar positivamente o setor imobiliário, propiciando condições para aumentar a concorrência e a oferta de produtos e de serviços no sistema financeiro

anticrise

BC libera R$ 3,2 bi em requerimento de capital no crédito para PME

Regra abrange as empresas com receita bruta anual entre R$ 15 milhões e R$ 300 milhões

Exile on Wall Street

De que tipo de estratégia precisamos agora?

Cuidado, pois muitas pessoas confundem estratégia com resultado almejado.

medida emergencial

Instituições poderão reclassificar operações de crédito negociado, diz BC

Medida valerá para as operações renegociadas entre 1º de março e 30 de setembro de 2020

mercados hoje

Ibovespa encosta nos 80 mil pontos, seguindo Wall Street; dólar cai a R$ 5,05

Apetite ao risco é sustentado pela divulgação de preços ao produtor nos EUA e os números de pedidos de auxílio-desemprego no país — ambos melhores do que esperado por analistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements