Menu
2020-03-20T06:57:53-03:00
Estadão Conteúdo
à janela

Bolsonaro é alvo de panelaços pelo terceiro dia seguido

Em São Paulo, os protestos ocorreram em Pinheiros, aos gritos de “Fora, miliciano”, e nos bairros Bela Vista, Higienópolis, Santa Cecília, Barra Funda, Jardins, Bixiga, Perdizes e República

20 de março de 2020
6:57
Presidente da República Jair Bolsonaro
Presidente da República Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro foi alvo de protestos nesta quinta-feira, 19, em ao menos quatro grandes cidades do País: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Fortaleza. É o terceiro dia consecutivo que manifestantes convocam panelaços contra o presidente.

Em São Paulo, os protestos ocorreram em Pinheiros, aos gritos de “Fora, miliciano”, e nos bairros Bela Vista, Higienópolis, Santa Cecília, Barra Funda, Jardins, Bixiga, Perdizes e República.

Já no Rio de Janeiro, há relatos de panelaços nos bairros Humaitá, Laranjeiras, Lapa Santa Teresa, Glória, Jardim Botânico, Leme e Botafogo.

Belo Horizonte e Fortaleza também registraram protestos nesta quinta, com moradores batendo panela aos gritos de "Fora Bolsonaro".

No Twitter, internautas já cogitam novo panelaço no próximo sábado, 21, dia em que Bolsonaro faz aniversário. As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, formadas por centenas de movimentos sociais, sindicais e partidos de esquerda, estão convocando novo panelaço em protesto contra o presidente para a mesma data às 20h.

Na última quarta-feira, 18, ao menos 22 capitais fizeram panelaços contra o presidente. Marcados inicialmente para as 20h30, os atos ocorreram ao longo do dia, enquanto Bolsonaro fazia aparições públicas para falar sobre medidas de combate ao coronavírus.

Desde o início da tarde de quarta, o presidente tentou neutralizar o efeito do protesto contra seu governo. Nas redes sociais e em entrevista coletiva, divulgou a existência de outro panelaço, às 21h e a favor do seu governo. A mobilização pró-Planalto foi registrada em pelo menos oito capitais.

Levantamento do jornal O Estado de S. Paulo mostra que o governo passou a ser alvo de "panelaços" nesta semana até em regiões que garantiram ao presidente 80% dos votos no 2º turno contra Fernando Haddad (PT) em 2018.

Na capital paulista, uma das regiões onde protestos foram ouvidos é o bairro do Morumbi, onde urnas chegaram a registrar 80,4% dos votos válidos para Bolsonaro na eleição. Moema (onde o então candidato do PSL levou 76,8% dos votos), Jardins (75,2%), Vila Romana (74,8%) e Santana (74,7%) também registraram atos.

No Rio, o cenário é parecido. Bolsonaro teve mais de 60% da preferência dos eleitores de bairros como Ipanema (67,3% contra 32,7% de Haddad) e Freguesia, em Jacarepaguá (61,6%), e foi alvo de protestos.

Aplausaço

Nas redes sociais, também foi convocado um aplausaço, como parte de uma campanha encampada por artistas para dar uma salva de palmas aos profissionais de saúde que atuam no combate ao coronavírus.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Expansão

SPX Capital assume operações do Carlyle no país

As operações do Carlyle no Brasil serão absrovidas pela SPX Capital. Com isso, a gestora de Rogério Xavier se expande em private equity

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies