Menu
2020-05-07T23:03:00-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Efeito coronavírus

Despesa de grandes bancos com provisões para calotes supera o lucro no trimestre

Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil contabilizaram um total de R$ 25,8 bilhões em provisões, ante um lucro de R$ 14,7 bilhões. A grande dúvida dos investidores agora é se o baque vai continuar nos balanços seguintes

8 de maio de 2020
5:14 - atualizado às 23:03
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

Em meio à crise do coronavírus, as despesas dos grandes bancos com provisões para calotes no crédito superou (e muito) o lucro líquido no primeiro trimestre deste ano.

Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil contabilizaram um total de R$ 25,8 bilhões em provisões, o que representa um aumento de 88% em relação ao três primeiros meses de 2019.

Enquanto isso, o lucro dos bancões registrou uma rara queda de 28,5% e somou R$ 14,7 bilhões no trimestre. Sem dúvida uma má notícia para tem ações desses bancos.

Para quem não é acionista, fica um alerta: quando o lucro dos bancos cai, o prognóstico para o resto da economia costuma ser bem mais complicado.

A grande dúvida dos investidores agora é se o baque do primeiro trimestre vai continuar nos balanços seguintes. A resposta provavelmente é sim, mas a intensidade vai variar de banco para banco, e a seguir eu digo por quê.

O mais rentável (por um trimestre?)

Os bancos são obrigados pela regulação a reservar uma parcela de dinheiro para proteger o balanço de calotes no crédito de acordo com a faixa de atraso.

Os balanços em geral ainda não mostraram aumento da inadimplência, mas as instituições financeiras decidiram se antecipar à recessão econômica nos próximos meses.

Dos quatro grandes, apenas o Santander decidiu não fazer provisões extras para o coronavírus. Em teleconferência com analistas, Angel Santodomingo, vice-presidente executivo do banco, disse estar "confortável" com as reservas que possui hoje para lidar com a crise.

O Santander também foi o único a ter aumento no lucro e, com isso, desbancou o Itaú como o mais rentável entre os grandes bancos. Mas é provável que esse título dure apenas um trimestre e que a conta para o banco espanhol venha já no próximo balanço.

No dia da divulgação do resultado, as ações do Santander dispararam na bolsa. Mas os papéis devolveram os ganhos nos pregões seguintes quando os outros bancos mostraram um cenário bem diferente.

Mais preparado

O Itaú foi quem fez a maior provisão para o coronavírus. O banco teve uma despesa total de R$ 10 bilhões para proteger o balanço de calotes no crédito no primeiro trimestre, um aumento de 165%. Desse total, R$ 4,3 bilhões foram reflexo do "efeito coronavírus".

Na teleconferência com a imprensa, da qual eu participei, o presidente do Itaú, Candido Bracher, não descartou a possibilidade de fazer mais provisões nos próximos balanços e falou que o momento exige generosidade do banco.

A avaliação da maior parte dos investidores e analistas, porém, é que o maior banco privado brasileiro é o mais preparado para segurar o rojão do coronavírus.

Vai piorar

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, fez um prognóstico ainda mais negativo e disse que a crise atual pode levar a inadimplência a níveis maiores que em recessões passadas.

Isso significa que o Bradesco provavelmente terá de fazer mais provisões nos próximos balanços além dos R$ 2,7 bilhões extras do primeiro trimestre (R$ 6,7 bilhões no total).

O banco também foi o único a mostrar um aumento mais representativo da inadimplência já no resultado dos três primeiros meses do ano.

O Banco do Brasil encerrou a temporada de resultados dos grandes bancos com uma queda de 20% no lucro e R$ 2 bilhões em provisões para o coronavírus (R$ 5,5 bilhões no total).

A primeira leitura do resultado é positiva, segundo os analistas do BTG Pactual. Ao contrário dos concorrentes privados, o BB conseguiu manter o nível de capital apesar do lucro menor destacaram os analistas.

Por outro lado, o banco pode ter de reforçar ainda mais as provisões nos balanços seguintes, dependendo de como a economia vai reagir na fase pós-quarentena.

Leia também:

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

DE OLHO NO LONGO PRAZO

Ouro ou imóveis: qual o melhor investimento para defender seu patrimônio?

Na hora da crise, os dois investimentos são considerados capazes de salvar seu dinheiro do derretimento dos mercados no longo prazo.

crise de saúde

Brasil tem 28.834 mortes por covid-19

Foram incluídas nas estatísticas 33.274 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, somando 498.440 casos confirmados

conflito entre poderes

‘Tudo aponta para uma crise’, diz Bolsonaro sobre decisões do STF e e TSE

Decisões recentes de Cortes miram a família, aliados e a sua campanha presidencial em 2018

dados da anp

403 estão contaminados pelo coronavírus em unidades de produção de petróleo

ANP reiterou o registro de uma morte de funcionário de uma embarcação de apoio à produção que desembarcou no dia 24 de abril

crise política

PF quer ouvir Bolsonaro no inquérito sobre interferências na corporação

Como presidente, Bolsonaro pode optar pelo depoimento por escrito

situação crítica

Acordo fixa prazo de 20 dias para análise de pedidos de auxílio de R$ 600

Em redes sociais, usuários chegam a relatar espera superior a 40 dias para receber uma resposta da solicitação

conflito entre poderes

Maia diz que Bolsonaro ‘desorganiza e gera insegurança’

Na última quinta-feira, 28, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), se reuniu com Bolsonaro para pedir a pacificação entre os Poderes. Maia decidiu não acompanhar o colega na visita

sem reabertura agora

Prefeitura de São Paulo prorroga quarentena até 15 de junho

De acordo com Covas, não haverá nenhum tipo de mudança na autorização de funcionamento dos setores que atualmente estão proibidos de abrir à população.

diante da crise

Abrindo a economia agora, vamos ter de fechar de novo, diz ex-presidente do BC

Affonso Celso Pastore disse que vê como prematura a reabertura antes do início do achatamento da curva de mortes pela Covid-19; estados anunciaram nos últimos dias a flexibilização

histórico

SpaceX, do bilionário Elon Musk, lança astronautas da Nasa pela primeira vez; veja vídeo

Neste sábado, às 16h22 (pelo horário de Brasília), foguete da empresa decolou, marcando mais um avanço do setor privado sobre a exploração espacial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements