🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

Estadão Conteúdo
peso-pesado dos eua

Gigante americana Greystar chega ao país para construir imóveis para alugar

Empresa no Brasil tem como sócia a incorporadora Cyrela e o fundo de pensão canadense CPP Investments

vista aérea de imóveis em São Paulo
Imagem: Divulgação

Peso-pesado do mercado imobiliário norte-americano, a Greystar Real Estate Partners está chegando ao Brasil decidida a desbravar um ramo pouco explorado aqui: o de edifícios residenciais construídos para locação. A entrada da Greystar no Brasil será como sócia da incorporadora Cyrela e do fundo de pensão canadense CPP Investments - essas duas gigantes criaram, no fim de 2019, uma empresa focada em imóveis residenciais para aluguel.

A Greystar entra no negócio com uma pequena fatia, de 5%. Fará o desenho dos empreendimentos, a locação e administração dos imóveis. A Cyrela terá 20% de participação. Além de ajudar com a comprar terrenos, ela se encarregará das obras. E o CPP Investments terá 75%, sendo responsável pela maior parte dos desembolsos.

A meta do trio é investir R$ 1 bilhão para lançar dez empreendimentos nos próximos três anos, na cidade de São Paulo. "Podemos chegar a R$ 1,5 bilhão se encontrarmos mais oportunidades ou se a economia brasileira se recuperar mais rápido do que o previsto", diz a diretora de investimentos imobiliários do CPP, Marcela Drigo. A taxa de retorno estimada, segundo ela, está na ordem de 14% a 15% ao ano.

O diretor da Greystar na América do Sul, Tom Livelli, tem o horizonte de chegar a 5 mil apartamentos em cinco anos no País. Na sua avaliação, a atratividade do mercado brasileiro pode crescer rapidamente, especialmente no setor de locação, em que há pouca concorrência. "Vemos uma oportunidade tremenda de crescer."

Nesse segmento, a escala é importante para diluir custos dos contratos de segurança e limpeza dos condomínios. Os empreendimentos têm mais ou menos o mesmo desenho ao redor do mundo, com algumas adaptações locais.

"Me chamou a atenção o gosto dos brasileiros por churrasqueira na varanda e uma área de serviço grande para acomodar máquina de lavar. São diferenças culturais importantes que identificamos", diz Livelli.

Os primeiros três projetos da parceria entre Greystar, Cyrela e CPP ficarão nos bairros de Higienópolis, Pinheiros e Moema. Cada edifício terá, em média, 150 unidades, variando desde pequenos estúdios até apartamentos de três quartos. Com foco nos inquilinos de média e alta renda, os valores mensais de aluguel vão girar entre R$ 3 mil a R$ 5 mil, podendo se estender até R$ 10 mil.

Modelo. No Brasil, geralmente os imóveis pertencem a pessoas físicas, que alugam casas e apartamentos por imobiliárias. Nos EUA e na Europa, o segmento é dominado por incorporadoras e fundos de investimento, que detêm milhares de apartamentos em prédios erguidos para esse fim. Em 2019, foram construídas 280 mil moradias nesta categoria nos EUA, aponta a consultoria CBRE. Só a Greystar tem 693 mil unidades em 200 cidades de EUA, Europa e Ásia.

No Brasil, os primeiros negócios do segmento surgiram há cerca de cinco anos, e o mercado tem hoje 7 mil apartamentos nesse nicho, contando unidades prontas ou previstas para os próximos anos.
A Luggo, subsidiária da MRV, tem 3,2 mil unidades na esteira de produção em Belo Horizonte, Curitiba e São Paulo, sem contar 400 que já foram vendidos para um fundo de investimento imobiliário. A JFL Realty, de Jorge Felipe Lemann, tem 337 unidades e 1 mil em desenvolvimento até 2022.

A diretora de locação residencial do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), Carolina Burg, diz que, se o Brasil atrair investimentos equivalentes a 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB) nesse nicho, que é a média nos EUA e na Europa, isso representaria cerca de US$ 10 bilhões por ano, explica, citando pesquisa de consultorias.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe

ALERTA DE OPORTUNIDADE

Por que você deveria comprar ações de construtoras agora, segundo o JP Morgan

1 de setembro de 2022 - 12:20

Os analistas alertam que um gatilho de alta para o setor pode ser disparado em breve, na próxima reunião do Copom

PREVISÕES DO SETOR

Inflação preocupa e construtoras planejam reduzir os lançamentos no terceiro trimestre, revela pesquisa do Santander com empresas do setor

8 de agosto de 2022 - 13:51

O banco conversou com 30 companhias e chegou à conclusão que a visão da maior parte delas ainda é positiva — mas o sentimento está “ligeiramente deteriorado”

AS FAVORITAS DO BOFA

As ações das incorporadoras ainda vão sofrer com a alta de juros. Mas duas delas ainda têm potencial para subir quase 90%, diz analista

23 de junho de 2022 - 16:20

Bank of America corta estimativas para principais construtoras da B3 com perspectiva de Selic ainda em níveis elevados no ano que vem, mas vê oportunidades no setor

PÓDIO DA CONSTRUÇÃO

Cyrela (CYRE3), Mitre (MTRE3) ou MRV (MRVE3)? Na corrida das incorporadoras, veja qual ação ter na carteira, segundo o Bradesco BBI

3 de junho de 2022 - 17:29

Das 14 empresas do setor avaliadas pelo banco de investimentos, uma é a preferida, outra perdeu o posto e ainda há aquela que roubou a cena; descubra quais são

REVISÃO GERAL

JP Morgan corta preços-alvo de cinco incorporadoras da B3, mas ainda recomenda compra e projeta alta de até 43% para três nomes do setor — veja quais são eles

30 de maio de 2022 - 13:40

Com a inflação ainda sem mostrar sinais de desaceleração, os analistas revisaram as estimativas financeiras para todo o setor

DESTAQUES DA BOLSA

Incorporadoras da B3 sobem forte com novidades no programa Casa Verde e Amarela; veja quais ações mais ganham com as atualizações

26 de maio de 2022 - 13:31

As mudanças já anunciadas e outras ainda em discussão no Ministério do Desenvolvimento Regional trazem alívio ao segmento hoje

BALANÇO

Cyrela (CYRE3) registra lucro de R$ 161 milhões no primeiro trimestre, mas inflação pesa no resultado da empresa; entenda

15 de maio de 2022 - 8:47

A margem bruta, indicador que leva em conta o impacto da alta dos insumos nos negócios, indica que a inflação tem afetado o desempenho da empresa

DESTAQUES DA BOLSA

PDG (PDGR3) disparou mais de 9%; por que as ações desta e de outras construtoras da B3 subiram forte hoje?

25 de abril de 2022 - 17:53

Não há nenhuma grande notícia que explique o desempenho do setor, mas algumas pistas ajudam a solucionar esse mistério

AS VENDEDORAS DE SONHOS

As prévias das incorporadoras “enganaram” o mercado e as ações despencaram, mas o setor merece um novo voto de confiança; veja por quê

25 de março de 2022 - 7:31

As empresas surpreenderam positivamente no início do ano, mas os balanços mostraram resultados abaixo das expectativas e margens pressionadas pela inflação

Pódio da XP

Cury (CURY3) supera inflação e vence a última bateria de balanços das construtoras no quarto trimestre; veja o pódio completo

18 de março de 2022 - 13:32

Entre tombos e desacelerações, a empresa encontrou estratégias certeiras para ultrapassar o obstáculo inflacionário

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar