Menu
2020-04-25T14:00:37-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Casamento desfeito

Embraer diz que Boeing “fabricou falsas alegações” para desistir de acordo

Para a Embraer, alegações da Boeing para cancelar associação foram pretexto para evitar o pagamento de US$ 4,2 bilhões previsto no acordo entre as fabricantes de aeronaves

25 de abril de 2020
13:53 - atualizado às 14:00
Embraer
Imagem: Divulgação

A Embraer partiu para o ataque contra a Boeing após a empresa norte-americana desistir da associação (joint venture) entre as fabricantes de aeronaves.

Para a companhia brasileira, a Boeing rescindiu indevidamente o Acordo Global da Operação (MTA).

Em comunicado, a Embraer informou que a Boeing “fabricou falsas alegações como pretexto para tentar evitar seus compromissos de fechar a transação”. O negócio previa o pagamento de US$ 4,2 bilhões por parte da empresa americana.

Leia também:

A Boeing teria adotado um “padrão sistemático de atraso e violações repetidas ao MTA, devido à falta de vontade em concluir a transação, sua condição financeira, ao 737 MAX e outros problemas comerciais e de reputação”.

Pouco depois do acordo com a Embraer, a Boeing entrou em uma crise gravíssima em razão dos problemas de seu jato 737 Max.

A situação piorou ainda mais recentemente diante da crise do coronavírus, que derrubou a demanda global por transporte aéreo.

“A empresa buscará todas as medidas cabíveis contra a Boeing pelos danos sofridos como resultado do cancelamento indevido e da violação do MTA”, acrescentou a Embraer, no comunicado.

O prazo para um acordo entre as empresas acabou ontem, mas poderia ser prorrogado. “A Boeing exerceu seu direito de rescisão depois que a Embraer não satisfez as condições necessárias”, informou a companhia norte-americana.

O negócio previa a criação de uma duas parcerias estratégicas, uma na área de aviação comercial da Embraer e outra para desenvolver novos mercados para as aeronaves C-390 Millennium de transporte aéreo e mobilidade aérea.

Com os rumores de que o negócio não seria concretizado, as ações da Embraer (EMBR3) fecharam em forte queda de 10,68% na B3 no pregão de ontem.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

QUEM VAI LEVAR?

Totvs não desiste e estende prazo de oferta pela Linx

Empresa já havia sinalizado que seguiria na disputa com a Stone até o final

Leilão do 5G

Decisão sobre 5G deve ficar para começo de 2021, diz embaixador brasileiro

Após pressões dos EUA contra a companhia chinesa Huawei no leilão do 5G, Nestor Forster afirma que decisão ‘não será tomada em Washington, mas em Brasília’

QUE CRISE?

Weg surpreende mais uma vez o mercado, com alta de 54% do lucro no 3º trimestre

Resultado vem muito acima das expectativas, diante da retomada da demanda por equipamentos

Esquenta dos mercados

Ibovespa tem pregão crucial depois de recuperar a marca dos 100 mil pontos

Investidores temem que riscos internos e externos limitem recuperação a um ‘bear market rally’

AINDA EM DIFICULDADES

IRB Brasil fecha agosto com prejuízo de R$ 65,4 milhões

Excluindo os efeitos de negócios descontinuados, a companhia apresentou lucro de R$ 73,8 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies