2020-07-30T06:58:31-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanços

Bradesco volta a aumentar provisões e lucro cai 40,1% no segundo trimestre

Banco registrou lucro líquido de R$ 3,873 bilhões, abaixo das projeções dos analistas, mas um pouco melhor que o resultado do primeiro trimestre

30 de julho de 2020
6:36 - atualizado às 6:58
Imagem: Estadão Conteúdo / André Dusek

O reforço das provisões no balanço do primeiro trimestre não foi considerado suficiente pelo Bradesco para lidar com a crise do coronavírus. O banco decidiu fazer um novo aumento nas despesas para perdas no crédito, o que derrubou o lucro líquido para R$ 3,873 bilhões no segundo trimestre.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Trata-se de uma queda de 40,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Na comparação com os três primeiros meses de 2020, porém, houve uma pequena melhora de 3,2%.

O resultado ficou abaixo da projeção dos analistas, que apontava para um lucro de R$ 3,997 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

A queda no lucro derrubou a rentabilidade sobre o patrimônio líquido do Bradesco para 11,9%, contra 20,6% do segundo trimestre de 2019. O retorno foi um pouco menor que os 12% do Santander Brasil.

Provisões

O lucro menor é justificado principalmente pelo novo reforço de R$ 3,8 bilhões nas provisões para perdas no crédito, com a expectativa de aumento na inadimplência em consequência da crise. No primeiro trimestre, o Bradesco já havia constituído R$ 2,7 bilhões em provisões.

“Nossos estudos internos, que são baseados em modelos estatísticos que capturam informações históricas e prospectivas, bem como a experiência da Administração, e refletem nossa expectativa de perdas em diferentes cenários econômicos que indicam, neste momento, a necessidade de reforçar nossas provisões relacionadas ao cenário econômico adverso”, escreveu o banco, no relatório que acompanha o balanço.

No total, as despesas com provisões atingiram R$ 8,890 bilhões no segundo trimestre, alta de 155% em relação ao mesmo período do ano passado e de 32,5% ante os três primeiros meses do ano.

Crédito e inadimplência

A margem financeira do banco, que inclui a receita na concessão de crédito menos os custos de captação, foi o grande destaque do balanço, com uma alta de 15,3% na comparação com o segundo trimestre do ano passado, para R$ 16,684 bilhões.

A carteira de crédito do Bradesco encerrou junho em R$ 661 bilhões, um avanço de 0,9% em relação a março e de 14,9% em 12 meses, puxado principalmente pelos financiamentos às grandes empresas.

O índice de inadimplência acima de 90 dias na carteira do banco recuou para 3% no fim do segundo trimestre, ante 3,7% em março e 3,2% em junho de 2019. Vale lembrar, contudo, que os bancos fizeram programas de renegociação e alongamento de dívidas nesse período.

Com a melhora nos mercados no segundo trimestre, as receitas do banco com as operações da tesouraria avançaram 54,2% em relação ao segundo trimestre do ano passado e somaram R$ 3,5 bilhões.

O resultado das operações de seguros também ajudou o resultado, com um avanço de 5,1%, para R$ 3,8 bilhões.

Tarifas e despesas

Além das provisões, o desempenho das receitas com prestações de serviços e tarifas pesaram nos resultados do Bradesco, com uma queda de 7,9% na comparação com o segundo trimestre de 2019, para R$ 7,626 bilhões.

O banco atribui a redução ao cenário econômico adverso. Mas não podemos nos esquecer que o setor também passa por um forte aumento da concorrência em áreas como cartões e investimentos.

O Bradesco compensou parte dessa redução com um forte controle de despesas, que caíram 5,5% em relação ao mesmo período do ano passado e somaram R$ 11,459 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin (BTC) corre atrás do prejuízo e avança mais de 4% hoje; ethereum (ETH) recupera perdas da semana

As criptomoedas correm atrás do prejuízo e tentam recuperar parte da queda brusca registradas no último sábado

CRIPTO INSTITUCIONAL

Real digital vem aí! Banco Central prepara versão virtual da moeda brasileira para 2022

A instituição lançou um laboratório para estudar as possibilidades de uso e de execução de projetos com a versão virtual da moeda brasileira

Clube do Livro

Para ter sucesso nos investimentos, é preciso fugir das armadilhas da mente – É o que mostra o livro “A arte de pensar claramente”, de Rolf Dobelli

Compreender como o nosso cérebro funciona no processo de tomada de decisões é essencial para ter mais assertividade na vida financeira e nos investimentos.

Trilhas de Carreira

O que os cursos sobre liderança profissional não contam para você

Já vi e participei de muitas capacitações, mas poucas me transformaram genuinamente. Isso me faz refletir bastante sobre a essência dos líderes, e observo que há um padrão bem recorrente

PLANEJAMENTO FINANCEIRO

Reserva de emergência é para todo mundo? Não segundo este planejador financeiro; entenda

Separar uma quantia para imprevistos não importa a sua situação é uma recomendação quase unânime entre os planejadores financeiros, mas esse profissional acredita no contrário