Menu
2020-07-30T06:58:31-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanços

Bradesco volta a aumentar provisões e lucro cai 40,1% no segundo trimestre

Banco registrou lucro líquido de R$ 3,873 bilhões, abaixo das projeções dos analistas, mas um pouco melhor que o resultado do primeiro trimestre

30 de julho de 2020
6:36 - atualizado às 6:58
Banco Bradesco
Imagem: Estadão Conteúdo / André Dusek

O reforço das provisões no balanço do primeiro trimestre não foi considerado suficiente pelo Bradesco para lidar com a crise do coronavírus. O banco decidiu fazer um novo aumento nas despesas para perdas no crédito, o que derrubou o lucro líquido para R$ 3,873 bilhões no segundo trimestre.

Trata-se de uma queda de 40,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Na comparação com os três primeiros meses de 2020, porém, houve uma pequena melhora de 3,2%.

O resultado ficou abaixo da projeção dos analistas, que apontava para um lucro de R$ 3,997 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

A queda no lucro derrubou a rentabilidade sobre o patrimônio líquido do Bradesco para 11,9%, contra 20,6% do segundo trimestre de 2019. O retorno foi um pouco menor que os 12% do Santander Brasil.

Provisões

O lucro menor é justificado principalmente pelo novo reforço de R$ 3,8 bilhões nas provisões para perdas no crédito, com a expectativa de aumento na inadimplência em consequência da crise. No primeiro trimestre, o Bradesco já havia constituído R$ 2,7 bilhões em provisões.

“Nossos estudos internos, que são baseados em modelos estatísticos que capturam informações históricas e prospectivas, bem como a experiência da Administração, e refletem nossa expectativa de perdas em diferentes cenários econômicos que indicam, neste momento, a necessidade de reforçar nossas provisões relacionadas ao cenário econômico adverso”, escreveu o banco, no relatório que acompanha o balanço.

No total, as despesas com provisões atingiram R$ 8,890 bilhões no segundo trimestre, alta de 155% em relação ao mesmo período do ano passado e de 32,5% ante os três primeiros meses do ano.

Crédito e inadimplência

A margem financeira do banco, que inclui a receita na concessão de crédito menos os custos de captação, foi o grande destaque do balanço, com uma alta de 15,3% na comparação com o segundo trimestre do ano passado, para R$ 16,684 bilhões.

A carteira de crédito do Bradesco encerrou junho em R$ 661 bilhões, um avanço de 0,9% em relação a março e de 14,9% em 12 meses, puxado principalmente pelos financiamentos às grandes empresas.

O índice de inadimplência acima de 90 dias na carteira do banco recuou para 3% no fim do segundo trimestre, ante 3,7% em março e 3,2% em junho de 2019. Vale lembrar, contudo, que os bancos fizeram programas de renegociação e alongamento de dívidas nesse período.

Com a melhora nos mercados no segundo trimestre, as receitas do banco com as operações da tesouraria avançaram 54,2% em relação ao segundo trimestre do ano passado e somaram R$ 3,5 bilhões.

O resultado das operações de seguros também ajudou o resultado, com um avanço de 5,1%, para R$ 3,8 bilhões.

Tarifas e despesas

Além das provisões, o desempenho das receitas com prestações de serviços e tarifas pesaram nos resultados do Bradesco, com uma queda de 7,9% na comparação com o segundo trimestre de 2019, para R$ 7,626 bilhões.

O banco atribui a redução ao cenário econômico adverso. Mas não podemos nos esquecer que o setor também passa por um forte aumento da concorrência em áreas como cartões e investimentos.

O Bradesco compensou parte dessa redução com um forte controle de despesas, que caíram 5,5% em relação ao mesmo período do ano passado e somaram R$ 11,459 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ARMADILHAS FINANCEIRAS

Dois investimentos que parecem uma boa, mas são ‘cilada’

As armadilhas costumam travestir-se de “grandes retornos, com baixo risco”.

Coronavírus

Brasil atinge 100 mil mortos por covid-19; STF decreta luto de 3 dias

Enquanto isso, Bolsonaro destaca 2 milhões de recuperados

Balanço

Lucro da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, sobe 87% no 2º trimestre

Recuperação do mercado de ações teve bons reflexos no balanço da companhia do megainvestidor Warren Buffett, mas no ano a empresa ainda amarga prejuízo

Às vésperas do orçamento

Ministros pedem mais recursos a Guedes

Sob pressão interna para ampliar os gastos como forma de combater os efeitos econômicos da covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa entregar o Orçamento do ano que vem até o dia 31 deste mês

Entrevista

Meirelles: ‘A raiz da pressão por aumento de gastos é sempre a mesma, eleição’

Em entrevista ao Estadão, Henrique Meirelles lembra que o País tem pouca memória e que quebrar o teto levaria a uma crise muito maior do que a de 2015

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements