Menu
2020-01-15T13:05:50-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Reflexos da crise

Boeing tem redução no número de pedidos e entregas de aeronaves em 2019

Resultado é decorrência da crise que assola a Boeing após dois acidentes com o 737 MAX, que deixou 346 mortos

15 de janeiro de 2020
8:25 - atualizado às 13:05
miniatura de Boeing 737 MAX
Miniatura de Boeing 737 MAX em exposição em Moscou em julho de 2017 - Imagem: Shutterstock

A Boeing anunciou nesta terça-feira (14) os seus números de entregas de 2019 com uma consideravel redução do apresentado em 2018.

Segundo o comunicado, a companhia teve uma queda de 87 pedidos em 2019. Ou seja, foram feitos mais cancelamentos do que novos pedidos.

O resultado é decorrência da crise que assola a Boeing após dois acidentes com o 737 MAX, que deixou mais de 340 mortos.

O modelo se encontra proibido de voar desde março e sua fabricação está suspensa desde o começo do mês até que todas as solicitações feitas por autoridades mundiais sejam contempladas.

Nesse meio tempo, os pedidos para aeronaves 737 caíram 90% durante o ano.

Quanto ao número de entregas, a companhia realizou apenas 380 entregas, menos da metade do ano anterior, quando a Boeing havia entregado 806 aeronaves.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies