Menu
2020-07-01T18:32:22-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Em apuros

Crise nos ares: AeroMexico se junta à Latam e Avianca e pede recuperação judicial

O setor aéreo da América Latina sofreu mais um duro golpe: a AeroMexico seguiu o caminho da Latam e da Avianca e entrou com um pedido de recuperação judicial, citando os impactos do coronavírus às operações

1 de julho de 2020
16:01 - atualizado às 18:32
Aeromexico
Imagem: Shutterstock

O setor aéreo é um dos mais afetados pela pandemia do coronavírus: o fechamento das economias, as restrições para a circulação de pessoas e as inúmeras incertezas que ainda permanecem no radar provocaram uma queda abrupta na demanda por voos. Dentro desse segmento, as empresas da América Latina parecem especialmente fragilizadas — e a AeroMexico é a vítima da vez.

A tradicional companhia aérea mexicana deu entrada no chamado 'Chapter 11' da corte de falências dos Estados Unidos — um mecanismo que equivale a um processo de recuperação judicial. Com isso, ela se junta à Latam e à Avianca, outras duas grandes empresas aéreas latinas que tiveram que recorrer ao mesmo artifício por causa dos impactos da Covid-19 sobre as operações.

Em comunicado, a AeroMexico diz que a recuperação judicial será útil para "fortalecer sua posição financeira e de liquidez, proteger e preservar suas operações e ativos", ao mesmo tempo em que permite a implantação de "mudanças operacionais" para se adequar às mudanças causadas pela pandemia do coronavírus.

Vale ressaltar que um pedido de recuperação judicial não é, nem de longe, uma espécie de sentença de morte: no passado, gigantes com a Delta e a American Airlines já tiveram de recorrer ao processo e conseguiram se reerguer. Mas o fato de três importantes companhias aéreas do continente estarem nessa situação ao mesmo tempo levanta dúvidas quanto ao futuro do setor na região.

Por mais que a AeroMexico ressalte que continuará a operar — inclusive, ela diz ter planos para dobrar o número de voos domésticos e quadruplicar o total de decolagens internacionais em julho em relação a junho —, há uma natural preocupação quanto a um eventual enxugamento de sua malha, diminuindo o número de conexões aéreas no continente.

A Latam, por exemplo, encerrou suas operações na Argentina logo após anunciar seu processo de recuperação judicial e já manifestou a intenção de devolver algumas de suas aeronaves, de modo a cortar custos; a empresa chilena também fechou um acordo de compartilhamento de voos com a Azul, de modo a compensar parte do corte em seus voos.

Frota e malha

Atualmente, a AeroMexico usa 70 aeronaves da Boeing para voos internacionais e de longa distância e 57 aviões Embraer para rotas mais curtas ou regionais. A empresa voa para quase todos os países do continente americano, atendendo também os principais HUBs na Europa e na Ásia. No Brasil, a empresa mexicana possui frequências no aeroporto internacional de Guarulhos.

Até o momento, não há qualquer menção a eventuais cortes na malha ou reduções de frota. No comunicado à imprensa, a AeroMexico diz apenas estar buscando novas fontes de financiamento, conforme estabelecido em seu plano de recuperação judicial.

"Estamos confiantes de que, com essas novas fontes de liquidez, a atual posição de caixa da companhia e a aprovação do pedido pela corte de falências dos EUA, teremos condições para cumprir nossas obrigações financeiras e continuar operando de maneira precisa e eficaz", diz a empresa.

Balanço e ações

No primeiro trimestre de 2020, a AeroMexico reportou um prejuízo líquido de 2,5 bilhões de pesos mexicanos (cerca de US$ 110 milhões, no câmbio atual), quase o dobro das perdas registradas no mesmo período do ano passado. A receita líquida recuou 14% na mesma base de comparação, para 14 bilhões de pesos mexicanos.

Quanto à posição de caixa, a empresa terminou o mês de março com 13,2 bilhões de pesos mexicanos — cerca de US$ 580 milhões

Nesta quarta-feira, as ações da AeroMexico fecharam em forte queda na bolsa mexicana, recuando 28,47%, a 4,17 pesos. Com o desempenho do momento, os papéis amargam perdas de mais de 70% no acumulado do ano.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Segredos da bolsa

Com PIB brasileiro em foco, investidores monitoram juros futuros americanos e tensão em Brasília

O grande evento da semana é a divulgação dos números do Produto Interno Bruto brasileiro no ano passado, mas os investidores também monitoram o clima político em Brasília e os sinais de “superaquecimento” da economia americana

Novos tempos

Alvo de Bolsonaro, home office avança no setor público

Bolsonaro usou trabalho remoto para atacar presidente da Petrobras

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies