O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-11-27T12:22:54-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
A SEMANA EM GRÁFICOS

Covid-19 pressiona aéreas, turismo, Ibovespa e bitcoin, mas inflação avança no mundo: entenda a última semana com estes gráficos

As companhias aéreas sofreram perdas significativas na bolsa esta semana e nem o bitcoin (BTC) conseguiu se salvar

27 de novembro de 2021
12:22
gráfico de sobe e desce
Perdeu alguma coisa? Confira a nossa semana em gráficosImagem: Pixabay

A piora da covid-19 no mundo chamou a atenção dos investidores e pressionou o mercado como um todo no último pregão da semana. Enquanto o mercado já precificava uma retomada das atividades, a variante ômicron injetou novos temores de que os países devem iniciar lockdowns locais. Com isso, a pressão sobre a oferta e a demanda das commodities voltou a crescer, e o barril de petróleo caiu mais de 13% só na sexta-feira (26). O feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos trouxe uma menor liquidez para o mercado, e o pregão mais curto em Wall Street de ontem  limitou as perdas.

Nesse cenário, confira os principais dados da semana em gráficos:

Ibovespa: tombo de quase 4%

A bolsa brasileira encerrou a semana em queda de 3,93%, aos 102.068 pontos, após três pregões seguidos de alta. 

A maior preocupação da semana girava em torno da PEC dos precatórios e da Medida Provisória (MP) que instaura o Auxílio Brasil, o substituto do Bolsa Família. A votação de ambas as propostas ficou para a semana que vem, o que retirou a pressão sobre os investidores nesses dias.

Mas na Black Friday, os temores envolvendo a nova variante elevaram a cautela e a fuga dos investidores de ativos de risco chegou até o bitcoin (BTC) e o mercado de criptomoedas.

Bitcoin (BTC): um urso na sala

O bitcoin (BTC) chegou a recuar mais de 8% só na última sexta-feira (26). 

A maior criptomoeda do mercado chegou a recuar mais de 8% na última sexta-feira. A cautela com o avanço da covid-19 no mundo mostrou para os investidores que o bitcoin (BTC) ainda se apega ao mercado tradicional para se movimentar. Mas não apenas isso aconteceu esta semana.

Desde as máximas históricas aos US$ 68.680,11 no início de novembro, o bitcoin já caiu cerca de 20,9% — e, desta forma, entra no chamado “bear market” (mercado do urso, que indica queda).  A correção acontece depois da alta de 40% em outubro. No acumulado do ano, a maior criptomoeda do mercado sobe 87,2% em dólar.

Neste sábado (27), com um mercado que não para nunca, o bitcoin avança 0,54%, cotado a US$ 54.867,26 (R$ 307.321,18).

Sem viagens?

As ações das principais empresas aéreas e do setor de turismo também sentiram a pressão da covid-19 na sexta-feira. Os shoppings centers, outra categoria que sofreu com os efeitos das medidas de distanciamento social e restrições ao comércio, também amargam duras perdas com a incerteza no ar. 

PCE dos EUA: sobe (de elevador)

Os dados inflacionários dos Estados Unidos também vieram acima do esperado esta semana. O feriado do Dia de Ação de Graças manteve as bolsas fechadas na quinta-feira (25) e as negociações aconteceram apenas metade do tempo na sexta-feira (26)

Dessa forma, as negociações tiveram liquidez limitada e o impacto do avanço da inflação deve começar a ter efeito nas bolsas a partir de segunda-feira (29). 

Mas isso não é tudo. Com a escalada dos preços nos Estados Unidos (medido pelo PCE, sigla em inglês para preços ao consumidor), o Federal Reserve pode antecipar os planos de aumento dos juros ainda no primeiro semestre de 2022 e acelerar a retirada de estímulos da economia americana. 

IPCA-15: sobe (de foguete)

O investidor local viu a prévia da inflação oficial, medida pelo IPCA-15, registrar alta de 1,17% em novembro, acima da mediana das projeções dos especialistas ouvidos pelo Broadcast de 1,14%. No acumulado do ano, a alta é de 9,57% enquanto o índice sobe 10,73% em 12 meses.

Com isso, o IPCA-15 para o mês é o maior desde 2002, quando a alta foi de 2,08%. No acumulado do mês, o IPCA-15 bateu as maiores altas desde novembro de 2015 (9,42%) e novembro de 2003 (9,36%).

De acordo com a última pesquisa do Boletim Focus, que traz as projeções do mercado para a economia, o IPCA deve encerrar 2021 na casa dos 10,12%, com a Selic em 9,25% até o final do ano.

Com a alta da inflação, o Banco Central brasileiro pode acelerar a alta da Selic até o final do ano. Para a próxima reunião, está contratada uma alta de 150 pontos-base, mas, com o novo dado do IPCA, o mercado espera uma posição mais forte do BC. 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Cautela pesa e Ibovespa futuro abre em queda com exterior fraco; dólar avança para R$ 4,95

RESUMO DO DIA: Após o rali da última terça-feira (17), as bolsas amanheceram com leves perdas, em um movimento de ajuste cauteloso. A inflação na Europa preocupa, enquanto o Federal Reserve dá sinais mistos sobre o aperto monetário. Por aqui, o Ibovespa acompanha a privatização da Eletrobras (ELET3) e falas de Roberto Campos Neto e […]

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de swing trade: compra de ações da Suzano (SUZB3) e lucro de 5,3% no bolso com Wiz (WIZS3)

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Suzano (SUZB3), com entrada em R$ 52,74; confira a análise

O melhor do Seu Dinheiro

As stablecoins são o Real dos anos 1990? Confira a notícia do dia e outras sete histórias que mexem com os seus investimentos

Manter a paridade com o dólar não é tarefa simples, e o novíssimo mercado das criptomoedas experimentou esse travo amargo na semana passada; entenda a crise das stablecoins

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas lá fora tentam emplacar terceiro dia de alta, limitadas por dados inflacionários; Ibovespa mira Eletrobras (ELET3) e briga entre poderes

Ainda hoje, os investidores acompanham o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento

TRAGÉDIA NA CHINA

Alguém derrubou esse avião de propósito na China; investigadores agora tentam descobrir quem foi

Dados recuperados da caixa preta sugerem que alguém na cabine derrubou o intencionalmente o Boeing 737-800 da China Eastern com 132 pessoas a bordo no fim de março

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies