Menu
2020-12-15T18:16:12-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
dá-lhe, otimismo

Maioria dos gestores melhora projeções e espera Ibovespa acima de 130 mil em 2021

Patamar de otimismo está próximo ao registrado em dezembro de 2019, antes de a pandemia reverter as perspectivas econômicas do País, diz BofA

15 de dezembro de 2020
16:01 - atualizado às 18:16
Podcast alta Ibovespa rotação carteiras foguete
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O otimismo dos gestores de fundos em relação à Bolsa brasileira se consolidou nesta reta final de 2020, alcançando patamares parecidos com os vistos em dezembro do ano passado, quando se esperava uma forte expansão da economia local e um desempenho fantástico do mercado de capitais.

Apesar de o País ainda estar enfrentando os efeitos da pandemia de covid-19, sem qualquer perspectiva de início de um programa maciço de vacinação, mais da metade dos gestores ouvidos pelo Bank of America (BofA) – 54%, para ser específico – espera que o Ibovespa fique acima de 130 mil pontos em 2021. O levantamento, realizado entre 4 e 11 de dezembro, ouviu 26 profissionais de investimentos com cerca de US$ 84 bilhões em ativos sob gestão.

A quantidade que aposta em um Ibovespa acima de 130 mil pontos subiu em relação ao estudo feito no mês passado, quando menos de 20% acreditavam que o índice poderia alcançar este feito histórico. A pesquisa anterior mostrava que metade dos pesquisados esperava que o principal índice da B3 fecharia 2021 entre 120 mil e 130 mil pontos. O levantamento de dezembro mostra que apenas 20% dos entrevistados acredita nesta possibilidade.

A esperança de que a pandemia acabará em 2021 está abrindo o apetite dos gestores para risco, com um número cada vez maior deles disposto em aumentar a alocação em renda variável. Facilita também o fato de muitos ativos estarem cotados nos menores patamares da história.

Segundo o BofA, 73% dos participantes da pesquisa acreditam que o mercado acionário vai ter um desempenho superior a outros ativos, caso do dólar e dos títulos públicos, nos próximos seis meses. Em novembro, o número de pessoas respondendo da mesma forma era de 66%.

Real campeão

Quando questionados sobre qual moeda da América Latina terá o melhor desempenho em relação às principais divisas globais – ou seja, cujo valor se valorizará mais ante dólar, euro e outros – nos próximos seis meses, 42% afirmaram que será o real, seguido por 19% que respondeu peso mexicano.

A maioria dos entrevistados (69%) acredita que a nossa moeda ficará abaixo de R$ 5,10, em relação ao dólar, ao final de 2021. O BofA espera que ela termine o ano que vem em R$ 5,10.

O real foi a moeda que mais se desvalorizou durante a pandemia de covid-19 entre as moedas emergentes, diante dos ruídos em torno da situação fiscal do País. No acumulado do ano, a desvalorização é de 21,4%, sendo que ela atingiu 28% em outubro.

A situação fiscal do Brasil foi abordada pelo BofA, especificamente o teto de gastos. Para a maioria (66%), o limite acabará flexibilizado, mas as mudanças não serão muito grandes a ponto de causar problema. Esta visão também constava no relatório passado, mas a quantidade de gestores que acreditava neste movimento era de 55%.

Inflação em baixa e crescimento em alta

Os investidores ouvidos pelo BofA estão menos preocupados com a inflação do que anteriormente e revisaram para cima as perspectivas para o crescimento da economia em 2021.

Apenas 38% dos entrevistados afirmaram que as expectativas de inflação devem registrar aceleração nos próximos meses, abaixo dos 61% que responderam desta forma no levantamento de novembro.

E 46% dos pesquisados veem as pressões inflacionárias dos últimos meses como sendo temporárias.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), a expectativa de mais de 40% é de um crescimento entre 3% e 4%, enquanto a maioria esperava anteriormente uma expansão de 2% a 3%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Perseguição ao bitcoin?

Irã fecha ‘fazendas’ de mineração de bitcoin para conter apagões no país; entenda

Governo culpa centros de processamento de criptomoedas por blackouts devido à ‘sobrecarga energética’ da rede de mineração; ao mesmo tempo, Irã usa o bitcoin para amenizar sanções bancárias dos EUA

Lei Orçamentária Anual

Ainda sem aprovação do Orçamento 2021, governo precisa controlar gastos

Manutenção do auxílio emergencial é dúvidas neste início de ano

Pé no freio

Incertezas políticas e fiscais mantêm estrangeiros cautelosos com o Brasil

Após meses de fuga do capital externo do País, os últimos meses de 2020 mostraram o começo do retorno dos investidores de portfólio, mas o ritmo ainda é insuficiente para reverter a forte saída de dólares do Brasil

Crescimento

Vale (VALE3) prevê investir US$ 2,7 bilhões na região norte até 2024

Companhia pretende ainda investir US$ 5,8 bilhões em 2021, dos quais US$ 1 bilhão serão apenas para expansão

ESTRADA DO FUTURO

Grafeno, urânio e lítio… cuidado com a obsessão de enriquecer com a próxima tecnologia do futuro

O boom de empresas de tecnologia alimenta uma esperança quase ingênua de enriquecer “horrores” descobrindo como esses materiais moldarão o nosso futuro. Vou ser totalmente transparente com você: não gosto da ideia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies