Menu
2020-06-19T17:11:42-03:00
relações diplomáticas

China deseja ampliar operações bilaterais com o Brasil no contexto da pandemia

“Queremos fazer operações bilaterais com o Brasil no contexto da pandemia do coronavírus. Vamos trabalhar para ampliar as parcerias bilaterais sino-brasileiras”, disse o embaixador da China no Brasil

19 de junho de 2020
16:01 - atualizado às 17:11
China
Imagem: Shutterstock

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, usou quase todo o tempo da live organizada pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), da qual foi o convidado principal, para destacar sua visão sobre a dimensão do potencial de crescimento das relações comerciais entre os dois países. Ele disse que, do lado chinês, o governo tem se esforçado para aumentar os negócios entre China e Brasil e que medidas já estão sendo adotadas para que isso aconteça.

"Queremos fazer operações bilaterais com o Brasil no contexto da pandemia do coronavírus. Vamos trabalhar para ampliar as parcerias bilaterais sino-brasileiras", disse o embaixador, para quem existe uma margem grande para crescimento do comércio entre o Brasil e a China.

"Vejo espaço para crescimento de parcerias em infraestrutura, agronegócio, energia e saúde", disse Yang.

O turismo é outra área que o embaixador diz ver grande potencial de crescimento. Ele disse que 60 mil chineses visitam o Brasil anualmente e diz entender que o Brasil poderia simplificar a política de vistos para atrair mais turistas chineses.

Ainda de acordo com o embaixador chinês, na área da Educação há também um vasto espaço para crescimento nas relações entre os dois países. De acordo com ele, o Brasil é uma potência educacional na América Latina e que há um número grande de jovens chineses estudando no Brasil. Mas, no entender dele, poderia ser mais. "Queremos fazer intercâmbios com o Brasil", disse Yang.

Brics

Wanming disse que o governo de seu país gostaria que o Brasil usasse mais os recursos do Banco dos Brics para promover desenvolvimento principalmente neste momento de crise. De acordo com ele, dos cinco países membros do Brics, o Brasil foi o que menos usou recursos do banco.

"Gostaríamos que o Brasil usasse mais recursos do Banco dos Brics", disse o embaixador, para quem o fundo do banco é para ser usado para dar melhores condições de vida às populações dos países que fazem parte do grupo. Yang participa de live organizada pelo Grupo de Lideres Empresariais (Lide).

Ele falou ainda da solidariedade do governo chinês com o mundo neste momento de pandemia do coronavírus e listou algumas medidas adotadas pela China para ajudar os países mais afetados pelo vírus.

Para o Braiil, disse Yang, a China vai enviar o segundo lote de equipamentos para o Estado do Amazonas no mês que vem no valor de R$ 500 milhões.

Relatou ainda que seu país já doou mais de US$ 50 milhões à Organização Mundial da Saúde (OMS) e que seu presidente, XI Jinping, já autorizou ajuda de US$ 50 bilhões à África para os próximos três anos.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

os dados da caderneta

Com pandemia, poupança tem captação líquida de R$ 20,5 bilhões em junho

A poupança captou R$ 84,434 bilhões no acumulado do ano. Foi o 4º mês seguido de depósitos na caderneta

Sem empolgação

Aura Minerals estreia na B3 em queda firme e com baixo volume de negociação

Os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) da canadense Aura Minerals começaram a ser negociados hoje na B3 — mas os investidores não se mostram muito entusiasmados com o papel

efeito coronavírus?

China confirma suspensão de exportação de carne suína de unidades da BRF e da JBS

Órgão não especifica o motivo do veto, mas as plantas suspensas têm em comum o fato de já terem registrado casos do novo coronavírus entre seus funcionários

dinheiro em gestora

BNDES investe R$ 300 milhões em fundo de participações focado em médias empresas

Alaof V Brasil foi um dos quatro fundos de “private equity” selecionados por meio de chamada multissetorial realizada pelo banco em dezembro de 2018

Oferta na Nasdaq

Cogna pode “destravar valor” com com IPO da Vasta e ação sobe forte

Metade do dinheiro captado no IPO vai para o caixa da Cogna, que detém 100% da Vasta e é credora de R$ 1,6 bilhão em debêntures emitidas pela empresa de sistemas de ensino para educação básica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements