Menu
2020-01-22T12:03:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
o que mexe com os negócios hoje?

Mercados reagem e ficam no vermelho após aumento de casos do coronavírus na China

O Fórum Econômico Mundial de Davos fica em primeiro plano em dia de agenda esvaziada

21 de janeiro de 2020
7:55 - atualizado às 12:03
Pessoas de máscara na China.
Pessoas de máscara na China - Imagem: Shutterstock

Com a agenda econômica esvaziada, as atenções se voltam para Davos, com discursos de Donald Trump, o vice-premiê chinês e a participação de Paulo Guedes.

Ontem, com a pausa para o feriado nos Estados Unidos, o Ibovespa chegou a um novo recorde, após avançar 0,32%, aos 118.861,63 pontos. Mas a volta dos negócios em Nova York não deve ser tão positiva, já que o aumento de casos do coronavírus na China pesa nos mercados e aumenta a aversão ao risco.

Pós-feriado cauteloso

Após a pausa para o Dia de Martin Luther King nos Estados Unidos, os negócios voltam a funcionar completamente hoje. Mas o temor com o crescimento nos casos de coronavírus, na China, preocupa e aumenta a tendência de aversão ao risco na região.

A proximidade do Ano Novo Lunar aumenta as preocupações, já que centenas de milhões de turistas são esperados no país para o evento que começará na próxima sexta-feira. O vírus é altamente contagioso e já provocou seis mortes confirmadas. O país já toma providências para reduzir os danos.

Nesse cenário de cautela, os negócios asiáticos fecharam em queda, com recuo superior a 1% nas principais bolsas.

A reação negativa ao noticiário contamina também as bolsas em Nova York, que voltam do feriado com os índices futuros no vermelho, e na Europa, que abrem no negativo.

O petróleo também é afetado pelo surto. Em meio a aversão ao risco, o petróleo WTI para março caía 1,01% na Nymex, cotado a US$ 57,99. Já o Brent recuava 1,24%, a US$ 64,39.

Relações públicas

Com a agenda livre, os investidores voltam as suas atenções para as falas no Fórum Econômico de Davos.

O ministro da Economia Paulo Guedes tenta melhorar a imagem do Brasil no exterior e fala em dois painéis hoje. O caminho a ser seguido é de que as reformas do primeiro ano de governo tiraram o país de um "abismo fiscal" e que a agenda de reformas irá continuar.

Com o andamento tanto da reforma administrativa quanto da tributária, Guedes projeta que o PIB vá além de 2,4% em 2020.

A pauta econômica serve de escudo para blindar o país das hostilidades e últimas polêmicas, como as queimadas na Amazônia e a fala do ex-secretário da Cultura.

Quem também discursa hoje é o presidente americano Donald Trump e o vice-premiê chinês, uma semana após a assinatura do pacto comercial preliminar entre os países. Segundo o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, Trump citará tanto a China como o crescimento econômico em seu discurso.

Expectativas maiores

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para cima a estimativa para o crescimento da economia brasileira em 2020. A previsão foi de 2% para 2,2%. Segundo a organização, a mudança se deve ao aumento da confiança na economia com a aprovação das reformas e a retomada do setor de mineração pós-Brumadinho.

Agenda

Enquanto Guedes se reúne com executivos do Itaú, UBS, Microsoft, Visa, Arcelor Mittal e Chevron em Davos, no Brasil são conhecidos os números do IGP-M e o monitor do PIB de novembro.

Nos EUA, o balanço da Netflix será divulgado após o fechamento.

Fique de olho

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Ranking

Os 27 fundos multimercados que superaram o CDI com consistência no longo prazo

Fundos badalados como o Bahia AM Maraú, o SPX Nimitz e o Kapitalo Kappa aparecem no topo da lista divulgada pela consultoria Economatica, mas o fundo Verde ficou de fora.

Iniciativa do governo

Programa Brasil Mais terá R$ 1 bilhão e buscará otimizar 200 mil empresas

O “Programa Brasil Mais”, anunciado nesta terça-feira (18) pelo governo federal, receberá investimento de cerca de R$ 1 bilhão, afirmou o porta-voz da presidência da República, Otávio Rêgo Barros. Tendo como meta o aumento da eficiência das empresas, o programa foi dividido em quatro linhas: uma focada em otimização, envolvendo 200 mil empresas; outra, voltada […]

Tratos feitos

CVM aceita acordo com Morgan Stanley para encerrar processo envolvendo manipulações de ações da OGX, de Eike Batista

No total, o banco norte-americano se comprometeu a pagar a quantia de R$ 13,2 milhões

Página por página

Bolsonaro diz que vai avaliar texto da reforma administrativa esta noite

Há pouco, o presidente se reuniu com ministros para tratar da matéria

De olho nos números

EcoRodovias, Engie e Iguatemi: os balanços que movimentam os mercados nesta quarta-feira

Confira os resultados das empresas que divulgaram seus números na noite de ontem e na manhã de hoje

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a vida real alcança a bolsa

Para quem acompanha de longe, o sobe e desce muitas vezes frenético da bolsa de valores pode parecer totalmente desconectado da realidade. É verdade que o tal mercado passa por vários momentos de “exuberância irracional” – para lembrar a famosa frase de Alan Greenspan. O contrário também acontece com frequência, ou seja, em momentos de […]

De nome em nome

Líderes já indicaram 34 parlamentares para a comissão mista da reforma tributária

No total, o grupo será formado por 25 deputados e 25 senadores

Dinheiro na mão

Energias do Brasil aprova JCP de R$ 0,39 por ação e dividendos de R$ 0,609 por ação

No total, a empresa desembolsará R$ 236 milhões para efetivar os pagamentos de JCP e R$ 368,8 milhões para os dividendos

Contando os dólares

Reservas internacionais caem US$ 12 milhões no dia 17 de fevereiro, para US$ 358,9 bilhões

Resultado reflete, entre outros pontos, a oscilação do valor de mercado dos ativos que compõem as reservas

R$ 4,3574

Impulsionado pelo ‘risco coronavírus’, dólar à vista voa alto e atinge um novo recorde nominal

A indicação de que a Apple não conseguirá cumprir as metas do terceiro trimestre por causa do surto de coronavírus deixou os mercados globais em alerta. Como resultado, o dólar à vista subiu e cravou mais uma máxima, enquanto o Ibovespa fechou em queda

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements