Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-01-22T12:03:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
o que mexe com os negócios hoje?

Mercados reagem e ficam no vermelho após aumento de casos do coronavírus na China

O Fórum Econômico Mundial de Davos fica em primeiro plano em dia de agenda esvaziada

21 de janeiro de 2020
7:55 - atualizado às 12:03
Pessoas de máscara na China.
Pessoas de máscara na China - Imagem: Shutterstock

Com a agenda econômica esvaziada, as atenções se voltam para Davos, com discursos de Donald Trump, o vice-premiê chinês e a participação de Paulo Guedes.

Ontem, com a pausa para o feriado nos Estados Unidos, o Ibovespa chegou a um novo recorde, após avançar 0,32%, aos 118.861,63 pontos. Mas a volta dos negócios em Nova York não deve ser tão positiva, já que o aumento de casos do coronavírus na China pesa nos mercados e aumenta a aversão ao risco.

Pós-feriado cauteloso

Após a pausa para o Dia de Martin Luther King nos Estados Unidos, os negócios voltam a funcionar completamente hoje. Mas o temor com o crescimento nos casos de coronavírus, na China, preocupa e aumenta a tendência de aversão ao risco na região.

A proximidade do Ano Novo Lunar aumenta as preocupações, já que centenas de milhões de turistas são esperados no país para o evento que começará na próxima sexta-feira. O vírus é altamente contagioso e já provocou seis mortes confirmadas. O país já toma providências para reduzir os danos.

Nesse cenário de cautela, os negócios asiáticos fecharam em queda, com recuo superior a 1% nas principais bolsas.

A reação negativa ao noticiário contamina também as bolsas em Nova York, que voltam do feriado com os índices futuros no vermelho, e na Europa, que abrem no negativo.

O petróleo também é afetado pelo surto. Em meio a aversão ao risco, o petróleo WTI para março caía 1,01% na Nymex, cotado a US$ 57,99. Já o Brent recuava 1,24%, a US$ 64,39.

Relações públicas

Com a agenda livre, os investidores voltam as suas atenções para as falas no Fórum Econômico de Davos.

O ministro da Economia Paulo Guedes tenta melhorar a imagem do Brasil no exterior e fala em dois painéis hoje. O caminho a ser seguido é de que as reformas do primeiro ano de governo tiraram o país de um "abismo fiscal" e que a agenda de reformas irá continuar.

Com o andamento tanto da reforma administrativa quanto da tributária, Guedes projeta que o PIB vá além de 2,4% em 2020.

A pauta econômica serve de escudo para blindar o país das hostilidades e últimas polêmicas, como as queimadas na Amazônia e a fala do ex-secretário da Cultura.

Quem também discursa hoje é o presidente americano Donald Trump e o vice-premiê chinês, uma semana após a assinatura do pacto comercial preliminar entre os países. Segundo o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, Trump citará tanto a China como o crescimento econômico em seu discurso.

Expectativas maiores

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para cima a estimativa para o crescimento da economia brasileira em 2020. A previsão foi de 2% para 2,2%. Segundo a organização, a mudança se deve ao aumento da confiança na economia com a aprovação das reformas e a retomada do setor de mineração pós-Brumadinho.

Agenda

Enquanto Guedes se reúne com executivos do Itaú, UBS, Microsoft, Visa, Arcelor Mittal e Chevron em Davos, no Brasil são conhecidos os números do IGP-M e o monitor do PIB de novembro.

Nos EUA, o balanço da Netflix será divulgado após o fechamento.

Fique de olho

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Será que sai?

Governo dos EUA está ‘confiante’ com o acordo bipartidário para pacote trilionário de infraestrutura

As discussões, porém, ainda enfrentam impasse em meio a discordâncias quanto aos montantes de recursos destinados para cada área

Líder do setor

Grupo FSB compra Giusti Comunicação e amplia seu portfólio de agências

Com a chegada da nova empresa, a FSB integra as contas de Aegea, Ame, Alpargatas, EDP, Grupo SBF, Centauro, SBT, Estadão, Protege, Centro Paula Souza e mais em sua lista de clientes

Reforma ministerial

Ciro Nogueira aceita convite de Bolsonaro para chefiar Casa Civil

No último dia 22, Bolsonaro confirmou o convite a Nogueira e a recriação do Ministério do Trabalho e Previdência que antes fazia parte da pasta de Paulo Guedes

Mais novidade

Unifique (FIQE3) estreia na bolsa em queda de 1%

Mesmo com o IPO saindo próximo do piso, a Unifique tem uma estreia no vermelho, em dia negativo para a bolsa brasileira

Decisão unânime

Conselho do Magazine Luiza aprova aquisição da Kabum! por R$ 1 bilhão

A decisão inclui também o pagamento de R$ 2,5 bilhões por meio da emissão de 75 milhões de ações ordinárias da varejista em favor dos acionistas da empresa comprada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies