Menu
2020-01-20T15:05:57-03:00
Estadão Conteúdo
mais otimismo

FMI aumenta projeção para o PIB do Brasil para 2,2% em 2020

De acordo com o Fundo, a elevação da estimativa do PIB do Brasil para este ano ocorreu sobretudo devido à melhora do sentimento após a aprovação da reforma da Previdência

20 de janeiro de 2020
15:05
análise projeção focus
Imagem: Shutterstock

O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou para cima a previsão de crescimento do Brasil para 2020, de 2,0% para 2,2%. Foi um dos poucos países que registraram alta da estimativa para o indicador na atualização do documento Perspectivas Econômicas Mundiais, feita em relação ao mesmo documento divulgado em outubro. Para 2021, o FMI fez uma leve redução da projeção de alta de 2,4%, que agora ficou em 2,3%.

De acordo com o Fundo, a elevação da estimativa do PIB do Brasil para este ano ocorreu sobretudo devido "à melhora do sentimento após a aprovação da reforma da Previdência Social (pelo Congresso) e pelo desaparecimento das rupturas de oferta no setor mineral". Essa é uma referência à produção de minério de ferro pela Vale, após o desastre em Brumadinho há um ano.

O FMI também apontou que a previsão para o desempenho econômico do Brasil em 2020 está relacionada com condições monetárias acomodatícias, dado que o Banco Central baixou os juros em 1 ponto porcentual entre setembro e dezembro passados. A taxa básica de juros encerrou 2019 em 4,50% ao ano.

"Mas desafios continuam no País e devem continuar mais reformas, como a que envolve salários, que deve ser uma prioridade importante", afirmou a economista-chefe do Fundo, Gita Gopinath.

Índia afeta estimativa para crescimento global

A previsão de crescimento para o mundo este ano passou de 3,4% para 3,3% e, para 2021, de 3,6% para 3,4%. A mudança foi motivada, em grande medida, por reduções das projeções para o PIB da Índia.

O Fundo alterou as estimativas para aquele país asiático em 1,2 ponto porcentual neste ano, de 7,0% para 5,8%, e em 0,9 ponto porcentual para 2021, de 7,4% para 6,5%.

De acordo com o Fundo, há fatores positivos e negativos para as perspectivas econômicas mundiais no médio prazo. Do lado favorável, o acordo comercial fase 1 entre Estados Unidos e China pode reduzir incertezas internacionais e gerar certa recuperação da produção de manufaturados e das transações de produtos e serviços em termos globais. Além disso, a conclusão do Brexit também colabora para uma redução de dúvidas sobre o processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

"Mas o crescimento global continua fraco. Tivemos boas notícias com a assinatura do acordo comercial fase 1 entre EUA e China. Mas há dúvidas ainda sobre o comércio global", disse a diretora-gerente do Fundo, Kristalina Georgieva.

O FMI apontou no documento que os riscos para a economia mundial continuam altos, pois as tensões comerciais ainda são elevadas e podem causar problemas maiores para o nível de atividade internacional se piorarem, inclusive com novas disputas dos EUA com a China ou com países europeus. Há ainda um novo componente de preocupações geopolíticas, com a crise envolvendo os governos de Washington e Teerã.

A diretora-gerente citou ainda "choques climáticos na Austrália e partes da África" como riscos para a economia.

O FMI repetiu avaliações feitas no documento Perspectivas Econômicas Mundiais de outubro nas quais apontou que, sem os estímulos de políticas monetárias, suas previsões para o crescimento internacional seriam menores em 0,5 ponto porcentual tanto em 2019 quanto em 2020. O Fundo destacou que o apoio dos bancos centrais para estimular a demanda agregada continuará gerando resultados positivos para a economia global, com destaque para mercados emergentes.

No caso das economias avançadas, o Fundo ressaltou que, "considerando o modesto potencial de crescimento neste grupo, países com espaço fiscal devem aumentar os gastos com iniciativas que elevarão a expansão da produtividade, inclusive em pesquisa, treinamento e infraestrutura".

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Sem concentração?

Vivo, TIM e Claro defendem compra da Oi

As empresas encaminharam ao Cade respostas às críticas que sofrem de outros agentes do setor de telecomunicações causadas pela transação entre elas

Fenômeno da internet

O ataque dos memes: Conheça 5 ações de empresas “quebradas” que mexem com Wall Street

O caso mais famoso foi o da GameStop, mas outras empresas que não contam com fundamentos sólidos vêm passando por movimentos de valorização estimulados por fóruns de internet

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies