Menu
2020-01-22T11:53:38-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
OLHOS ATENTOS

Bank of America rebaixa e corta preço-alvo das ações de Itaú e Bradesco; papéis caem

O banco cortou o preço-alvo em 12 meses para as ações de ambos. No caso do Itaú, o preço-alvo ficou em R$ 34, com potencial de queda de 3% em relação ao fechamento de sexta-feira (17). Já o Bradesco teve o preço-alvo reduzido para R$39, o que representa uma potencial expansão de 10%

20 de janeiro de 2020
16:55 - atualizado às 11:53
Banco Bradesco e Itaú
Imagem: Estadão Conteúdo/Shutterstock

Diante da possibilidade de ter um sistema regulatório mais incerto, especialmente por conta da entrada de novos players e do aumento da competição, além da queda dos juros no Brasil, o Bank of America (BofA) se mostrou cauteloso e decidiu rebaixar as ações do Itaú para underperform (performance abaixo da média do mercado) e os papéis do Bradesco para neutro.

Em relatório divulgado hoje (20) a clientes, o banco também cortou o preço-alvo em 12 meses para as ações de ambos. No caso do Itaú, o preço-alvo ficou em R$ 34, com potencial de queda de 3% em relação ao fechamento de sexta-feira (17). Já o Bradesco teve o preço-alvo reduzido para R$ 39, o que representa uma potencial expansão de 10%. Além dos dois, a instituição destacou que o Santander é outro banco que não está com a situação boa, por isso também optou por recuar o preço-alvo das suas ações para R$ 46.

No documento, os analistas Mario Pierry, Giovanna Rosa e Ernesto Gabilond destacaram que "enquanto a economia ganha força e os empréstimos continuam a crescer a uma velocidade de dois dígitos, nós esperamos que o setor entregue um crescimento de receita de apenas um dígito em 2020, o que representaria uma profunda desaceleração em relação à expansão de 20% vista em 2019".

A avaliação do banco não caiu muito bem para os investidores de ambas as instituições. As ações ordinárias do Bradesco (BBDC3) caíram 1,55% no pregão de hoje, cotadas em R$ 33,06. Já os papéis preferenciais (BBDC4) apresentaram recuo de 1,95%, cotados em R$ 34,76. As ações do Itaú seguiram o mesmo movimento. Os papéis ordinários do banco (ITUB3) fecharam com perda de 1,75%, cotados em R$ 30,23. Os papéis preferenciais (ITUB4), por sua vez, terminaram o pregão desta segunda-feira com contração de 2,03%, cotados em R$ 34,23.

No ano, as ações do setor bancário apresentam desempenhos bastante ruins, com perdas que vão de 2,7% (Bradesco ON) a 7% (Itaú PN).

Pontos de atenção

No relatório, os analistas ainda pontuaram que a queda na taxa de juros pode ser vista como positiva ao aumentar o apetite por empréstimos, mas que pode ser negativa para os bancos ao reduzir as estimativas para a receita líquida em cerca de 8%.

A razão está ligada a dois fatores: um aumento na taxa efetiva em função da expansão de 5% sobre a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). E o fato de que os limites para os juros do cheque especial podem reduzir em cerca de 3% o lucro dos bancos.

Ainda segundo os analistas, as ações dos bancos maiores cresceram cerca de 13% em 2019 e performaram abaixo do Ibovespa, que terminou o ano passado com uma alta de mais de 31%. Para eles, uma das consequências disso é que o setor passou a negociar com um desconto de 25% sobre o Ibovespa, enquanto o desconto histórico sempre foi de 4%.

Outro ponto de atenção citado por eles é o fato de que a "incerteza do ambiente regulatório aumentou, especialmente por conta da ideia do Banco Central de aumentar a competição". Isso sem contar que "o potencial de disrupção das fintechs se tornou cada vez maior" e "o ambiente de queda de juros aumentou as preocupações com relação à rentabilidade e o risco de queda das receitas dos bancos".

De olho nos investidores e nos empréstimos

Apesar dos aspectos negativos, os três destacaram que os bancos podem se beneficiar da entrada cada vez maior de investidores na bolsa, já que eles possuem grande participação dentro do Ibovespa.

"Nós continuamos a esperar o crescimento dos empréstimos (especialmente os individuais e os voltados para pequenos e médios empreendedores), além do aumento modesto das taxas acima da inflação, crescimento das despesas operacionais crescendo abaixo da inflação (por conta do crescimento focado no controle de custos) e uma alta das provisões em linha com a expansão dos empréstimos."

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

dados do ministério da saúde

Brasil registra 69,1 mil mortes por covid-19 e 1,75 milhão de casos

Em 24 horas, foram acrescidas às estatísticas 1.220 pessoas que perderam a vida em decorrência do novo coronavírus

JURO BAIXO E PANDEMIA

O alinhamento dos astros está favorável para os investimentos em imóveis

Pandemia aumentou desejo por imóveis maiores e com escritório; juro baixo estimula segmento.

foco no nordeste

Desenvolvimento Regional autoriza R$ 30,7 milhões para saneamento em 17 Estados

Segundo a pasta, a maior fatia dos recursos foi destinada ao Nordeste (R$ 15,8 milhões), seguida pela região Norte (R$ 6,5 milhões)

caso das rachadinhas

Presidente do STJ decide colocar Queiroz em prisão domiciliar

O caso tramita sob segredo de Justiça. Preso desde 18 de junho, Queiroz é apontado como operador de um suposto esquema de “rachadinhas” – apropriação de salários de funcionários – no antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro

O dia dos mercados

Com cautela em NY, bolsa fecha em queda de 0,6% após voltar aos 100 mil pontos; dólar recua

Em sessão de volatilidade, bolsa retorna ao patamar de 100 mil, mas não consegue manter fôlego com cautela em bolsas americanas. Dólar tem leve queda e se aproxima de R$ 5,30

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements