2019-06-07T18:42:53-03:00
Estadão Conteúdo
Fugindo da internet

Walmart decide focar em lojas físicas e encerra shopping virtual

Dois anos atrás, a varejista já tinha encerrado a operação de comércio eletrônico com a venda de produtos próprios

10 de maio de 2019
15:41 - atualizado às 18:42
Walmart
Três mil companhias vendiam seus produtos no marketplace do Walmart - Imagem: Shutterstock

O Walmart fechou nesta sexta-feira, 10, o seu marketplace, espécie de shopping virtual, onde eram comercializados online produtos de terceiros. A empresa demitiu 70 trabalhadores. Com isso, a companhia sai, por ora, do comércio eletrônico e passa a focar nas lojas físicas, tanto de varejo como de atacado.

Dois anos atrás, em 2017, a varejista já tinha encerrado a operação de comércio eletrônico com a venda de produtos próprios. Três mil companhias vendiam seus produtos no marketplace da empresa, que empregava 90 pessoas.

Segundo a empresa, as vendas do marketplace era tão pequenas que não passavam de um hipermercado de baixo desempenho.

Por isso, não se justificava a continuidade da operação. O marketplace era tocado por uma diretoria ligada ao segmento de farmácias do grupo.

A decisão da companhia de centralizar os negócios nas lojas físicas faz parte do plano de recuperação da rede varejista, que começou a ser implantado desde que o fundo americano Advent passou a controlar a operação no Brasil em junho do ano passado.

Com a compra de 80% da varejista, o fundo pretende investir R$ 1,9 bilhão até 2021 para reerguer a companhia.

De acordo com a companhia, o retorno ao comércio online deve correr mais para frente e de forma integrada com as lojas físicas.

Em crise, a última vez que a rede divulgou seu faturamento foi em 2017. À época, as vendas somaram R$ 28,1 bilhões. A empresa ocupa a terceira posição no ranking das maiores varejistas da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), atrás do Carrefour e do GPA.

No começo desta semana, o diretor de Atacado do Walmart, Beto Alves, disse que a empresa quer voltar ao jogo do atacarejo com a bandeira Maxxi totalmente remodelada.

Até o final do ano que vem, dez lojas de hipermercados com desempenho ruim serão convertidas em atacarejo.

Outras dez serão transformadas em clube de compras, com a bandeira Sam’s Club A partir de agora, o foco dos negócios será o varejo físico e as lojas de atacado (atacarejo e clube de compras).

A primeira loja de hipermercado que será convertida em Sam’s Club será a de Brasília, localizada na Asa Norte, do Distrito Federal. A meta da companhia é manter cerca de cem lojas de hipermercados em funcionamento e metade delas será reformada.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies