Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-14T18:21:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Inabalável

Moro segue como personalidade com melhor avaliação no governo

Pesquisa também mostra que aprovação de Bolsonaro parou de cair e que 52% da população concorda total ou parcialmente com uma reforma da Previdência. Também sabemos se centrão virou palavrão

14 de junho de 2019
18:21
19/02/2019 Solenidade de encaminhamento do Projeto de Lei Anticr
(Brasília - DF, 19/02/2019) Ministro de Estado da Segurança Pública, Sérgio Moro. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

A rodada de junho da pesquisa XP Ipespe trouxe boas notícias para Jair Bolsonaro e seus dois principais ministros. O presidente parou de ver sua aprovação cair. O vazamento de mensagens trocadas com procuradores da Lava Jato não afetou a imagem de Sergio Moro. E a maioria da população passou a se dizer favorável à reforma da Previdência, o que deve agradar Paulo Guedes.

Começando pelo caso envolvendo Sergio Moro, 77% da população diz ter tomado conhecimento do episódio. E para cerca de metade dos entrevistados (47%), o evento não altera a percepção sobre a Operação Lava Jato. Para 31%, o evento pode alterar a percepção para pior e para 11%, pode alterar para melhor.

Para 44%, a Lava Jato não cometeu excessos em sua atuação até aqui. Outros 14% viram excessos, mas acham que o resultado “valeu a pena”, e 30% avaliam que houve excessos e que, por isso, decisões precisariam ser revistas.

A revelação das mensagens trocadas entre o então juiz da Lava Jato e membros do Ministério Público não resultou em variação significativa na avaliação da população sobre o agora ministro Sergio Moro.

A nota de Moro é de 6,2 dentro de uma escala de zero a 10. Jair Bolsonaro, por exemplo, tem nota 5,7. Paulo Guedes e o vice Mourão têm 5,5.

Bolsonaro

Em maio, Jair Bolsonaro amargou o quarto mês seguido de queda no índice de aprovação, com o percentual de ruim e péssimo ultrapassando o ótimo/bom. Agora em junho, há estabilidade nas notas, que estão empatadas. Temos 35% de ruim e péssimo e 34% de ótimo e bom. Para 28% a nota é regular.

A expectativa para o restante do mantado também mostrou pouca variação. Para 46% será ótimo ou bom, 30% dizem que será ruim ou péssimo e 19% acreditam que será regular.

Previdência

A novidade está na opinião com relação à reforma, com 52% se dizendo a favor, em comparação com 44% da sondagem anterior. Os contrários são 42%, ante 51% em maio.

Abrindo os números, temos 26% de “é a favor e concorda totalmente” e outros 26% de “é a favor, mesmo sem concordar totalmente”.

Entre os contrários, temos 15% de “é contra, mesmo achando que é necessária” e outros 27% de “é contra e discorda totalmente”.

 

A percepção com relação à aprovação soma 79%, dividida entre um pequeno grupo (11%) que fala que a reforma será aprovada integralmente, 47% que dizem que será aprovada com algumas alterações e outros 20% que acreditam na aprovação com muitas alterações.

 

Outra pergunta interesse diz respeito à participação de Estados e municípios na reforma, tema que tomou boa parte do noticiário político da semana e ainda não teve um desfecho. Para 80%, a reforma deve incluir os entes federados, 13% acham que não e os demais não opinaram.

E o centrão? Virou palavrão?

O questionário do mês também trouxe a seguinte pergunta: “Conhece ou ouviu falar sobre os partidos do centrão?” Resposta: 52% dizem que não e 48% dizem que sim.

O centrão figura muito no noticiário político como um bloco de partidos fisiológicos e adeptos do famigerado “toma lá, dá cá”.

Nas últimas semanas há uma movimentação dos próprios políticos para se distanciar dessa imagem negativa.

Mas o centrão virou palavrão? Para 32% sim. Outros 47% discordam dessa avaliação.

Perguntados em quais partidos pensam quando se fala em centrão, há uma interessante divisão com 36% a 28% das menções incluindo MDB, DEM, PSDB, PSB, PL, PSD, PP e PRB. O PSL do presidente Bolsonaro tem 25% das menções o mesmo atribuído (vejam só) ao partido Novo. PT aparece com 21% e PSOL com 20%.

O desempenho desse centrão no Congresso ganhou 10% de ótimo, 40% de regular, 29% de ruim ou péssimo e 22% não opinaram.

Foram realizadas mil entrevistas telefônicas entre os dias 11 e 13 de junho. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: mundo monitora avanço da variante ômicron da covid-19 em semana de Livro Bege e PIB brasileiro

Além disso, os contornos da disputa política de 2022 começam a ficar mais claros com a entrada de mais candidatos ao pleito

OMS ALERTA

Variante Ômicron representa risco global ‘muito elevado’ e é provável que se espalhe

OMS emitiu hoje um informe técnico sobre a cepa do coronavírus causador da covid-19 recentemente descoberta na África do Sul

MULTIFACETADO

‘Genial e visionário’: Virgil Abloh, diretor artístico da Louis Vuitton, morre aos 41 anos depois de luta contra forma rara de câncer

Estilista norte-americano ganhou notoriedade como diretor criativo do rapper Kanye West e fez história na LVMH

SELEÇÃO DE ATIVOS

13º salário de 2021 cai na conta até amanhã! Veja onde investir se você tem perfil conservador

Consultamos especialistas e o veredito é unânime: no cenário atual o que não faltam são oportunidades, mesmo para os investidores menos inclinados ao risco

ECONOMIA X COVID

Economia monitora variante ômicron da covid-19, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios; pasta evita falar em gastos fora do teto

Ministério da Economia evita falar em crédito extraordinário, como acontece nos casos de guerras ou calamidades públicas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies