Menu
2019-06-14T18:21:13-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Inabalável

Moro segue como personalidade com melhor avaliação no governo

Pesquisa também mostra que aprovação de Bolsonaro parou de cair e que 52% da população concorda total ou parcialmente com uma reforma da Previdência. Também sabemos se centrão virou palavrão

14 de junho de 2019
18:21
19/02/2019 Solenidade de encaminhamento do Projeto de Lei Anticr
(Brasília - DF, 19/02/2019) Ministro de Estado da Segurança Pública, Sérgio Moro. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

A rodada de junho da pesquisa XP Ipespe trouxe boas notícias para Jair Bolsonaro e seus dois principais ministros. O presidente parou de ver sua aprovação cair. O vazamento de mensagens trocadas com procuradores da Lava Jato não afetou a imagem de Sergio Moro. E a maioria da população passou a se dizer favorável à reforma da Previdência, o que deve agradar Paulo Guedes.

Começando pelo caso envolvendo Sergio Moro, 77% da população diz ter tomado conhecimento do episódio. E para cerca de metade dos entrevistados (47%), o evento não altera a percepção sobre a Operação Lava Jato. Para 31%, o evento pode alterar a percepção para pior e para 11%, pode alterar para melhor.

Para 44%, a Lava Jato não cometeu excessos em sua atuação até aqui. Outros 14% viram excessos, mas acham que o resultado “valeu a pena”, e 30% avaliam que houve excessos e que, por isso, decisões precisariam ser revistas.

A revelação das mensagens trocadas entre o então juiz da Lava Jato e membros do Ministério Público não resultou em variação significativa na avaliação da população sobre o agora ministro Sergio Moro.

A nota de Moro é de 6,2 dentro de uma escala de zero a 10. Jair Bolsonaro, por exemplo, tem nota 5,7. Paulo Guedes e o vice Mourão têm 5,5.

Bolsonaro

Em maio, Jair Bolsonaro amargou o quarto mês seguido de queda no índice de aprovação, com o percentual de ruim e péssimo ultrapassando o ótimo/bom. Agora em junho, há estabilidade nas notas, que estão empatadas. Temos 35% de ruim e péssimo e 34% de ótimo e bom. Para 28% a nota é regular.

A expectativa para o restante do mantado também mostrou pouca variação. Para 46% será ótimo ou bom, 30% dizem que será ruim ou péssimo e 19% acreditam que será regular.

Previdência

A novidade está na opinião com relação à reforma, com 52% se dizendo a favor, em comparação com 44% da sondagem anterior. Os contrários são 42%, ante 51% em maio.

Abrindo os números, temos 26% de “é a favor e concorda totalmente” e outros 26% de “é a favor, mesmo sem concordar totalmente”.

Entre os contrários, temos 15% de “é contra, mesmo achando que é necessária” e outros 27% de “é contra e discorda totalmente”.

 

A percepção com relação à aprovação soma 79%, dividida entre um pequeno grupo (11%) que fala que a reforma será aprovada integralmente, 47% que dizem que será aprovada com algumas alterações e outros 20% que acreditam na aprovação com muitas alterações.

 

Outra pergunta interesse diz respeito à participação de Estados e municípios na reforma, tema que tomou boa parte do noticiário político da semana e ainda não teve um desfecho. Para 80%, a reforma deve incluir os entes federados, 13% acham que não e os demais não opinaram.

E o centrão? Virou palavrão?

O questionário do mês também trouxe a seguinte pergunta: “Conhece ou ouviu falar sobre os partidos do centrão?” Resposta: 52% dizem que não e 48% dizem que sim.

O centrão figura muito no noticiário político como um bloco de partidos fisiológicos e adeptos do famigerado “toma lá, dá cá”.

Nas últimas semanas há uma movimentação dos próprios políticos para se distanciar dessa imagem negativa.

Mas o centrão virou palavrão? Para 32% sim. Outros 47% discordam dessa avaliação.

Perguntados em quais partidos pensam quando se fala em centrão, há uma interessante divisão com 36% a 28% das menções incluindo MDB, DEM, PSDB, PSB, PL, PSD, PP e PRB. O PSL do presidente Bolsonaro tem 25% das menções o mesmo atribuído (vejam só) ao partido Novo. PT aparece com 21% e PSOL com 20%.

O desempenho desse centrão no Congresso ganhou 10% de ótimo, 40% de regular, 29% de ruim ou péssimo e 22% não opinaram.

Foram realizadas mil entrevistas telefônicas entre os dias 11 e 13 de junho. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seu Dinheiro no sábado

A única coisa que Bill Gates não pode comprar

Troca de presidente nos Estados Unidos, início da vacinação para covid no Brasil e comunicado do Banco Central com vocabulário novo. A semana que se encerra trouxe novidades importantes. É bem verdade que também teve notícia velha, daquelas que encontramos todos os dias: disputas políticas entre Jair Bolsonaro e João Dória, caos nos hospitais públicos […]

Sem dieta

McDonald’s tem planos de abrir 50 novos restaurantes na América Latina, 80% deles no Brasil

Rede pretende investir até US$ 130 milhões (R$ 690 milhões) na região e também quer reforçar o drive-thru, delivery e o aplicativo

Bilionário imunizado

Adivinha quem já foi vacinado? Bill Gates compartilha foto e diz como se sente após tomar 1ª dose

Fundador da Microsoft compartilhou foto do momento em que era vacinado e enalteceu o trabalho dos cientistas, voluntários e profissionais da saúde que trabalham no combate à pandemia

Início de cobertura

Após queda de 56%, XP revela o que espera das ações da dona da rede de restaurantes Frango Assado e Pizza Hut no Brasil

Os analistas da corretora iniciaram a cobertura das ações da IMC com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 4,00, o que indica um potencial de alta de 8%

Private equity

Ações da gestora brasileira Pátria sobem 17% na estreia na Nasdaq após IPO de R$ 3,2 bilhões

A gestora brasileira estreou com um valor de mercado de mais de R$ 15 bilhões e mira mais crescimento, o que poderá envolver aquisições

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies