🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Relatório de Inflação reafirma estabilidade da Selic em 6,5%

Documento divulgado agora pela manhã reforça cautela, serenidade e perseverança e Roberto Campos Neto deve fazer o mesmo em entrevista logo mais

Eduardo Campos
Eduardo Campos
28 de março de 2019
9:10 - atualizado às 12:28
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central no governo Bolsonaro
Com a proximidade da decisão do Copom, ibovespa recua e opera no vermelho hoje - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O Relatório de Inflação do Banco Central (BC) mantém o aceno de que a manutenção da Selic em 6,5% ao ano é o cenário mais provável enquanto o Comitê de Política Monetária (Copom) aguarda uma redução das incertezas e dos choques que afetam a economia desde o ano passado.

“O Copom considera que esta avaliação demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo”, diz o documento, repetindo a decisão da semana passada e ata divulgada na terça-feira.

Está lá também as mensagens de que a economia segue em processo de recuperação gradual, mesmo com resultados recentes aquém do esperado.

Para o BC, o Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 crescerá 2%, ante projeção anterior de 2,4%. No mercado, as projeções já caíram de cerca de 2,5% para 2% e devem continuar recuando.

Essa revisão para baixo, enquanto as projeções de inflação seguem ao redor das metas deve dar algum fôlego para a alta do mercado e da academia que defendem uma redução da Selic como forma de dar um impulso a retomada da atividade.

O BC, no entanto, se mantém firme, reafirmando “cautela, serenidade e perseverança” na condução da política monetária, indicando que não se pautará por mudanças de curto prazo no cenário, mas sim por mudança de tendência.

Tal postura deve ser reforçada pelo presidente Roberto Campos Neto que concede sua primeira entrevista coletiva logo mais, por volta das 11 horas.

A grande mudança de tendência, que virá acompanhada de redução de incerteza, é a implementação da agenda de reformas, notadamente a da Previdência. Faz tempo o BC vem indicando que precisar de sinais mais claros sobre essa agenda.

Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em audiência no Senado, que com a reforma da Previdência os juros caem até 2 pontos percentuais, mas que se o BC quiser empurrar na força as taxas para baixo, poderemos repetir a experiência de Dilma Rousseff e do ex-presidente Alexandre Tombini, quando o juro caiu a 7,25%, mas logo teve de subir, indo aos 14,25% do ciclo anterior.

Guedes tem claro que sem ajuda da política fiscal, o uso da política monetária fica restringido e que o descasamento dessas políticas ao longo das últimas décadas relegou uma enorme conta de juros.

Projeções

Com a recente disparada do dólar, algumas projeções parecem “vencidas” dentro do relatório, mas servem para indicar a ainda grande sensibilidade dos preços locais aos fatores externos.

No cenário com taxa Selic constante a 6,50% e taxa de câmbio a R$ 3,85, as projeções situam-se em torno de 4,1% para 2019 e 4,0% para 2020. Na reunião de fevereiro, com dólar a R$ 3,70, a projeção era de 3,9% para este ano.

A meta é de 4,25% para 2019 e de 4% para 2020. Cabe lembrar que 2020 tem peso crescente nas decisões do BC em função dos efeitos cumulativos e defasados das ações de política monetária. Com dólar a R$ 4 praticamente, não é exagero dizer que as projeções escapam no centro da meta.

No cenário com trajetórias para as taxas de juros e câmbio extraídas da pesquisa Focus, as projeções situam-se em torno de 3,9% para 2019 e 3,8% para 2020.

Esse cenário supõe trajetória de taxa Selic que encerra 2019 em 6,50% e se eleva a 7,75% em 2020. Também supõe trajetória para a taxa de câmbio que termina 2019 em R$ 3,70 e 2020 em R$ 3,75.

O BC já projeta inflação mais elevada entre os meses março e maio, refletindo o comportamento de preços administrados (gasolina e energia elétrica).

Cena internacional

O BC reafirma que o cenário externo permanece desafiador. Por um lado, os riscos associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas recuaram. Por outro lado, os riscos associados a uma desaceleração da economia global, em função de diversas incertezas, mostram-se mais elevados.

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar