Menu
2019-04-25T12:23:37-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
cálculo é diferente na prática

Projeção de gastos de longo prazo com o INSS considera o aumento real do salário mínimo

Projeção de reajuste do salário mínimo apenas pela inflação até 2022 está inclusa no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) enviado ao Congresso Nacional este mês e base para os cálculos. A partir de 2023, o documento considera a política de valorização praticada anteriormente

25 de abril de 2019
11:58 - atualizado às 12:23
Dinheiro; notas e moedas de real
Imagem: Shutterstock

O governo anunciou em 2019 o fim dos reajustes reais do valor do salário mínimo, mas a antiga prática de valorização ainda é utilizada para fins de cálculo da projeções de gastos com o INSS para o período de 2023 a 2060. A medida impacta em mais de R$ 100 bilhões a trajetória de crescimento das despesas da Previdência Social em 10 anos. Dois terços dos benefícios são referentes a um salário mínimo, afetando as previsões de déficit.

Segundo estimativas do governo, o gasto do INSS iria de R$ 679,5 bilhões em 2020 para R$ 1,4 trilhão em 2029. Os dados sustentam o argumento da equipe econômica de que os gastos com a Previdência podem passar de 8% do PIB para 16% em 2060.

Uma projeção de reajuste do salário mínimo apenas pela inflação até 2022 está inclusa no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) enviado ao Congresso Nacional este mês e base para os cálculos. A partir de 2023, o documento volta a considerar a política de valorização do piso praticada anteriormente, que reajusta o valor pela inflação mais o PIB de dois anos antes.

Para 2023, o INPC projetado é de 3,78%, mas as estimativas de despesa do INSS consideram  um reajuste de 6,48% no salário mínimo.

O secretário de Previdência do Ministério da Economia, Leonardo Rolim, disse ao Estadão/Broadcast que as projeções de longo prazo precisam usar premissas mais conservadoras, que levam em conta o histórico de despesas no Brasil e incluem a política de valorização do salário mínimo com base no crescimento do PIB. "Não ter valorização nenhuma é subestimar a despesa. No longo prazo, é impensável que o salário mínimo não vai ter ganho real", afirmou.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Exclusivo SD Premium

Segredos da bolsa: O cachorro louco segue à solta nos mercados

Agenda repleta de balanços corporativos e indicadores econômicos importantes no Brasil, na China, nos EUA e na Europa promete deixar os investidores com os nervos à flor da pele esta semana

Balanço

Saudi Aramco vê lucro cair 73,3% com menor demanda e queda do preço do petróleo

Estatal saudita lucrou apenas US$ 6,6 bilhões no segundo trimestre, em razão de crise desencadeada pela pandemia de coronavírus

Para bater a renda fixa

Queda na bolsa no mês de julho deixou retorno dos fundos imobiliários mais atrativo

Para analistas do Banco Inter, queda dos FII em julho foi apenas um ajuste; com juro baixo e preço menor, rentabilidade potencial cresceu

O tamanho da conta

Conta da pandemia chega a R$ 700 bilhões

Segundo levantamento do Estadão, pandemia deve custar isso só em 2020, o equivalente a quase 10% do PIB e a R$ 3,3 mil para cada brasileiro. Quantia seria suficiente para pagar o Bolsa Família por 21 anos

Canetada

Trump assina quatro decretos com estímulos à economia

Diante do fracasso das negociações entre republicanos e democratas para novo pacote de ajuda trilionário, presidente americano partiu para a canetada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements