Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-02-26T16:11:15-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Reforma em risco?

Rodrigo Maia vê Bolsonaro refém do discurso da campanha eleitoral

Se a votação da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ocorresse hoje, o governo perderia ou, o que é mais provável, a votação seria obstruída, segundo o presidente da Câmara

26 de fevereiro de 2019
14:40 - atualizado às 16:11
Rodrigo Maia
Rodrigo Maia - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, fez hoje um duro diagnóstico sobre as perspectivas de aprovação da reforma da Previdência sem a formação de uma base no Congresso.

Para ele, o presidente Jair Bolsonaro ficou "refém" do discurso de campanha, no qual atacou a classe política e prometeu governar de forma diferente dos antecessores.

"Os partidos querem saber qual tipo de aliança o governo quer construir com o parlamento", afirmou Maia, que participou do evento CEO Conference, promovido pelo BTG Pactual, em São Paulo.

Maia afirmou que, se a votação da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ocorresse hoje, o governo perderia ou, o que é mais provável, a votação seria obstruída.

O presidente da Câmara disse que não se trata de distribuir cargos em troca de apoio, como fizeram governos anteriores. Mas ele afirmou que, como a reforma da Previdência terá um peso muito forte no sucesso do governo, os deputados querem saber se agenda positiva que seguirá à votação será de todos ou apenas do poder executivo.

"Nós também temos os nossos eleitores, que nos demandam realizações nos nossos Estados", disse.

Maia disse que não há como estimar quantos votos a reforma da Previdência tem na Câmara, mas afirmou que a base de Bolsonaro hoje se limita aos parlamentares do PSL, partido do presidente.

O presidente da Câmara defendeu que a reforma seja negociada com os partidos, e não com as chamadas bancadas temáticas. "As bancadas são construídas basicamente para defender uma agenda corporativa público ou privada", afirmou.

Apesar das incertezas sobre a base de apoio, a expectativa é que a reforma esteja pronta para ir a plenário no fim de maio ou até o início de junho. Mas para o deputado a discussão sobre a data não é tão importante.

"A pressa pode derrotar a reforma", advertiu.

Atrasado nas redes

Maia disse que considera um erro o governo ainda não ter se organizado nas redes sociais na defesa da proposta de reforma da Previdência.

"Acho um erro primário o governo não ter preparado as redes com essa guerrilha", disse o deputado, que considera essa comunicação decisiva para o sucesso da reforma. Maia afirmou que o PSL já possui hoje a melhor estrutura de comunicação via WhatsApp.

Maia defendeu ainda a retirada do projeto da nova Previdência do ponto que trata do BPC, que pode reduzir a R$ 400 o benefício concedido à população de baixa renda acima de 60 anos, e do aumento do tempo mínimo de contribuição de 15 para 20 anos.

O presidente da Câmara também disse ser difícil construir um consenso em relação a mudanças na aposentadoria rural. E defendeu a aprovação da medida provisória para combater as fraudes na concessão do benefício.

A tramitação da MP será o primeiro teste de articulação da base da novo governo. O deputado Paulo Martins, do PSC, foi escolhido para ser o relator do projeto na Câmara.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

COMO ESPERADO

Evergrande paga credores locais; estrangeiros seguem a ver navios

Apesar da perspectiva de calote aos credores externos, reação à notícia foi positiva nos mercados de bônus chineses

bitcoin (BTC) hoje

Bitcoin (BTC) se aproxima das máximas históricas após estreia do primeiro ETF em criptomoeda nos EUA; acompanhe

Nos primeiros minutos de negociação, o ETF da ProShares movimentou cerca de US$ 280 milhões de acordo com o analista de fundos de índice da Bloomberg

NA ESTEIRA DA VACINA

Beneficiada por venda de imunizante contra covid-19, Johnson & Johnson lucra mais que o esperado no 3º trimestre

Depois dos grandes bancos, agora é a vez de a J&J surpreender positivamente o mercado, impulsionada por sua divisão farmacêutica

MERCADOS HOJE

Auxílio emergencial ‘turbinado’ e fora do teto pesa e faz Ibovespa perder os 113 mil pontos; dólar avança mesmo com leilão do BC

A agenda local está esvaziada neste início de semana, mas os investidores aguardam ansiosamente por um desfecho para a PEC dos precatórios.

RadioCash

Com cenário macroeconômico instável, não dá pra ser Warren Buffet no Brasil, diz Paolo Di Sora, fundador da RPS Capital

Para o megainvestidor e CEO da Berkshire Hathaway, que compra ações de empresas na maior economia do mundo, é fácil se concentrar na análise microeconômica. Já o investidor brasileiro, por sua vez, está sempre sujeito a instabilidades e crises domésticas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies