Menu
2019-05-15T12:29:07-03:00
vai ou vai

Maia garante aprovar reforma ‘com governo ajudando ou atrapalhando’

Em Nova York, o presidente da Câmara destacou que é preciso resolver problemas de todos os impostos no País, com uma abrangente e simplificadora reforma tributária

15 de maio de 2019
12:20 - atualizado às 12:29
Rodrigo Maia
Rodrigo Maia - Imagem: André Dusek/Estadão Conteúdo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou, nesta quarta-feira, 15, que avisou ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que eles farão a reforma da Previdência Social "com o governo ajudando ou atrapalhando, com ou sem redes sociais".

Em evento do Lide em, Nova York, Maia disse que, em conversa o ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou que é preciso resolver problemas de todos os impostos no País, com uma abrangente e simplificadora reforma tributária, após a aprovação da reforma da Previdência Social no Congresso. "Sabemos o tamanho da crise fiscal e social e não vamos fugir da nossa responsabilidade."

O presidente da Câmara também destacou que a instituição do Poder Legislativo deve tentar construir consenso para avançar a medida provisória para modernizar o marco regulatório do setor de saneamento básico no país. "Além disso, discutimos com a equipe econômica mudanças na lei de falências. O caso Oi gerou conflitos com devedores."

De acordo com Rodrigo Maia, é preciso dar transparência para os R$ 370 bilhões que o governo gasta com incentivos fiscais em diversos setores, embora no ano passado terem sido encerradas as desonerações de folha de pagamento aprovadas pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

"Temos que criar novas estruturas de sistemas de controle do Estado", disse ele.

Para o presidente da Câmara, também é prioritário o projeto anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Despesas obrigatórias

O presidente da Câmara afirmou ainda que o problema do Brasil não está na PEC do teto de gastos, mas nas despesas obrigatórias, que representam quase 95% do dispêndio primário do Poder Executivo.

"Nos últimos 30 anos, o Estado no País foi capturado por corporações públicas e privadas", disse Maia. "Caminhamos para o colapso fiscal e se nada for feito, podemos chegar ao colapso social."

De acordo com Maia, o parlamento precisa pensar saídas para o Estado brasileiro e para viabilizar o crescimento nacional, dado que o "Brasil está em um encilhamento fiscal e social" e é preciso encontrar soluções à esta situação.

O presidente da Câmara apontou que é necessária a reforma da Previdência Social, pois é necessária diminuir despesas deste setor, mas também é importante reduzir gastos em outras áreas. "As carreiras de Estado cresceram muito nos últimos anos. Um advogado da União ganha em média 67% mais do que no setor privado", disse. "A solução para o Brasil não é mais Estado, mas sim mais setor privado."

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Decisão em plenário

Toffoli marca julgamento sobre inquérito das fake news para semana que vem

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, marcou para a próxima quarta, 10, o julgamento sobre a continuidade ou não das apurações do inquérito das fake news

Ministério atualiza dados

Brasil chega a 526,4 mil casos e 29,9 mil mortes por coronavírus

Até o momento, 211.080 pacientes estão recuperados da doença

seu dinheiro na sua noite

O mundo em ebulição

Caro leitor, Não bastasse uma pandemia mundial que paralisou a economia, tensões políticas no Brasil e o retorno da troca de farpas entre Estados Unidos e China, temos assistido também, nos últimos dias, a intensos protestos nos EUA contra o racismo. No último fim de semana, às já habituais manifestações em apoio ao governo aqui […]

Cresceu 3,7% em 2019

Vendas de festa junina nos supermercados devem crescer 0,6% em SP, diz associação

A perspectiva do avanço de vendas em supermercados é bem menor do que a registrada no ano passado, um crescimento de 3,7%

Queda no tráfego

Movimento em rodovias da Triunfo cai 13,9% na quarta semana de maio

O movimento de veículos leves recuou 77,3%, enquanto o tráfego de veículos pesados caiu 36,6%. Os dados se referem à Concebra, Concer, Transbrasiliana e Econorte

Termo de compromisso

BC multa Bradesco em R$ 92,2 milhões e solicita aprimoramento em operações de câmbio

A autarquia aplicou ainda multas de R$ 350 mil em oito funcionários do Bradesco. Os valores devem ser pagos em até 30 dias

Otimismo na bolsa

Ibovespa ignora tensões sociais e sobe mais de 1%, amparado na agenda econômica

O Ibovespa abriu o mês no campo positivo e foi às máximas desde 10 de março, sustentado pelos indicadores econômicos mais fortes na China e nos EUA. O dólar, por outro lado, teve um dia mais pressionado, colocando na conta as manifestações nos EUA e no Brasil

Pesquisa energética

Consumo de energia cai 6,6% em abril, diz EPE

O setor comercial foi o mais atingido, com queda de 17,9%, seguido pela indústria, com perda de 12,4% no consumo. Já o setor residencial subiu 6%, sinalizando aumento da demanda trazida pelo isolamento social, que obrigou as pessoas a ficarem mais em casa

LIÇÕES SOBRE INVESTIMENTOS

Senna, o barbeiro de Mônaco, já tocou minha campainha

Mesmo os tricampeões mundiais cometem erros de vez em quando. Neste texto, Felipe Paletta mostra como a inteligência emocional pode contribuir com você para tomar melhores decisões de investimentos. Dimensionando o risco, você pode ir mais longe.

Impacto do coronavírus

Balança comercial tem superávit de US$ 4,548 bilhões em maio, queda de 19,1%

Com queda nas exportações e, em menor volume, nas importações, a balança comercial brasileira registrou saldo positivo de US$ 4,548 bilhões em maio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements