Menu
2019-10-18T14:37:12-03:00
Estadão Conteúdo
nos eua

Reservas são vistas como seguro e não se fala em mudar isso, diz presidente do BC

Campos Neto mencionou que o que se lê sobre os altos custos para se manter as reservas internacionais no Brasil “não é a realidade” e que nos últimos 15 anos, os custos se igualaram às receitas

18 de outubro de 2019
14:37
23/04/2019 10ª Reunião do Conselho de Governo
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse em entrevista à TV Bloomberg, em Washington, onde participa de reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI), que as reservas internacionais no Brasil são vistas como "um seguro que têm servido o Brasil bem e não estamos falando em mudar isso agora".

Campos Neto mencionou que o que se lê sobre os altos custos para se manter as reservas internacionais no Brasil "não é a realidade" e que nos últimos 15 anos, os custos se igualaram às receitas.

Ele ressaltou ainda que as reservas aumentaram US$ 100 bilhões nos últimos 10 anos.

Mercado de trabalho

Perguntando sobre o mercado de trabalho, Campos Neto disse que o emprego começa a mostrar sinais de melhora. "Achamos que essa melhora vai continuar", disse ele, mencionando que a geração de emprego no Brasil tem sido batido recorde. "É uma tendência."

Selic

O presidente do Banco Central disse ainda que há espaço para corte de juros. "Nos últimos comunicados mencionamos que há espaço para corte adicional. Decidimos isso em cada reunião", ressaltou o dirigente, observando que o BC leva em conta o cenário externo, a evolução das reformas e a situação local em termos de crescimento econômico e inflação.

"Para o BC, é importante ter credibilidade, porque o BC tem poder sobre o curto prazo, mas necessitamos da credibilidade para ter certeza que isso seja sentido em toda a curva de juros", afirmou na entrevista, destacando que é importante que a ponta longa também fique dentro de "um bom limite".

Magnitude

Questionando sobre o quanto o BC precisaria cortar juros, Campos Neto disse que nunca sabe isso de antemão, pois depende de uma série de fatores. "A primeira pergunta que nos fazemos é se é preciso ter política estimulativa e a resposta é sim", disse ele, afirmando que a segunda pergunta é o quão estimulativa deve ser essa política, e aí o BC avalia os fatores mencionados acima.

"Achamos que agora temos espaço para juros menores, mas isso vai depender da evolução do cenário", afirmou Campos Neto.

Expectativa sobre a economia

O presidente do BC disse que os agentes estão se tornando mais otimistas sobre a economia, embora ainda exista ociosidade. Ele observou que o Brasil teve alguns choques neste ano e no passado recente, como a crise na Argentina, a desaceleração da economia mundial e a tragédia de Brumadinho (MG), mas se recupera. "Olhando para frente, começamos a ver elementos que nos dizem que as pessoas vão revisar para cima as projeções de crescimento", comentou, mencionando a melhora do mercado de emprego.

Campos Neto destacou também que alguns setores que estavam sob estresse, como o de construção civil, que é gerador de empregos, estão "decolando". Mesmo assim, ele ressaltou que a ociosidade na economia está se reduzindo de forma "muito lenta", porque a recessão foi muito profunda.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

nos estados unidos

Remuneração de CEOs cresceu em meio à pandemia

Recuperação do mercado de ações impulsionou ganhos de executivos em 2020, que tiveram remuneração média de US$ 13,7 mi no período

Após estremecimentos

China quer parceria estratégia com Brasil, diz chanceler asiático

Chanceler chinês, Wang Yi, falou com o novo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Carlos Alberto Franco França.

entrevista

Bittar reafirma que Guedes sabia de acordo para destinar verba a emendas

Apontado como um dos artífices da “maquiagem” no Orçamento, o senador Marcio Bittar diz que não chegou sozinho ao valor de R$ 29 bilhões em emendas

Apesar da pandemia

Saúde perde espaço em emendas parlamentares

Números mostram estratégia dos parlamentares para destinar recursos para obras e projetos de interesse eleitoral em seus redutos

Renovação do Conselho

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho

Indicados foram considerados inaptos pelo Comitê de Pessoas por terem atuado em empresas com relação direta com a estatal nos últimos três anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies