Menu
2019-08-28T12:09:49-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
25 Anos do Real

Campos Neto não falou de dólar, mas reforçou que papel do BC é manter inflação baixa

Presidente também disse que com cautela e perseverança, BC seguirá contribuindo para um ambiente de crescimento econômico sustentável

28 de agosto de 2019
12:09
Campos Neto
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado - Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Os colegas jornalistas e fomos eu até o Museu de Valores do Banco Central para ouvir o presidente Roberto Campos Neto. O mote era a abertura de uma exposição sobre os 25 anos do Plano Real e o lançamento de uma moeda comemorativa.

Nada emocionante para o mundo dos mercados, mas é a famosa pauta “vai que”. Vai que ele resolve falar algo de dólar ou taxa Selic.

Não foi. O presidente se manteve fiel ao tema e perguntando se poderia comentar a movimentação do câmbio, enquanto exibia as novas moedas às câmaras, disse que veio para falar de beija-flor. Ave que estampa a moeda em referência à primeira cédula de R$ 1, lançada em 1994.

real moeda
Moeda comemorativa dos 25 anos do Real. Foto: - Imagem: Raphael Ribeiro/BCB

Mas seu discurso serviu para reafirmar alguns princípios:

- A principal contribuição que a política monetária pode dar é a inflação baixa e estável, objetivo cumprido com os recentes resultados na meta para a inflação.

- É com estabilidade monetária que conseguiremos convergir para taxas de juros a níveis mais adequados, a começar pela taxa básica, que se encontra no mínimo histórico. Com cautela e perseverança, seguiremos contribuindo para um ambiente de crescimento econômico sustentável.

O uso dos termos “cautela e perseverança” remeteu a uma mensagem de política monetária que o BC reafirmou do fim da gestão Ilan Goldfajn até a reunião de maio, quando os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) optaram por não mais repetir essa mensagem em sua comunicação, “posto que se trata de questão principiológica que já deveria estar bem assimilada”.

A mensagem em questão, que servia como senha para manutenção da taxa em 6,5% ao ano, era a seguinte: “O Copom avalia que cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária, inclusive diante de cenários voláteis, têm sido úteis na perseguição de seu objetivo precípuo de manter a trajetória da inflação em direção às metas”.

Como isso agora é uma questão principiológica não dá para falar que o BC mudou sua mensagem atual, de que há espaço para corte adicional da Selic, mas que o Copom vai seguir avaliando o balanço de risco, projeções e expectativas até a reunião do dia 18 de setembro.

O aumento da incerteza externa e seus reflexos sobre o dólar são, justamente, os dois grandes pontos de incerteza. No mercado, a posição majoritária é de que um dólar mais alto não barraria novos reduções da Selic. A conferir até o dia 18 de setembro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

OTIMISMO DO EX-SECRETÁRIO

Cintra: reforma tributária do Executivo é mais viável do que projetos da Câmara

Segundo ele, é possível que a reforma tributária seja aprovada em dois meses desde que seja o projeto de lei 3887, do governo.

DEBANDADA NO MINISTÉRIO

‘Agenda de Guedes está enfraquecida’, diz Alexandre Schwartsman

Para o economista, há um descompasso claro entre a visão do presidente e a do ministro e Bolsonaro que desmoraliza a bandeira liberal com a qual se elegeu.

SUBSTITUTO DE SALIM MATTAR

Novo secretário de privatizações pode indicar cargos de até R$ 120 mil mensais

Cerca de 300 cargos em conselhos de administração e direção de estatais.

CONTENÇÃO DE GASTOS

Diante da ‘debandada’, governo quer antecipar medidas de ajuste para 2021

Essas medidas corretivas seriam adotadas pelo governo automaticamente, já no ano que vem, e evitariam o estouro do teto de gastos.

reação do mercado

Ação da Via Varejo tem forte alta após balanço; veja o que dizem analistas

Com avanço do online, recomendação da XP para a ação da empresa é de compra, com preço-alvo de R$ 28 ao final de 2020; Credit Suisse estima R$ 21 em 12 meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements