Menu
2019-04-04T13:41:52-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Juros

Campos Neto fala em preservar conquistas e reafirma Selic estável

Em evento em São Paulo, o presidente do BC destaca as vantagens da cautela, serenidade e perseverança na condução da política monetária

1 de abril de 2019
22:45 - atualizado às 13:41
Roberto Campos Neto presidente do BC
Roberto Campos Neto na Sabatina na CAE do Senado. - Imagem: Pedro França/Agência Senado

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, reafirmou a mensagem de política monetária da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de estabilidade da Selic em 6,5% ao ano.

“É importante mantermos os ganhos recentes alcançados na condução da política monetária, que tem se baseado na cautela, na serenidade e na perseverança”, disse em evento promovido pelo Goldman Sachs.

No mercado, a opinião majoritária é de manutenção do juro básico no atual patamar até o fim desde ano, mas cresce o percentual de analistas que trabalha com redução, para 5,5% a 6%, algo captado pela distribuição de frequências da pesquisa Focus.

O discurso de Campos Neto foi disponibilizado pelo Banco Central (BC). O presidente voltou a dizer que os indicadores recentes apontam ritmo de crescimento aquém do esperado, mas que não obstante, a economia brasileira segue em processo de recuperação gradual.

Ainda de acordo com Campos Neto, é importante observar o comportamento da economia brasileira ao longo do tempo, com menor grau de incerteza e livre dos efeitos dos diversos choques vistos no ano passado. Esta avaliação demanda tempo e não deverá ser concluída a curto prazo.

“Cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária, inclusive diante de cenários voláteis, têm sido úteis na perseguição de nosso objetivo precípuo de manter a trajetória da inflação em direção às metas”, disse, concluindo a parte dedicada à política monetária.

Nas considerações finais, Campos Neto falou em trabalhar para “manter a inflação baixa e controlada, dando seguimento à ótima atuação da condução da política monetária, e continuar aprimorando nossos mecanismos de comunicação”.

Ele voltou a defender a autonomia do BC em lei, algo que consta das metas de 100 dias do governo, mas que não será entregue.

O BC também manterá o foco em reduzir o custo de intermediação financeira, aumentando a eficiência desse serviço e melhorando as condições de concorrência e tornar o mercado mais aberto para todos, pequenos e grandes, nacionais e estrangeiros.

Reformas, ajustes e mercado de capitais

Também seguiu no discurso a avaliação de que a aprovação e a implementação das reformas, notadamente as de natureza fiscal, e de ajustes na economia brasileira é essencial para a manutenção da inflação baixa no médio e longo prazos, para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia.

Campos Neto também falou que é necessário avançar nas mudanças que permitam o desenvolvimento do mercado de capitais.

Nesse aspecto, disse o presidente, as medidas de ajuste fiscal também podem contribuir, pois colocar as contas públicas em uma trajetória equilibrada, através de um ajuste fiscal e de uma reestruturação patrimonial, gera efeitos multiplicadores sobre o mercado de capitais, resultando em uma maior diversificação desse mercado e em um maior número de transações.

“A intermediação financeira no Brasil tem de se libertar das amarras que a prendem ao governo. O mercado precisa se libertar da necessidade de financiar o governo e se voltar para o financiamento ao empreendedorismo”, disse.

Agenda BC Mais

O presidente também falou que é necessário aprofundar a Agenda BC mais para promover um amplo processo de democratização financeira.

Segundo Campos Neto, esse processo é fundamental para ampliar o provimento de recursos para o setor produtivo em condições justas e gerar benefícios para todos os brasileiros.

“Vamos avançar em outras dimensões e dar um foco especial ao mercado de capitais”, disse, reforçando pontos de seu discurso de posse.

O presidente também disse que estão sendo criados 14 novos grupos de trabalho para avaliar a incorporação de novas dimensões na Agenda BC Mais (inclusão, precificação, transparência e educação financeira).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Onde está o Guedes?

Paulo Guedes esteve presente ontem no anúncio do programa Renda Cidadã pelo governo, ao lado de Jair Bolsonaro e lideranças do Congresso. Mas os investidores no mercado financeiro não reconheceram no ministro a figura que prometeu implementar uma agenda de medidas liberais na economia, incluindo privatizações e reformas. A desconfiança sobre como a equipe econômica encaixaria […]

ajuste fiscal

Propostas para o Renda Cidadã não têm intenção de driblar teto, diz secretário do Tesouro

“A gente sabe que o teto é baseado em credibilidade e não adianta tomarmos ações que minem a credibilidade do teto”, disse Bruno Funchal

Mercado agora

Ibovespa fecha em queda com descrença sobre possível recuo de ‘pedalada’

No exterior, expectativa em torno do primeiro debate entre os principais candidatos à presidência dos EUA inibiu apetite por risco

Fiador sem crédito

Investidores veem omissão de Guedes no Renda Cidadã e mostram cansaço com “Posto Ipiranga”

Agentes do mercado financeiro questionam voto de confiança no ministro da Economia como fiador da disciplina fiscal

recadinho

Relevância do cumprimento do teto no pós-crise será ainda maior, diz Tesouro

Tesouro Nacional reforçou o alerta de que é preciso acelerar as reformas para manter a confiança dos investidores e os juros baixos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements