Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-12-21T09:21:12-03:00
Estadão Conteúdo
Os limites da política

Bolsonaro diz que tem de fazer reforma tributária ‘possível’, e não ‘perfeita’

Sobre a CPMF, presidente voltou a dizer que este é um “imposto que está demonizado” e que “não se toca mais nesse assunto”

21 de dezembro de 2019
9:21
Presidente da República, Jair Bolsonaro durante coletiva em Brasília
Imagem: Marcos Corrêa/PR/Flickr/Palácio do Planalto

Promover uma simplificação tributária é o que está no horizonte do Palácio do Planalto, segundo o presidente Jair Bolsonaro, que admitiu nesta sexta-feira, 20, não ser plausível buscar a aprovação no Congresso de uma reforma do sistema de impostos "perfeita".

"O que tenho falado ao Paulo Guedes, é que não podemos entrar na mesma linha que aconteceu no passado, queriam uma reforma tributária perfeita, não se aprovava nada. Vamos simplificar", disse Bolsonaro durante conversa com jornalistas na frente do Palácio da Alvorada. O presidente destacou que a reforma não será algo imposto aos parlamentares.

"Não podemos impor a nossa vontade nem queremos impor nossa vontade. Mas nessas questões técnicas, eu acho que não tem o que discutir. A própria reforma previdenciária foi um convencimento dos parlamentares", declarou.

Sobre o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o presidente voltou a dizer que este é um "imposto que está demonizado" e que "não se toca mais nesse assunto".

Eletrobras

O chefe do Executivo argumentou ainda que o sistema brasileiro pode entrar em colapso caso a proposta do governo de privatizar a Eletrobras não seja aprovada no Congresso Nacional. "Não temos, se não me engano, R$ 18 bilhões para manter o sistema funcionando. Vai entrar em colapso", disse.

O governo está em busca de "novas propostas de energia", de acordo com o presidente, visto que o crescimento do País levaria a uma demanda de energia que o Brasil não seria capaz de suprir. "O Paulo Guedes tem dito que podemos crescer 2% ano que vem e 3% daqui dois anos. Todo mundo sabe que, se crescer, vai ter consumo de energia. Se tivermos uma seca no Brasil, uma estiagem, vamos ter problema de racionamento de novo", afirmou.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa na onda das commodities, short de Nubank e o fim das ações das Lojas Americanas: veja as principais notícias do dia

Entre importar o otimismo ou o pessimismo do exterior, a bolsa brasileira tem preferido a primeira opção, nos últimos dias. Em mais um dia negativo para as bolsas americanas, o Ibovespa novamente nadou contra a maré vermelha e fechou em alta, impulsionado pelo avanço dos preços das commodities – sobretudo do minério de ferro. Com […]

Fechamento Hoje

Ibovespa novamente contraria exterior, sobe mais de 1% e fecha acima dos 108 mil pontos; dólar cai abaixo de R$ 5,50

Mesmo com dia negativo em Nova York, Ibovespa é impulsionado pelas commodities; varejistas e techs se recuperam com alívio nos juros futuros

CRYPTO NEWS

Cada vez mais países devem formar reservas de bitcoin ao longo de 2022; entenda como você pode aproveitar

Você provavelmente já viu uma imagem similar a esta abaixo. Ela mostra o conceito da curva de adoção, em S, de uma nova tecnologia ou produto. A curva em formato de sino é um reflexo da curva em S, mostrando o tamanho, ao longo do tempo, dos públicos que aderem a tal inovação. Malcolm Gladwell […]

NOVAS BAIXAS

Dois secretários e um diretor do Ministério da Economia pedem demissão do cargo; saiba quem são os substitutos

Um dos secretários vai para a Funpresp-Exe e o outro, para o Legislativo. Receita Federal diz que saída de seu diretor ocorreu a pedido do servidor

CONCESSÃO RECORDE

Caixa bate recorde em 2021 ao conceder R$ 140,6 bi em crédito habitacional e diz não esperar mais altas nos juros no financiamento imobiliário; entenda

O executivo afirmou que a Caixa segue os juros futuros com vencimento em oito anos para definir as taxas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies