Menu
2019-12-21T09:21:12-03:00
Estadão Conteúdo
Os limites da política

Bolsonaro diz que tem de fazer reforma tributária ‘possível’, e não ‘perfeita’

Sobre a CPMF, presidente voltou a dizer que este é um “imposto que está demonizado” e que “não se toca mais nesse assunto”

21 de dezembro de 2019
9:21
Presidente da República, Jair Bolsonaro durante coletiva em Brasília
Imagem: Marcos Corrêa/PR/Flickr/Palácio do Planalto

Promover uma simplificação tributária é o que está no horizonte do Palácio do Planalto, segundo o presidente Jair Bolsonaro, que admitiu nesta sexta-feira, 20, não ser plausível buscar a aprovação no Congresso de uma reforma do sistema de impostos "perfeita".

"O que tenho falado ao Paulo Guedes, é que não podemos entrar na mesma linha que aconteceu no passado, queriam uma reforma tributária perfeita, não se aprovava nada. Vamos simplificar", disse Bolsonaro durante conversa com jornalistas na frente do Palácio da Alvorada. O presidente destacou que a reforma não será algo imposto aos parlamentares.

"Não podemos impor a nossa vontade nem queremos impor nossa vontade. Mas nessas questões técnicas, eu acho que não tem o que discutir. A própria reforma previdenciária foi um convencimento dos parlamentares", declarou.

Sobre o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o presidente voltou a dizer que este é um "imposto que está demonizado" e que "não se toca mais nesse assunto".

Eletrobras

O chefe do Executivo argumentou ainda que o sistema brasileiro pode entrar em colapso caso a proposta do governo de privatizar a Eletrobras não seja aprovada no Congresso Nacional. "Não temos, se não me engano, R$ 18 bilhões para manter o sistema funcionando. Vai entrar em colapso", disse.

O governo está em busca de "novas propostas de energia", de acordo com o presidente, visto que o crescimento do País levaria a uma demanda de energia que o Brasil não seria capaz de suprir. "O Paulo Guedes tem dito que podemos crescer 2% ano que vem e 3% daqui dois anos. Todo mundo sabe que, se crescer, vai ter consumo de energia. Se tivermos uma seca no Brasil, uma estiagem, vamos ter problema de racionamento de novo", afirmou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

TUDO QUE VAI MEXER COM SEU DINHEIRO HOJE

7 notícias para começar o dia bem informado

Um dos impulsos que a bolsa recebeu para voltar a superar os 100 mil pontos nos últimos dias foi simplesmente uma “esperança”. Os mercados queriam acreditar que democratas e republicanos chegariam a um acordo para aprovar um pacote de estímulos à economia americana. Ontem foi um dia de cair na real. Os Estados Unidos estão […]

Operação Abono

Polícia Federal prende suspeitos de fraudes contra a Caixa

Operação Abono cumpriu mandados de prisão temporária nesta manhã; grupo é investigado por recebimento indevido de valores do FGTS

PRESIDENTE DO SENADO

Alcolumbre promete pautar vetos no dia 4, incluindo desoneração e saneamento

Senadores também pretendem colocar em votação na mesma semana o projeto de autonomia do Banco Central

Esquenta dos mercados

Aversão generalizada ao risco aponta para abertura em queda do Ibovespa

Falta de acordo nos EUA, avanço da pandemia e politização de vacina azedam o humor dos investidores

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil tem 24.818 novos casos em 24 horas

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o País contabilizou 5.298.772 casos confirmados de covid-19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies