Menu
2019-04-04T14:11:29-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Previdência

Rodrigo Maia faz um alerta e um pedido de ajuda

Presidente da Câmara volta a falar da importância da batalha da comunicação e pede ajuda do presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores

25 de fevereiro de 2019
14:48 - atualizado às 14:11
Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia
Presidente Jair Bolsonaro ao lado do presidente da Câmara dos Deutados, Rodrigo Maia - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Em entrevista ao “Valor Econômico” e em evento promovido pela “Folha de S.Paulo”, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez um alerta de que o governo está perdendo a batalha da comunicação, essencial para a aprovação da reforma da Previdência, e um pedido de ajuda a Jair Bolsonaro e seus apoiadores, para que mobilizem as redes sociais em defesa do projeto.

Maia já chamou para si a responsabilidade de defender a reforma na Câmara e em entrevista na portaria do Ministério da Economia, ao lado do ministro Paulo Guedes, foi enfático ao dizer que o problema não é a reforma, mas sim “as mentiras que se falam sobre a reforma”.

Ao “Valor”, Maia reclamou da falta de postura do governo e do próprio presidente em “dar discurso” aos seus apoiadores. Para Maia, o próprio Bolsonaro tem de ir “para as redes” e fazer uso de sua capacidade de comunicação “simples e objetiva” para rebater as críticas nem sempre verdadeiras contra a reforma.

O presidente da Câmara está disposto a ir para essa batalha e usa termos contundentes em suas falas sobre o tema. Mas parece preocupado que uma campanha de comunicação contrária à reforma volte a tomar proporções vistas na época de Michel Temer, algo que contribuiu para a derrota do projeto.

Maia também deixou claro os pontos que acha sensíveis no texto enviado pelo governo. São eles, a mudança no BPC, pago ao idosos em situação de miserabilidade, a modificação da previdência rural e o aumento do tempo mínimo de contribuição.

Na entrevista ao “Valor”, Maia voltou a fazer um aceno à oposição, mais claramente ao PDT, ao comentar sobre a possibilidade de o deputado Mauro Benevides Filho presidir a comissão especial de avaliação da reforma.

Mauro Filho é um estudioso sobre previdência, mas em conversa com o Seu Dinheiro, na semana passada, explicou que o seu partido ainda não tinha fechado uma posição sobre o tema.

Pode-se gostar ou não de Maia, mas dentro desse atual deserto de lideranças políticas, o deputado vem conquistando espaço cada vez mais importante na articulação política de medidas relevantes não só para o governo atual, mas os próximos nos quais certamente ele também fará parte.

O que se percebe ao longo da conversa com o “Valor” e outras manifestações recentes de Maia é que ele está pedindo para Bolsonaro assumir seu papel de presidente e ajudar a liderar, também, a articulação política e com a sociedade.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Corrida espacial

Elon Musk quer levar humanos para Marte até 2026

A empresa aeroespacial do bilionário, SpaceX, pretende criar uma cidade no planeta nos próximos 10 anos; ações da Tesla podem se beneficiar

Recuou!

Captação da poupança cai pela 1ª vez desde janeiro

Apesar do recuo, a poupança acumula entrada líquida de R$ 145,71 bilhões de janeiro a novembro – melhor desempenho para o período

Retrospectiva da semana

Coquetel anticrise: vacina e dinheiro na veia

Na onda das boas notícias, Ibovespa fechou a sexta-feira, 4, perto das máximas

Pandemia

Covid-19: Bolsonaro diz que governo não terá como socorrer os necessitados se ‘fechar tudo de novo’

Presidente avalia que o país não tem mais condições de se endividar

de olho na agenda

Congresso sacramenta decisão de levar Orçamento para plenário e abre prazo para emendas

Cúpula do Legislativo tenta afastar o “fantasma” do shutdown; Se a LDO não for aprovada ainda neste ano, o governo fica sem autorização para realizar despesas básicas em janeiro, como salários e aposentadorias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies