Menu
2019-02-27T11:53:39-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Está valendo

Reforma da Previdência: o jogo político começou

Rodrigo Maia tira governo da inércia e obriga uma intensificação da articulação em torno do que manter e ceder na proposta enviada ao Congresso

27 de fevereiro de 2019
11:22 - atualizado às 11:53
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro ao lado do Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Ainda é quarta-feira, mas já vale fazer uma recapitulação do noticiário político envolvendo as negociações em torno da reforma da Previdência. É esse jogo que vai definir o grau de diluição da proposta, que prevê uma economia de R$ 1,1 trilhão ao longo de dez anos. Esse é o ponto mais relevante para criar a percepção de sustentabilidade das contas públicas que se busca com a medida.

Ainda é muito cedo para apontar ganhadores e perdedores, mas se o governo tiver de ceder apenas nos dois pontos mais citados no noticiário político, que são a aposentadoria rural e o BPC, pago a idosos e deficientes pobres, o grau de diluição seria baixo.

No entanto, sabemos que esse é apenas o início de um processo que tem tudo para se desenrolar até o segundo semestre e o vai e vem da política terá impacto direto no humor dos mercados.

A reforma foi apresentada na semana passada, com ida de Jair Bolsonaro ao Congresso, extensa coletiva de imprensa para explicar o plano e um pronunciamento do presidente à nação.

Depois o tema parece ter perdido um pouco de fôlego, mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), colocou a bola em jogo, por assim dizer, ao abrir a semana com uma entrevista ao “Valor Econômico” e participação em evento da “Folha de S.Paulo”.

Na terça-feira, Maia voltou a jogar a bola para cima, falando em evento do BTG Pactual que o governo vinha perdendo a batalha da comunicação, que Bolsonaro tinha de negociar com partidos e não com bancadas e mostrar que as vantagens desse desgastante processo seriam colhidas por todo o espectro político.

Também ontem, o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, fez um périplo pela Câmara conversando com diferentes bancadas e partidos. Aqui é que noticiário ganhou temperatura de vez, mas é difícil fazer um balanço de perdas e ganhos.

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) declarou apoio à reforma, mas ainda quer saber como ficarão os subsídios creditícios ao setor. No lado dos partidos, o PR quer que os professores não sigam regra de idade mínima, o Solidariedade acena que vai defender os servidores públicos, que terão alíquotas maiores de contribuição, e teve notícia de que policiais militares fariam greve contra a reforma.

Também ontem, mas à noite, Bolsonaro reuniu líderes partidários e teria repetido que a “boa reforma” é aquela que será aprovada pelo Congresso. Podemos fazer duas leituras, reverência aos parlamentares, que de fato vão definir o texto final, ou sinal de que o governo já teria abandonado o texto inicial, que foi defendido na sua integralidade pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Logo mais, Guedes estará com Maia e com o presidente do Senado, David Alcolumbre (DEM-AP) para tratar da reforma.

Por ora, Maia assumiu o protagonismo nessas discussões e o deputado tem uma vantagem clara nesse processo. Se a reforma for um sucesso, poderá capitalizar o fato politicamente. Se as coisas derem errado, a culpa será do governo Bolsonaro.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Novidades na B3?

Multilaser e Invest Tech entram na fila de pedidos de IPO

As duas empresas engrossam a lista de ofertas em análises na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que já conta com 28 pedidos

Ainda falta chão...

Reforma administrativa dá mais um passo na Câmara dos Deputados

O relator leu hoje seu parecer pela constitucionalidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ); votação deve ocorrer a partir do dia 20

Novo momento

Fertilizantes Heringer registra prejuízo líquido de R$ 7,46 milhões no 1º tri

Empresa teve melhor Ebitda da história para um primeiro trimestre, mas resultado foi impactado por despesas financeiras

na b3

GetNinjas estreia em queda na bolsa, após IPO com ação abaixo do previsto

Empresa levantou R$ 550 milhões na oferta inicial de ações, com desconto de quase 20% do valor do papel em relação ao preço mínimo da faixa

Diversificando

BTG Pactual lança fundo de investimento 100% em bitcoin

O lançamento vem em linha com a diversificação de ativos oferecidos pelo banco

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies