Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-02-27T11:53:39-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Está valendo

Reforma da Previdência: o jogo político começou

Rodrigo Maia tira governo da inércia e obriga uma intensificação da articulação em torno do que manter e ceder na proposta enviada ao Congresso

27 de fevereiro de 2019
11:22 - atualizado às 11:53
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro ao lado do Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Ainda é quarta-feira, mas já vale fazer uma recapitulação do noticiário político envolvendo as negociações em torno da reforma da Previdência. É esse jogo que vai definir o grau de diluição da proposta, que prevê uma economia de R$ 1,1 trilhão ao longo de dez anos. Esse é o ponto mais relevante para criar a percepção de sustentabilidade das contas públicas que se busca com a medida.

Ainda é muito cedo para apontar ganhadores e perdedores, mas se o governo tiver de ceder apenas nos dois pontos mais citados no noticiário político, que são a aposentadoria rural e o BPC, pago a idosos e deficientes pobres, o grau de diluição seria baixo.

No entanto, sabemos que esse é apenas o início de um processo que tem tudo para se desenrolar até o segundo semestre e o vai e vem da política terá impacto direto no humor dos mercados.

A reforma foi apresentada na semana passada, com ida de Jair Bolsonaro ao Congresso, extensa coletiva de imprensa para explicar o plano e um pronunciamento do presidente à nação.

Depois o tema parece ter perdido um pouco de fôlego, mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), colocou a bola em jogo, por assim dizer, ao abrir a semana com uma entrevista ao “Valor Econômico” e participação em evento da “Folha de S.Paulo”.

Na terça-feira, Maia voltou a jogar a bola para cima, falando em evento do BTG Pactual que o governo vinha perdendo a batalha da comunicação, que Bolsonaro tinha de negociar com partidos e não com bancadas e mostrar que as vantagens desse desgastante processo seriam colhidas por todo o espectro político.

Também ontem, o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, fez um périplo pela Câmara conversando com diferentes bancadas e partidos. Aqui é que noticiário ganhou temperatura de vez, mas é difícil fazer um balanço de perdas e ganhos.

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) declarou apoio à reforma, mas ainda quer saber como ficarão os subsídios creditícios ao setor. No lado dos partidos, o PR quer que os professores não sigam regra de idade mínima, o Solidariedade acena que vai defender os servidores públicos, que terão alíquotas maiores de contribuição, e teve notícia de que policiais militares fariam greve contra a reforma.

Também ontem, mas à noite, Bolsonaro reuniu líderes partidários e teria repetido que a “boa reforma” é aquela que será aprovada pelo Congresso. Podemos fazer duas leituras, reverência aos parlamentares, que de fato vão definir o texto final, ou sinal de que o governo já teria abandonado o texto inicial, que foi defendido na sua integralidade pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Logo mais, Guedes estará com Maia e com o presidente do Senado, David Alcolumbre (DEM-AP) para tratar da reforma.

Por ora, Maia assumiu o protagonismo nessas discussões e o deputado tem uma vantagem clara nesse processo. Se a reforma for um sucesso, poderá capitalizar o fato politicamente. Se as coisas derem errado, a culpa será do governo Bolsonaro.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: bolsa deve refletir taxa de juros mais alta em dia de leitura do PIB dos EUA

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

NA DÚVIDA, ADIA

No restabelecimento da presença obrigatória em Brasília, governo fica sem quorum e retira PEC dos Precatórios

Nova tentativa de votação é esperada para hoje, mas o temor de que não haja deputados em quantidade suficiente para a aprovação persiste

Aquele 1%

Com juros em alta, esses títulos de renda fixa te pagam 1% ao mês, com baixíssimo risco e pouco esforço

A rentabilidade dos sonhos do brasileiro está de volta aos investimentos conservadores, e CDBs que pagam 1% ao mês ou mais já estão fáceis de encontrar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies