Menu
2019-10-14T14:30:20-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Fica como está

PSL não alcança acordo sobre mudanças para categorias da segurança na reforma da Previdência

Partido de Bolsonaro pedia que o relator incluísse mudanças em seu voto complementar para que a legenda não apresentasse destaques na comissão

1 de julho de 2019
20:45 - atualizado às 14:30
congresso-nacional
Congresso Nacional em Brasília - Imagem: Shutterstock

O PSL não chegou a um acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com o relator da reforma, Samuel Moreira (PSDB-SP), sobre alterar regras para categorias da segurança pública no texto da reforma da Previdência.

Com muitos deputados ligados à área, o partido de Jair Bolsonaro pedia que o relator incluísse mudanças em seu voto complementar para que a legenda não apresentasse destaques na comissão.

Depois de reunião na residência de Maia nesta segunda-feira (1), o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), disse que os diálogos vão continuar e que as reuniões devem se estender por toda a noite e amanhã. “A reunião foi muito boa conseguimos perceber abertura para o diálogo. Os deputados do PSL ligados à segurança pública apresentaram suas demandas”, disse. “Ainda estamos formulando o acordo, a intenção não é embaralhar todo processo de negociação”, afirmou.

Vitor Hugo não deixou claro se o partido ainda deve apresentar destaque ou não e não quis dar detalhes sobre quais pontos específicos estão sendo negociados.

O partido, por sua vez, estudava apresentar um destaque que pedia mudanças para policiais legislativos da Câmara e Senado, Polícia Federal, Rodoviária Federal e Ferroviária Federal (sem fazer menção a agentes penitenciários e agentes socioeducativos). Entre as mudanças pedidas, por exemplo, idade mínima de 55 para homens e 52 para mulheres, ao invés de 55 para ambos os sexos como está no texto do relator.

“Se houver desidratação vai ser algo pequeno”, disse Vitor Hugo. A emenda do PSL reduziria a economia esperada com as mudanças para as categorias de R$ 5,65 bilhões para cerca de R$ 3,02 bilhões.

Vitor Hugo disse ainda que a tendência nesse momento é que Estados e municípios fiquem de fora da reforma da Previdência.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

acordo conveniente

BR Distribuidora e Lojas Americanas fecham parceria em lojas de conveniência

Empresas vão formar uma nova empresa para explorar negócio de lojas dentro e fora dos postos de combustíveis

PEC emergencial

Receita Federal pode ficar sem recursos com desvinculação de gastos da PEC emergencial, dizem auditores

O gasto mínimo com saúde, educação e administração tributária é um dos pontos que encontra resistência no Congresso

O melhor do Seu Dinheiro

O futuro dos fundos imobiliários e uma estreia no Seu Dinheiro

Em janeiro do ano passado, a redação do Seu Dinheiro havia acabado de deixar o “coworking” onde ficou praticamente desde a estreia do site para alugar um espaço em um prédio comercial. Mas nem deu tempo de curtir o “sonho da sala própria”. Com a pandemia da covid-19, dois meses depois já estávamos todos em […]

INFLAÇÃO DO ALUGUEL

IGP-M sobe 2,53% em fevereiro e acumula alta de 5,17% em 2021

Em janeiro, indicador utilizado para reajustar contratos de aluguéis avançou 2,58%, segundo dados da FGV-Ibre

carta do presidente

“Entregamos a recuperação da Petrobras prometida”, diz Roberto Castello Branco

O executivo reafirmou que o objetivo da companhia “é ser a melhor empresa de óleo e gás do mundo”, concluiu em sua (talvez) última Carta do Presidente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies