Menu
2019-03-29T15:56:07-03:00
Estadão Conteúdo
Nova Previdência

Bolsonaro diz que errou ao votar contra reforma da Previdência no passado

Presidente pediu apoio à proposta apresentada ao Congresso no período da manhã

20 de fevereiro de 2019
13:03 - atualizado às 15:56
mcmgo_abr_200220193192
O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e Senado, Davi Alcolumbre - Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira, 20, que errou ao ter se posicionado contra a reforma da Previdência quando era deputado federal.

Ao entregar no período da manhã a proposta de seu governo ao Congresso, Bolsonaro pediu apoio para aprovação do texto e afirmou que, se à época em que era parlamentar tivesse o conhecimento de hoje sobre a situação da Previdência, teria avalizado mudanças na aposentadoria.

Além de se mostrar contrário à reforma quando era deputado, Bolsonaro afirmou na campanha eleitoral do ano passado que o desequilíbrio nas contas públicas não tinha qualquer relação com previdência. Chegou a dizer, ainda, que jamais atuaria para levar "miséria" aos aposentados por exigência do mercado financeiro.

"Foi um gesto de humildade do presidente admitir que, no passado, errou sobre a Previdência. Ele disse que, como parlamentar, não compreendeu a importância da reforma", contou Baleia Rossi (SP), líder do MDB na Câmara.

O deputado participou da reunião em que Bolsonaro e os ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil) apresentaram a proposta aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e a líderes partidários.

Na prática, a indefinição sobre o tamanho e a coesão da base de apoio do governo no Congresso preocupa o Palácio do Planalto. Nesta terça-feira, 19, por exemplo, o governo sofreu sua primeira derrota na Câmara, que derrubou o decreto presidencial sobre classificação de documentos ultrassecretos. Foi um revés sofrido pelo Executivo no rastro da crise política provocada pela demissão de Gustavo Bebianno do cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência.

"Nós vamos ter de juntar os cacos", disse a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), para quem Bolsonaro precisa começar a conversar com o Congresso. "Há muitos deputados insatisfeitos, que estão mostrando o descontentamento no plenário", argumentou ela.

Responsável pela articulação política do Planalto com o Congresso, o ministro Onyx afirmou, a portas fechadas, que a hora de consolidar a base de sustentação do governo é agora. "Ainda não há mesmo partidos que se declaram como base do governo, com exceção do PSL (sigla de Bolsonaro), mas isso está em construção", concluiu Baleia Rossi.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

estudos para RS, RJ e CE

Neoenergia estuda o desenvolvimento de projetos eólicos offshore no Brasil

Segundo o presidente, Mario José Ruiz-Tagle Larrain, a companhia está desenvolvendo estudos preliminares para projetos no Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Ceará

popular aplicativo

TikTok pede a juiz federal dos EUA audiência sobre aplicativo banido

Os advogados da empresa argumentam que a medida viola a liberdade de expressão e o devido processo legal

balanço da doença

Brasil acumula 4,6 milhões de casos e 138,9 mil mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, foram registrados 869 novos óbitos. Ontem, o total estava em 138.108. As autoridades de saúde ainda investigam 2.422 mortes que podem ou não estar relacionadas à doença

seu dinheiro na sua noite

Já deu o que tinha que dar

Caro leitor, Quando a pandemia de coronavírus explodiu e os bancos centrais do mundo passaram a reduzir fortemente os juros, muitos economistas e analistas de mercado questionaram os limites da política monetária naquele caso. Afinal, não se tratava de uma crise financeira, como foi a de 2008, nem de uma crise econômica comum. Estávamos diante […]

Roubando a cena

Dólar dispara mais de 2% com aversão ao risco e tem 4ª sessão seguida de alta; bolsa cai

Dólar passou voando pela marca de R$ 5,50 e por pouco não bateu R$ 5,60; Ibovespa acompanhou sinal negativo vindo de Wall Street e perdeu piso de 96 mil pontos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements