🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

A angústia do crescimento e a dúvida do capitão

Atividade econômica inspira cuidados e Bolsonaro precisa mostrar convencimento e postura diante da reforma da Previdência

Eduardo Campos
Eduardo Campos
6 de março de 2019
13:04 - atualizado às 12:45
Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Alan Santos/PR

Na longínqua semana passada recebemos o decepcionante Produto Interno Bruto (PIB) de 2018 e falamos que ele pouco importava para o desempenho dos nossos investimentos, que o foco estava e deveria continuar na reforma da Previdência. Tudo continua verdade, mas algumas conversas que tive desde então sugerem que “o buraco é mais embaixo”.

Para a reforma ser a “salvação da lavoura” em termos de atividade econômica ela teria de ter um tempo de tramitação muito mais rápido do que os mais otimistas preveem. No quadro que se desenha, de trâmites legislativos até o terceiro trimestre, já teremos passado por um “choque de realidade”, com os dados de atividade, notadamente (des) emprego, decepcionando até meados do ano, ou mesmo antes disso.

Apesar da firme retomada de diversos indicadores de confiança de empresários e consumidores parece que há alguma coisa segurando, travando a transformação da intenção em atividade de fato. Além disso, o crescimento fraco do fim do ano passado já deu início a uma onda de revisões para os prognósticos do ano. A mediana do Focus para o PIB de 2019 caiu de 2,48% para 2,3% e novas revisões deverão acontecer.

No lado da política monetária, o Banco Central (BC) afirma que o estímulo está adequado e que a retomada depende da queda da incerteza. Incerteza é algo não facilmente quantificável, mas é sabido pela literatura econômica que ela tem impacto adverso sobre a atividade.

Não que uma queda adicional de 0,25 ponto ou meio ponto percentual do juro básico seja a solução, mas é uma discussão que já está posta e deve se intensificar conforme a atividade continuar decepcionando.

No lado fiscal não há espaço para políticas de estímulo. Consumimos todo o espaço fiscal que existia com políticas mal desenhadas que agora apresentam suas faturas.

A equipe do ministro Paulo Guedes sabe que tem “areia” nas engrenagens da economia e emitiu um primeiro sinal. No “Estadão” de 2 de março, lemos notícia de que o governo tenta destravar crédito para empresas. A ideia busca facilitar a apresentação de garantias.

Incrível como parecemos presos em um “feitiço do tempo”, pois esse tipo de notícia vem sendo reeditada desde os tempos de Guido Mantega e nada do crédito e seus canais darem sua contribuição.

Parece que estamos soterrados por todas as questões estruturais que foram sendo deixadas de lado. A emergência fiscal transparece na reforma da Previdência, mas também há a questão tributária, educação, baixa produtividade... (vá completando a lista).

São todos problemas complexos com soluções também complexas que vão testando a paciência de todos, e esses itens, tempo e paciência, estão em falta em qualquer esfera da sociedade.

O presidente está convencido?

Dentro desse ambiente, no qual o tema "Previdência" se coloca como pedra angular do governo, a postura do presidente Jair Bolsonaro ainda levanta questionamento. Também na semana passada, o presidente falou das “gorduras” do projeto entregue por ele ao Congresso, com repercussão negativa nos mercados e reação da turma do “veja bem”.

Em conversa com um amigo com larga experiência no mercado financeiro, ele resumiu a questão da seguinte forma: “Está nítido que o capitão não está convencido da importância da reforma”.

A conversa me remeteu a um alerta semelhante, feito no fim do ano passado, por dois dos maiores especialistas em Previdência do Brasil, Fabio Giambiagi e Paulo Tafner. Em evento do BTG Pactual, os dois disseram que mais importante que o modelo de reforma que se pretendia era a postura do presidente, que teria de se convencer e abraçar a reforma antes de qualquer coisa.

Por ora, podemos dar um desconto e falar que a postura do presidente está dúbia. Afinal, o texto enviado foi mais duro que o acenado previamente, ele foi pessoalmente ao Congresso levar a proposta e gravou um pronunciamento à nação.

Por outro lado, tivemos essa “canelada” sobre as “gorduras” da proposta e um total silêncio sobre o tema por parte dele desde então, mesmo com as conversas de que ele usaria sua força nas redes sociais para mobilizar os apoiadores em torno do tema.

Por ora, o presidente conseguiu mobilizar as redes em torno da sua pauta de costumes, com um tuíte de gosto para lá de duvidoso envolvendo cena do Carnaval de rua.

Creio que ainda dá para mudar o foco e passar a gastar tempo e mobilização com os assuntos que realmente importam.

Compartilhe

ELEIÇÕES 2022

Guedes se alinha a Bolsonaro e sobe tom da campanha — veja as indiretas que o ministro mandou para Lula

14 de setembro de 2022 - 15:58

Falando para uma plateia de empresários cariocas, ele se comprometeu com o Auxílio Brasil de R$ 600, reivindicou a autoria do Pix e considerou equivocadas as projeções de analistas para a inflação

ELEIÇÕES 2022

O que Bolsonaro, Lula e Ciro querem para o Brasil? Confira o programa de governo dos presidenciáveis

13 de setembro de 2022 - 19:21

Os três já apresentaram seus planos para o país: um prioriza transformar o Brasil em uma potência econômica, o outro foca na restauração das condições de vida da população e o terceiro destaca aspectos econômicos e educacionais

ELEIÇÕES 2022

Vão fatiar: Lula e Bolsonaro querem desmembrar Economia e ressuscitar ministérios de outras áreas — veja a configuração

13 de setembro de 2022 - 14:11

Caso o petista vença, a ideia é que o número de ministérios passe dos atuais 23 para 32. Já Bolsonaro, que na campanha de 2018 prometeu ter apenas 15 ministérios e fazia uma forte crítica ao loteamento de cargos, hoje tem 23 e também deu pastas ao Centrão

ELEIÇÕES 2022

Avanço de Ciro e Simone na pesquisa BTG/FSB ajuda Bolsonaro a forçar segundo turno contra Lula

12 de setembro de 2022 - 10:35

Em segundo turno, porém, enquanto Lula venceria em todos os cenários, Bolsonaro sairia derrotado em todas as simulações da pesquisa BTG/FSB

ELEIÇÕES 2022

Propaganda barrada: ministro do TSE atende pedido de Lula e proíbe Bolsonaro de usar imagens do 7 de setembro em campanha; veja qual foi o argumento

11 de setembro de 2022 - 16:43

O ministro viu favorecimento eleitoral do candidato e atendeu a um pedido da coligação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para barrar as imagens

DE OLHO NAS REDES

Lula vs. Bolsonaro: no ‘vale tudo’ das redes sociais, quem está vencendo? Descubra qual dos candidatos domina a batalha e como isso pode influenciar o resultado das eleições

11 de setembro de 2022 - 7:00

A corrida eleitoral começou e a batalha por votos nas redes sociais está à solta; veja quem está ganhando

ELEIÇÕES 2022

‘Bolsonaro não dormiu ontem’: Lula comemora liderança nas pesquisas e atribui assassinato de petista a presidente ‘genocida’

10 de setembro de 2022 - 15:01

O candidato do PT afirmou que o presidente não consegue convencer a população mesmo com gastos eleitoreiros altos

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro é o candidato com maior número de processos no TSE — veja as principais acusações contra o presidente

10 de setembro de 2022 - 10:37

Levantamento mostra que o candidato à reeleição é alvo de quase 25% das ações em tramitação na Corte até o início de setembro

ELEIÇÕES 2022

7 de setembro ajudou? A distância entre Lula e Bolsonaro é a menor desde maio de 2021, segundo pesquisa Datafolha

9 de setembro de 2022 - 20:21

Levantamento foi feito após as manifestações do Dia da Independência, feriado usado pelo atual presidente para atos de campanha, algo que nunca tinha acontecido na história recente do Brasil

ELEIÇÕES 2022

Um novo significado de ‘imbrochável’: Jair Bolsonaro explica coro em discurso de 7 de setembro

9 de setembro de 2022 - 9:48

Em transmissão nas redes sociais, Jair Bolsonaro explicou que o coro seria uma alusão ao fato de resistir a supostos ataques diários contra seu governo

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar