Menu
2019-04-24T14:52:37-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Pior desempenho para março desde 2017

Arrecadação de impostos em março cai e soma R$ 109,854 bilhões, diz Receita

Queda real (já descontada a inflação) foi de 0,58% na comparação com o mesmo mês de 2018; em relação a fevereiro deste ano, baixa foi de 5,24%

24 de abril de 2019
13:35 - atualizado às 14:52
Prédio da Receita Federal
Imagem: Reprodução/Agência Brasil

A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 109,854 bilhões em março, uma queda real (já descontada a inflação) de 0,58% na comparação com o mesmo mês de 2018. Em relação a fevereiro deste ano, houve queda real de 5,24%. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira, 24, pela Receita Federal.

O valor arrecadado foi o pior desempenho para meses de março desde 2017. O resultado veio dentro do intervalo de expectativas de 23 instituições ouvidas pelo Projeções Broadcast, que ia de R$ 109 bilhões a R$ 122 bilhões, mas abaixo da mediana, de R$ 114,2 bilhões.

No primeiro trimestre deste ano, a arrecadação federal somou R$ 385,341 bilhões, o melhor desempenho para o período desde 2014.

O montante ainda representa avanço real de 1,09% na comparação com igual período do ano passado.

Desonerações

As desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 23,212 bilhões entre janeiro e março deste ano, valor maior do que em igual período do ano passado, quando ficou em R$ 20,741 bilhões. Apenas no mês de março, as desonerações totalizaram R$ 8,121 bilhões, também acima do que em março do ano passado (R$ 6,966 bilhões).

Só a desoneração da folha de pagamentos custou aos cofres federais R$ 724 milhões em março e R$ 2,190 bilhões no acumulado do ano.

Já as reduções do PIS/Cofins sobre o diesel e da Cide, dadas no ano passado após a greve dos caminhoneiros, acumulam custo de R$ 1,280 bilhão e 377 milhões respectivamente.

Receita: "tudo normal"

De acordo com o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros do órgão, Claudemir Malaquias, a queda real na arrecadação de março veio dentro das projeções da Receita. Ele lembrou que, no mês passado, o governo já revisou para baixo as previsões para o ano.

Malaquias destacou ainda que, sem fatores excepcionais que inflaram a arrecadação em março de 2018 - como a arrecadação com Refis - a arrecadação ficaria praticamente estável no mês passado, com 0,09% de queda.

A arrecadação das receitas administradas por outros órgãos, composta principalmente por royalties de petróleo, continua crescendo, mas em ritmo menor. No primeiro trimestre, o crescimento real foi de 18,44% (R$ 14,175 bilhões), enquanto em março a alta foi de apenas 0,69% (R$ 1,942 bilhão).

Termômetro

A alta de 13,07% na arrecadação do Imposto de Renda e da Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL) no primeiro trimestre é um termômetro do desempenho das empresas neste período, afirmou Malaquias.

De acordo com dados da Receita, o recolhimento do setor financeiro, no entanto, caiu 7,34% neste mesmo período. Apesar disso, Malaquias disse que ainda não é possível falar em uma queda na atividade do setor, já que a arrecadação total das entidades financeiras cresceu 8,31% no trimestre.

Em relação ao crescimento das desonerações tributárias, que aumentaram R$ 2,471 bilhões no primeiro trimestre, Malaquias disse que a alta está atrelada à atividade econômica. "Os benefícios fiscais estão sendo revistos pelo governo", completou.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ministro minimiza

Bolsonaro ‘não seria maluco’ de atacar o Congresso, afirma Ramos

Ministro da Secretaria de Governo, o general Luiz Eduardo Ramos minimizou o envio, pelo presidente Jair Bolsonaro, de vídeo convocando para manifestações que criticam Congresso

Alerta para a mineradora

Navio carregado de minério de ferro da Vale corre risco de naufrágio no MA

Volume de carga transportado não foi divulgado pela mineradora

Crise política

Ministro do STF, Celso de Mello diz que “o presidente da República, embora possa muito, não pode tudo”

O decano do Supremo Tribunal Federal, ministro Celso de Mello, afirmou em nota que considera “gravíssima” a convocação de manifestações contra o Congresso Nacional e afirmou que caso revela a “face sombria de um presidente que desconhece o valor da ordem constitucional” e que não está “à altura do altíssimo cargo que exerce’. O decano […]

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quarta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

Azul, Gol, Vale e Petrobras: os destaques (negativos) da bolsa nesta quarta-feira

As ações da Azul e da Gol despencam mais de 10% e têm os piores desempenhos do Ibovespa, em meio às incertezas quanto aos impactos do coronavírus ao setor aéreo e à disparada do dólar

Climão em Brasília

Bolsonaro deu mais um passo para frear agenda de reformas, diz cientista político

Presidente divulgou vídeo em que convoca manifestações contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal

EXILE ON WALL STREET

Não tente se matar, pelo menos esta noite, não

Veja o seguinte: se até um ato grave como o suicídio depende de um método e de um contexto particular, o que dizer da decisão de compra e venda de ativos financeiros?

Hotéis respiram

Depois de quatro anos de queda, diária de hotéis volta a registrar alta em 2019

Após quatro anos seguidos de perdas, em 2019 os hotéis tiveram aumento real médio de 5,5% nos valores das diárias em 11 capitais brasileiras

impasse

TCU quer que governo comprove necessidade da retomada de obras em Angra 3

Órgão cobra transparência da União e questiona as justificativas para concluir um empreendimento que deve demandar outros R$ 15,5 bilhões, além dos R$ 8,3 bilhões já gastos,

Dia caótico

Ibovespa desaba mais de 6% e dólar sobe a R$ 4,43, ajustando-se à cautela com o coronavírus

O Ibovespa volta a operar sob intensa pressão e já marca as mínimas em 2020. A tensão global com o coronavírus, somada à cautela com o cenário político doméstico, desencadeiam um movimento forte de correção nos ativos domésticos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements