Menu
2019-04-18T08:01:30-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
divergências

Para Guedes, cálculo do mercado sobre economia da reforma está errado

Em entrevista à GloboNews, o ministro voltou a falar em um valor de cerca de R$ 1 trilhão, disse que o apoio de prefeitos e governadores têm sido “unânime” e insinuou que Bolsonaro o questiona sobre privatização da Petrobras

18 de abril de 2019
7:19 - atualizado às 8:01
paulo-guedes
Guedes chegou a insinuar que Bolsonaro o tem questionado sobre uma eventual privatização da Petrobras - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse acreditar que as projeções do mercado para a economia com a reforma da Previdência em dez anos estão erradas.

Economistas estimam uma economia entre  R$ 500 a R$ 600 bilhões. Guedes, avalia que o valor seria pelo menos "substancialmente maior". Ele voltou a falar em R$ 1 trilhão.

O ministro conversou com o canal de TV a cabo GloboNews na noite de ontem, 17, e afirmou que ainda que o governo venha enfrentando problemas evidentes de articulação política, a coordenação "está melhorando".

Ele também foi questionado sobre o adiamento da votação do parecer do relator da PEC da Previdência na Comissão e Justiça da Câmara (CCJ) da Câmara. Guedes disse que a situação já foi muito pior, lembrando de quando teve que postergar sua primeira ida à CCJ.

Ele não quis comentar sobre quais pontos o governo poderá ceder - se limitou a comentar que o governo está preparado para ceder "em algumas coisas e não em outras" - e afirmou que, "aparentemente", a votação do parecer acontecerá na terça-feira, 23.

Governadores e prefeitos

O ministro da Economia afirmou ainda que, em reuniões com governadores e prefeitos, o apoio à Previdência tem sido "unânime".

No Congresso, Guedes disse crer que os parlamentares sabem que a reforma é "incontornável" e que ela irá acontecer. Mas avaliou que "eles querem se sentir parte do processo".

Guedes disse ainda que a reforma poderia ter tido uma tramitação mais rápida caso o governo tivesse apoiado a eleição de Rodrigo Maia à presidência da Câmara. "Para mim, era óbvio que teria que haver aliança centro-direita, mas política é política."

Medidas "fortes"

O ministro disse ainda que o governo já tem preparada uma série de medidas "extraordinariamente fortes" para estimular a economia. "Choque da energia barata, pacto federativo, redução e simplificação de impostos, privatizações", relatou.

Guedes falou que investidores estrangeiros estão entusiasmados para aportar recursos no Brasil e disse que a imagem ruim do do País no exterior é culpa dos governos do PT.

Sobre declarações Jair Bolsonaro que repercutiram mal no exterior, o ministro disse ainda que o presidente deve entender que suas opiniões "têm consequências". Avaliou, porém, que há quem apoie as ideias de Bolsonaro. "Quem votou no Trump e no Brexit deve ter gostado das declarações", disse.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Não agora

Havan protocola desistência de IPO junto à CVM

Notícia de que a varejista poderia adiar IPO já corria o mercado; Havan entrou com pedido de abertura de capital no fim de agosto

Atritos

Maia critica obstrução de base do governo e cobra interesse para votar reformas

Para o presidente da Câmara, o acordo firmado em fevereiro que garantiria a presidência da CMO ao deputado Elmar Nascimento (DEM-BA) é o válido.

Tesouro Nacional

Dívida Pública Federal sobe 2,59% e fecha setembro em R$ 4,526 tri

Em agosto, o estoque estava em R$ 4,412 trilhões.

Vai comprar?

BB Investimentos eleva preço-alvo da Unidas após resultados positivos no trimestre

A companhia teve um volume recorde na venda de carros e uma alta de 65,4% na receita líquida de seminovos, comparando com 2019.

alta forte

Mercado de juros futuros tem dia tenso e aumenta pressão sobre BC na véspera da decisão do Copom

Selic atualmente está em 2% ao ano; mercado presta atenção em postura que será adotada pelo Copom em meio à alta da inflação e ao risco fiscal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies