Menu
2019-06-07T18:41:39-03:00
Estadão Conteúdo
queda de braço

Comunicação põe ministro sob ataques

O atrito foi exposto depois que Bolsonaro mandou retirar do ar a propaganda do Banco do Brasil; as divergências, porém, têm outros capítulos, como a campanha publicitária da Previdência e o tratamento que deve ser dado à imprensa

29 de abril de 2019
10:35 - atualizado às 18:41
General Carlos Alberto dos Santos Cruz
General Carlos Alberto dos Santos Cruz - Imagem: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, virou o novo alvo do Palácio do Planalto. Depois dos ataques dos filhos do presidente Jair Bolsonaro ao vice Hamilton Mourão, agora as críticas são dirigidas a Santos Cruz e têm como pano de fundo a comunicação.

A queda de braço foi exposta depois que Bolsonaro mandou retirar do ar a propaganda do Banco do Brasil mostrando atores que representavam a diversidade racial e sexual do País. As divergências, porém, têm outros capítulos, como a campanha publicitária da Previdência e o tratamento que deve ser dado à imprensa.

Desde que foi nomeado para comandar a Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom), há pouco mais de duas semanas, o empresário Fábio Wajngarten enfrenta a resistência de Santos Cruz. O general tentou, sem sucesso, manter na chefia da Secom o publicitário Floriano Amorim, que defendia menos recursos para a mídia tradicional e mais investimento em redes sociais. Foi derrotado após Bolsonaro perder popularidade e ser obrigado a aceitar Wajngarten, que hoje conta com a simpatia do escritor Olavo de Carvalho.

Os ânimos se exaltaram no último dia 17, porém, quando Wajngarten apresentou a campanha publicitária para "vender" a reforma da Previdência. Santos Cruz se queixou do valor e exigiu a redução de 20% nos custos. A Secom é subordinada à secretaria dirigida pelo general.

Guedes

Na briga, Wajngarten ganhou o apoio do ministro da Economia, Paulo Guedes. No fim das contas, a propaganda para explicar as mudanças propostas para a aposentadoria custará R$ 40 milhões e deverá ser veiculada a partir da segunda quinzena de maio. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) elogiou no Facebook o fato de Santos Cruz ter aprovado o investimento. "Depois de quase cinco meses! Isso é piada", ironizou o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).

Na prática, os rumos da comunicação do governo são motivo de disputa entre o núcleo militar e a ala ideológica - incluindo aí os filhos do presidente e o guru Olavo de Carvalho. A equipe política quase não tem influência na área, muito menos Mourão, atacado por Carlos e Olavo, com o aval do próprio Bolsonaro, por fazer movimentos considerados pouco condizentes com a discrição que um vice deveria ter. Na avaliação desse grupo, Mourão aparece demais e Santos Cruz "trava" o Executivo. No início da gestão, o ministro disse ao jornal O Estado de S. Paulo que o marketing de governo "não pode ser uma forma de expansão de ideologia".

Wajngarten fez uma apresentação aos ministros, na terça-feira, sobre os desafios para vencer a batalha da comunicação nos tempos do Twitter e pediu que todos tirassem agendas positivas da gaveta. "Ministros fortes, presidente forte", dizia o último slide mostrado ali.

Três dias depois, no entanto, Santos Cruz desautorizou uma ordem da Secom para que o material de propaganda da administração passasse antes pelo crivo da pasta. O e-mail com a orientação havia sido enviado pelo secretário de Publicidade e Promoção, Glen Lopes Valente - indicado para o cargo por Wajngarten -, na esteira do veto de Bolsonaro ao comercial do Banco do Brasil. "Não cabe à administração direta intervir no conteúdo da publicidade estritamente mercadológica das empresas estatais", disse Santos Cruz em um comunicado.

O confronto contrariou Bolsonaro. "Quem indica e nomeia presidente do Banco do Brasil? Sou eu? Não preciso falar mais nada, então", disse ele, no sábado, 27, ao dizer que os ministros devem seguir sua linha de pensamento ou ficar "em silêncio".

Questionado pela reportagem se o puxão de orelha era para Santos Cruz, o presidente amenizou o mal-estar. "Santos Cruz é meu irmão. O que é isso? Foi meu colega de pentatlo militar no meu tempo de tenente; ele, capitão", respondeu, em uma referência à prova atlética praticada pelas Forças Armadas. Bolsonaro afirmou, porém, que "ajustes" na relação com a Secom são naturais. Procurado, Santos Cruz não quis se manifestar.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Resolvendo pendências

STF: Petrobras não precisa se sujeitar à Lei das Licitações

Nos últimos anos, a Suprema Corte tem dado decisões relativas a Petrobras que consideram o cenário de livre competição em que opera a estatal.

Pacote fiscal aguardado

EUA: Senado aprova extensão de aumento de auxílio-desemprego

A emenda prevê a extensão da duração dos benefícios federais a desempregados, mas reduz seu valor semanal, em comparação com o projeto de lei aprovado pela Câmara dos Representantes no sábado passado

chama o max

Um meteoro passageiro chamado juros

O que fez a curva de juros norte-americana empinar tanto nos últimos meses e de uma maneira tão vigorosa nos últimos dias?

PODCAST

Zoeira com Nassim Taleb, ‘venda da Empiricus’ e reflexões sobre a taxa de juros: veja o que rolou no episódio #35 do Puro Malte

Podcast com Felipe Miranda, Rodolfo Amstalden, Beatriz Nantes e Ricardo Mioto é “conversa de bar” para quem gosta de finanças

Quase 2 mil mortos

Covid-19: Brasil tem segundo dia com mais mortes confirmadas

O Brasil também registrou hoje o recorde de mortes por semana. O número foi divulgado pelo Ministério da Saúde no mais novo boletim epidemiológico sobre a pandemia do novo coronavírus.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies