Menu
2019-07-03T10:48:37-03:00
Estadão Conteúdo
fala ministra

Tereza Cristina: ambientalistas da UE já pressionam Brasil há muitos anos

A ministra da Agricultura não confirmou o dado divulgado nesta semana de que o desmatamento na Amazônia aumentou 60% em junho, em comparação com o mesmo mês do ano passado.

3 de julho de 2019
10:47 - atualizado às 10:48
tereza-cristina
Tereza Cristina - Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O Brasil já enfrenta questionamentos da França com relação ao meio ambiente há muitos anos, disse a ministra da Agricultura Tereza Cristina, em entrevista à rádio CBN na manhã desta quarta-feira, 3. "A França é muito protecionista, principalmente com agricultura. As críticas já eram esperadas pelos dois lados do acordo Mercosul e União Europeia (UE)", afirmou a ministra.

Tereza Cristina defendeu informações unificadas sobre as questões ambientais e afirmou que o Brasil já enfrenta pressão de ambientalistas da UE. "Quando temos dados divergentes sobre meio ambiente, acabamos favorecendo concorrentes. O Brasil enfrenta ataques porque é mais vulnerável que os EUA, que têm economia mais forte", argumentou a ministra.

A ministra da Agricultura não confirmou o dado divulgado nesta semana de que o desmatamento na Amazônia aumentou 60% em junho, em comparação com o mesmo mês do ano passado. A informação foi divulgada na terça-feira pela CNN, que teve acesso a dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Segundo a matéria da CNN, ambientalistas afirmam que o número é reflexo da política ambientalista do governo do presidente Jair Bolsonaro.

Ainda sobre as questões ambientais, a ministra citou o dispositivo de precaução, previsto no acordo como uma garantia para o governo brasileiro. Segundo ela, o dispositivo é restrito à discussão de base científica. "Não vão poder falar que estamos desmatando a Amazônia ou acabando com áreas indígenas sem provas. As acusações precisarão de provas científicas", explicou.

Tereza Cristina estima que, no máximo, em até dois anos o acordo comercial entre Mercosul e União Europeia (UE) deve ser aprovado por todas as partes. "Ainda há ajustes a serem feitos, mas já caminhamos muito. Agora, o acordo precisa ser aprovado pelos quatro países do Mercosul e pelos parlamentos de 27 países da UE", disse a ministra da Agricultura Tereza Cristina à rádio CBN.

Quanto à aprovação do texto do acordo pelo Congresso brasileiro, Tereza Cristina defendeu que o governo tem de discutir com o Legislativo qual é o melhor momento para votação do documento. "A aprovação é mais complicada para a UE, que precisa de consenso entre os 27 países do bloco", observou Tereza Cristina.

Outros pactos

O acordo "histórico" entre Mercosul e UE permitirá ao bloco avançar em outros pactos comerciais de interesse, na análise da ministra da Agricultura, Tereza Cristina. "Temos 4 acordos em vista que podem ser fechados nos próximos anos: acordo com Efta (Associação Europeia de Livre Comércio), Canadá, Coreia do Sul e Cingapura", afirmou a ministra em entrevista à rádio CBN nesta quarta-feira.

Segundo a ministra, o Mercosul ganhou muito com o fechamento do acordo com o bloco europeu. "Ainda há pontos a serem ajustados, mas já avançamos muito. Com desagravos e cotas, chegaremos em alguns anos em um livre comércio total", projetou Tereza Cristina.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Esquenta dos Mercados

Orçamento e CPI da Covid seguem no radar do investidor, com inflação dos EUA à caminho

O noticiário de Brasília segue o mesmo, enquanto os indicadores econômicos devem chacoalhar o mercado

nova retomada

BR Malls e Aliansce Sonae reabrem alguns shopping centers

Empresas retomam operações de unidades em locais em que houve flexibilização das medida de combate à covid-19

SOB NOVA DIREÇÃO

Em assembleia tensa, acionistas da Petrobras destituem Castello Branco

Minoritários chegaram a indicar quatro candidatos, mas mudaram de ideia e retiraram duas candidaturas, diante da falta de votos

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Como ficam as ações dos países emergentes com a recuperação nos EUA?

Como as ações acompanham os lucros, há um fluxo de recursos para os EUA em detrimento do que foi verificado no final do ano passado

Entrevista exclusiva

PicPay chega aos 50 milhões de usuários e fundador fala dos planos para chegar aos celulares de todos os brasileiros

Com IPO no radar, aplicativo segue a trilha aberta pelo chinês WeChat e acelera crescimento com novos serviços e a contratação de pesos-pesados do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies