Menu
2019-10-31T11:40:50-03:00
Estadão Conteúdo
de olho nas contas

Setor público tem déficit primário de R$ 20,541 bi em setembro, revela BC

Resultado primário consolidado do mês passado veio melhor que a mediana das estimativas de analistas do mercado financeiro

31 de outubro de 2019
11:40
Dinheiro - notas e moedas de real
Imagem: Pixabay

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 20,541 bilhões em setembro, informou nesta quinta-feira, 31, o Banco Central. Em agosto, havia sido registrado déficit de R$ 13,448 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado veio melhor que a mediana das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast. A mediana estava negativa em R$ 21,400 bilhões e o intervalo ia de déficit de R$ 27,500 bilhões a déficit de R$ 18,800 bilhões. O saldo de setembro representa o menor déficit para o mês desde 2015, quando houve resultado negativo de R$ 7,318 bilhões.

O resultado fiscal de setembro foi composto por um déficit de R$ 20,631 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS).

Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado negativamente com R$ 170 milhões no mês. Enquanto os Estados registraram um déficit de R$ 269 milhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 99 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 261 milhões.

Acumulado do ano

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 42,491 bilhões no ano até setembro, o equivalente a 0,80% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019. No caso do Governo Central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

O déficit fiscal no ano até setembro ocorreu em função do déficit de R$ 63,166 bilhões do Governo Central (1,20% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 19,644 bilhões (0,37% do PIB) no período.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 17,444 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 2,201 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado superavitário de R$ 1,031 bilhão no período.

12 meses

As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 91,428 bilhões em 12 meses até setembro, o equivalente a 1,29% do PIB, informou o Banco Central.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em setembro pode ser atribuído ao rombo de R$ 102,797 bilhões do Governo Central (1,46% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 9,183 bilhões (0,13% do PIB) em 12 meses até setembro.

Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 10,779 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 1,596 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 2,186 bilhões no período.

Déficit nominal

O setor público consolidado registrou um déficit nominal de R$ 45,920 bilhões em setembro. Em agosto, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 63,644 bilhões e, em setembro de 2018, deficitário em R$ 39,173 bilhões.

No mês passado, o Governo Central registrou déficit nominal de R$ 41,256 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo negativo de R$ 4,465 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram déficit nominal de R$ 199 milhões.

No ano até setembro, o déficit nominal somou R$ 326,679 bilhões, o que equivale a 6,19% do PIB.

Em 12 meses até setembro, há déficit nominal de R$ 451,458 bilhões, ou 6,39% do PIB.

Gasto com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 25,379 bilhões com juros em setembro, após esta despesa ter atingido R$ 50,197 bilhões em agosto, informou o Banco Central. O Governo Central teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 20,625 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 4,295 bilhões e as empresas estatais, de R$ 460 milhões.

No ano até setembro, o gasto com juros somou US$ 284,188 bilhões, o que representa 5,38% do PIB.

Em 12 meses até setembro, as despesas com juros atingiram R$ 360,030 bilhões (5,10% do PIB).

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies