⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula, Bolsonaro, Ciro e Tebet querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2019-10-25T13:04:48-03:00
Estadão Conteúdo
condições...

Para líderes do Senado, pauta econômica só vai avançar com liberação de recursos

Condição repete o roteiro de votação da reforma da Previdência, destravada somente após a divisão do leilão do pré-sal com governadores e prefeitos

25 de outubro de 2019
13:04
Plenário do Senado
Plenário do Senado. - Imagem: Marcos Oliveira/Agência Senado

Prestes a receber um pacote de medidas econômicas do governo, líderes do Senado afirmam que a pauta pós-Previdência vai andar apenas se vier acompanhada de projetos que liberem recursos para investimentos. A equipe econômica se prepara para, na próxima semana, enviar um conjunto de propostas ao Senado para reduzir despesas obrigatórias e apertar o ajuste das contas públicas. Entre as ações previstas, estão o corte de salários de servidores, com redução da jornada, e a suspensão do abono salarial.

A condição colocada pelos senadores repete o roteiro de votação da reforma da Previdência, destravada somente após a divisão do leilão do pré-sal com governadores e prefeitos. Na opinião de líderes do Senado, após o Congresso já ter aprovado regras mais duras para a concessão de aposentadorias no País, é difícil defender novas medidas restritivas.

As propostas do governo devem ser protocoladas na terça-feira, 29, pelos líderes do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), e no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), permitindo que os textos comecem a tramitar no Senado antes da votação na Câmara. Uma das PECs vai propor mecanismos de redução das despesas nas situações de emergência fiscal em Estados e municípios. Esses gatilhos envolvem a diminuição de gastos com servidores, o reequilíbrio das contas previdenciárias e o congelamento de salários e progressões.

Líder da maior bancada do Senado, Eduardo Braga (MDB-AM) afirmou que os parlamentares não vão dar aval ao que chamou de "pacote de maldades", se não houver alterações. A reforma administrativa é uma das resistências. "Só aprova se for muito bem calibrada e se dosada com pacotes de bondades que façam o Brasil gerar emprego e renda", afirmou líder do MDB. "Não dá para eu me voltar para cima do servidor público e agora, depois de ter aprovado a maior reforma da Previdência da história do País, como diria o Lula, e dizer: não foi suficiente ter pacote de maldade na Previdência e agora vamos mexer na estabilidade e no reajuste (salarial)."

Entre os pontos em estudo na reforma administrativa, estão redução do número de carreiras e mudanças nas regras de estabilidade para algumas funções. Formas de aprimorar a análise de desempenho - que, em tese, facilita a exoneração de servidores que não atenderem às metas - também estão sendo avaliadas. O objetivo é reduzir privilégios e cortar despesas com pessoal, o segundo maior gasto público do Executivo.

O líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes, também admite que o avanço da pauta econômica dependerá da liberação de recursos. "Muitas pautas menos ácidas, com mais aceitação, podem ajudar bastante o cenário agora. Eu tenho essa avaliação. É exatamente isto: é um caminho simultâneo e paralelo, o crescimento e a reformulação do Estado." Uma das propostas, o pacto federativo, ajudará no andamento da agenda do Planalto no Congresso, garantiu.

O chamado novo pacto federativo é um conjunto amplo de ações para flexibilizar o Orçamento e garantir mais recursos a Estados e municípios. A ideia é redistribuir R$ 500 bilhões em 15 anos com medidas que incluem mudanças nas regras de divisão do pré-sal. A pauta é defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, com o mote "mais Brasil, menos Brasília".

Na avaliação dos líderes, a desvinculação de fundos constitucionais, entre eles aqueles que carimbam recursos para saúde, educação e para as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, também não passa no Congresso. Os senadores estão dispostos a desamarrar apenas os fundos infraconstitucionais, como o Fundo Penitenciário Nacional, que podem destravar R$ 20 bilhões por ano para outras áreas. "Se o governo mandar a desvinculação dos fundos de saúde e educação, vai ser gordura para o Congresso secar e aprovar como quer", comentou o líder do PSD no Senado, Otto Alencar (BA).

A estratégia do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), é colocar o pacote do governo para ser votado até o fim do ano. Nesse período, ele também quer aprovar a PEC paralela, que inclui Estados e municípios na reforma da Previdência.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Veja como a imprensa internacional repercutiu o resultado da eleição

3 de outubro de 2022 - 10:35

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

ELEIÇÕES 2022

Um teste para a democracia brasileira: Veja como a imprensa estrangeira está repercutindo o resultado da eleição

3 de outubro de 2022 - 10:29

Jornais, sites e revistas chamam a atenção para o desempenho melhor que o previsto pelas pesquisas do presidente Jair Bolsonaro

CAUTELA GLOBAL

Ativos de risco em xeque: bitcoin (BTC) sustenta patamar de US$ 19 mil, mas não empolga com dados esperados da semana; criptomoedas não saem do bear market

3 de outubro de 2022 - 10:00

Correndo o risco de parecer brutalmente realista, pouco se pode esperar de qualquer mudança no cenário daqui para frente

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ibovespa opera em alta acima de 3% com eleições e exterior; Sabesp (SBSP3) dispara

3 de outubro de 2022 - 9:05

RESUMO DO DIA: As bolsas internacionais operam sem direção definida nesta segunda-feira (3). No exterior, os investidores mantêm-se cautelosos e acompanham discursos de dirigentes do Federal Reserve (Fed) nos EUA. O grande destaque do dia é o cenário doméstico, com a digestão do primeiro turno eleitoral e a continuidade da disputa presidencial entre Lula (PT) […]

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Quantas reviravoltas cabem em uma só mão?

3 de outubro de 2022 - 9:04

Investidores esperam por dados importantes sobre empregos nos EUA, se preparando também para a temporada de resultados corporativos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies