Menu
2019-07-23T14:17:39-03:00
Estadão Conteúdo
boas expectativas

Novo mercado de gás vai propiciar redução de custo para indústria, diz secretário

Ainda hoje, está está previsto o lançamento oficial do programa que deve estabelecer novas condições de competição para a produção e transporte de gás

23 de julho de 2019
14:17
Unidade de tratamento de gás da Eneva
Unidade de tratamento de gás da Eneva - Imagem: Divulgação

O novo mercado de gás vai propiciar um redução significativa do custo da energia para a indústria e permitir investimentos privados no setor, reforçou nesta terça-feira, 23, o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Reive Barros.

Ainda hoje, está está previsto o lançamento oficial do programa que deve estabelecer novas condições de competição para a produção e transporte de gás — o que, na expectativa do governo, deve favorecer tanto a redução do preço do insumo como da energia elétrica.

"A expectativa é que venha a acontecer com mercado de gás o que viveu o setor elétrico em 1980 a 1990”, disse Barros. Ele fazia uma referência ao processo de privatização de empresas de distribuição, transmissão e geração de energia elétrica, com a entrada de diversos competidores internacionais.

Geração elétrica

A necessidade de expansão da capacidade de geração elétrica no País, atualmente estimada em 5 GW por ano, pode ser elevada se avançarem as reformas que o governo Bolsonaro pretende realizar, como a da Previdência, a tributária e a administrativa, indicou Barros.

Isso porque o atual planejamento da expansão elétrica, que prevê o aumento de 5 GW/ano de capacidade instalada, está atrelado a um crescimento médio do PIB da ordem de 2,8%.

Para Barros, a atual projeção pode ser considerada conservadora, em especial se forem concluídas as reformas previstas.

O secretário disse que ainda que o crescimento da atividade econômica venha a ser mais acelerado, o Brasil não terá dificuldade com a expansão energética. "O principal desafio é gerenciar as diversas fontes", disse.

Ele destacou que a previsibilidade da expansão, a estabilidade regulatória e jurídica, bem como a garantia de recebíveis (os contratos de compra de energia de longo prazo), além da remuneração adequada, garantem o interesse de investidores privados em assumir a construção e operação de novos projetos de geração e transmissão.

"O setor de energia é altamente sustentável e com participação efetiva da iniciativa privada, e participação zero do Tesouro, modelo a ser utilizado para o restante da infraestrutura", afirmou.

Um novo plano decenal de energia, bem como um plano de estratégico de longo prazo, com indicações de tendências tecnológicas para os próximos 50 anos, deve ser apresentado aos investidores em 10 de dezembro deste ano.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

EM SITUAÇÃO DELICADA

FMI vê País com a pior dívida entre emergentes

Situação fiscal ruim do Brasil só é superada por países menores, como Angola, Líbia e Omã

ESQUENTA DOS MERCADOS

Coronavírus assusta, mas balanços corporativos tentam injetar otimismo nos mercados

O aumento do número de casos do coronavírus e a novela do pacote de estímulos fiscais americanos continuam como os principais fatores de cautela no radar dos investidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Lá e de volta outra vez: o maior IPO da história e a pandemia em semana de decisão monetária

Hegel costumava afirmar que a história sempre se repete (como disse, se reordena e retrocede sobre si). Ora, não é que nos deparamos com essas duas ideias nessa última semana de outubro?

Balanços

Santander tem recuperação em “V” e lucro sobe para R$ 3,9 bilhões no trimestre

A unidade local do banco espanhol supera expectativas de longe com lucro líquido de R$ 3,902 bilhões, alta de 5,3% em relação ao terceiro trimestre de 2019

REPARAÇÃO

Eletrobras adere a acordo de leniência da Camargo Corrêa e receberá R$ 117 milhões

Empreiteira assinou acordo de leniência em 2019, confessando ilícitos praticados contra diversas estatais e o governo federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies