Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-08-06T17:15:39-03:00
Trabalho para os liberais

Kleber Bambam e o twitter de Bolsonaro: por que a economia não sai do paredão?

Para Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia e fã do Big Brother Brasil, problema está no desajuste fiscal herdado das gestões petistas, e não nas polêmicas do Twitter

26 de maio de 2019
11:35 - atualizado às 17:15
Kleber Bambam
Kleber Bambam, o vencedor do primeiro BBB - Imagem: Reprodução YouTube

Kleber Bambam foi o vencedor da primeira edição do Big Brother Brasil, o reality show exibido na TV Globo. Para quem não se lembra ou não assistiu ao programa, Bambam ficou conhecido por passar quase todo o tempo confinado na casa do lado de uma boneca feita de sucata, batizada por ele de Maria Eugênia.

Quando a produção do programa tirou a boneca da casa, Bambam desatou a chorar em frente às câmeras, e não parou até que a devolvessem. O gesto comoveu os espectadores e até hoje é lembrado pelos fãs do BBB.

Um deles, quem diria, é Adolfo Sachsida, secretário de política econômica do Ministério da Economia. O economista com pós-doutorado na Universidade do Alabama fez a revelação durante uma palestra na quinta-feira em um evento para investidores em São Paulo.

Eu estava na plateia e confesso que fiquei surpreso com a referência ao reality show, ainda mais vinda de um dos liberais e acadêmicos mais graduados da equipe do ministro Paulo Guedes.

Questionado se faltou foco ao governo nos primeiros meses, Sachsida respondeu que o problema do país não é o Twitter, a rede social preferida de Bolsonaro e responsável por algumas das polêmicas nas quais o presidente se envolveu.

“Será que a gente não está criando um estresse descomunal por um escovão?”, disse Sachsida, ao contar ao público a história da boneca do Bambam.

O secretário atribuiu o atual quadro de estagnação do país aos anos de desajuste fiscal dos governos petistas. “Foram adotadas medidas desastrosas do ponto de vista monetário e fiscal de 2007 a 2016.”

Ele citou como exemplo dessa política a reforma do estádio Mané Garrincha para a Copa de 2014, que além do custo bilionário ainda gera uma despesa de manutenção de R$ 60 milhões por ano. “Se o governo tivesse queimado dinheiro seria melhor.”

Com ou sem Twitter, um dos desafios da equipe que assumiu o comando da economia em janeiro é corrigir essa má alocação de recursos e tirar o Brasil do paredão. Ou, como disse Salim Mattar, responsável pelo programa de privatizações do governo, tirar a locomotiva do brejo e colocá-la de volta aos trilhos.

A gestão Bolsonaro é a primeira assumidamente liberal a assumir os destinos da economia brasileira. Mas quem ficou ansioso para ver logo algum resultado dessa mudança de direção deve ter ficado frustrado.

As fichas foram todas colocadas na (necessária e urgente) reforma da Previdência. Poderia ser diferente? Talvez, se em vez de enviar uma proposta nova e recomeçar a tramitação do zero o governo decidisse levar adiante o projeto da gestão Temer, que estava pronto para ser votado no plenário da Câmara.

O atraso pode até compensar no longo prazo se o saldo final for a aprovação do “R$ 1 trilhão do Guedes”. Mas seja qual for o resultado, o fato é que teremos mais um ano praticamente perdido. Para um país com 13,4 milhões de pessoas em busca de emprego, fico em dúvida se o governo podia se dar a esse luxo.

Com as atenções voltadas para a Previdência, as medidas da agenda liberal na economia devem ficar para depois. Até agora tivemos apenas uma “palhinha” com a Medida Provisória nº 881, a tal “MP da Liberdade Econômica”.

Com pouco menos de seis meses de governo, seria mesmo injusto cobrar resultados dos liberais de Paulo Guedes. É só lembrarmos que o time montado pelo então ministro Fernando Henrique Cardoso no governo Itamar Franco atuou um bom tempo nas sombras até tirar o Plano Real da cartola.

O problema é que mais de duas décadas separam os dois governos. De lá para cá, a sociedade se tornou muito mais imediatista. E, em tempos de Big Brother e redes sociais, é quase um dever cívico ficar o tempo todo de olho nas autoridades de Brasília.

E você, acha que já deu tempo para avaliar o desempenho da economia no governo Bolsonaro? Deixe seu comentário logo abaixo – ou no Twitter, é claro.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NOVIDADES

BC anuncia o Pix Cobrança, para emissão de QR Code com juros, multas e descontos

Função permitirá que lojistas, fornecedores, prestadores de serviços e outros empreendedores possam emitir um QR Code para operações de pagamento imediato ou em data futura

NÚMEROS DA PANDEMIA

Covid-19: Brasil acumula 5,49 milhões de casos e 158,9 mil mortes

Ministério da Saúde informou também que casos por semana voltaram a crescer no país, enquanto mortes seguem trajetória de queda

Sextou com o Ruy

Bilionários como Warren Buffett gostam de ver a bolsa cair, não subir

Se você é dos que ficam felizes em ver os preços caindo, saiba que tem o que é necessário para se tornar um grande investidor em ações

varejo online

B2W tem alta de 56% nas vendas e diminui prejuízo, que chega a R$ 43,8 milhões

Linha final do balanço é 57% melhor do que há um ano, enquanto mercado falava em prejuízo de R$ 60 milhões no terceiro trimestre; receita teve alta de 58,5% no período

cardápio de balanços

Suzano, Fleury e Totvs: os balanços que mexem com o mercado nesta sexta

São empresas cujas ações fazem parte da carteira teórica do Ibovespa – ou seja, os resultados das companhias ajudam a calibrar o índice

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies