Menu
2019-11-25T11:18:32-03:00
entrevista

‘Governo tem um lado iluminado e um lado sombrio’, afirma Delfim Netto

Ex-ministro da Fazenda afirma que faz falta um projeto para o País, que tem andado em círculos nos últimos 40 anos, apesar de avanços

25 de novembro de 2019
11:17 - atualizado às 11:18
Delfim Netto
Brasil, São Paulo, SP. 27/03/2014. Delfim Netto. - Imagem: FELIPE RAU/ESTADÃO CONTEÚDO/AE

Ex-ministro da Fazenda, da Agricultura e do Planejamento durante o regime militar, Antonio Delfim Netto, avalia que o atual governo tem um lado "iluminado", onde tem sido feito o manejo correto da economia, mas que contrasta com um lado "sombrio". Ele afirma que faz falta um projeto para o País, que tem andado em círculos nos últimos 40 anos, apesar de avanços. Ainda assim, ele diz acreditar que o futuro para o Brasil, como destino de investimento internacionais, pode ser promissor. A seguir, os principais trechos da entrevista:

Qual balanço pode ser feito desse primeiro ano de governo Bolsonaro na economia?

A área econômica tem ideias muito boas. As propostas do (ministro Paulo) Guedes são muito boas e a orientação também. Infelizmente, ele tem tido uma grande dificuldade, porque o governo tem dois lados: tem um lado sombrio e tem um outro que é iluminado. O lado sombrio tem feito muito estripulia, mas não tem conseguido atrapalhar de forma eficiente o lado iluminado. Mas o lado iluminado precisa dessa compreensão de que precisamos mobilizar os recursos para produzir o desenvolvimento do Brasil.

Qual seria o caminho para o País se desenvolver?

Não há nenhuma condição de se fazer isso sem entender que toda sociedade tem um dilema fundamental, que é produzir a sua autossuficiência. Mas isso implica em uma outra coisa: o que é produzido pode ser consumido ou investido. O que se consome, desaparece; o que é investido retorna para o estoque de capital, aumenta a produtividade e se reflete em mais desenvolvimento.

A crise política ainda atrapalha a recuperação da economia?

A sociedade que queremos deve buscar a igualdade de oportunidades, esse é o objetivo que está na Constituição de 88, que as pessoas insistem em ignorar. A Carta tem muitos exageros. Ela precisaria, realmente, de uma curetagem, tirar de lá tudo o que não é princípio ou direito, para permitir que a sociedade fosse se ajustando à mudança dos tempos. Os tempos mudam, não se pode imaginar uma Constituição que inclua tudo. O objetivo é insistir em uma sociedade onde os maiores valores são a liberdade e a igualdade de oportunidades, porque não adianta nada ser livre sem igualdade de oportunidades, não adianta dizer que quem nasceu num lar rico e quem nasceu na pobreza têm a mesma liberdade.

Havia muita expectativa no início do ano de uma retomada mais forte da economia, mas o crescimento ainda deve ser tímido. O sr. está otimista com o Brasil dos próximos anos?

Um sujeito com 91 anos, como eu, que for pessimista é um imbecil. Nós não temos competência para impedir o Brasil de crescer. Temos feito muita força, mas não temos tido sucesso.

Falta um projeto para o Brasil?

O Brasil, hoje, não se pensa. Na verdade, faz ao menos 50 anos que o País não se pensa. Nos anos 80, o Brasil tinha uma das indústrias mais sofisticadas do mundo. Quem diz isso não sou eu, mas os relatórios mais importantes do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial. O Brasil tem ficado nos últimos 40 anos em um estado de subdesenvolvimento, que não é absoluto, mas relativo. O País crescia a uma taxa bastante razoável, mas perdeu o caminho.

O governo tem se esforçado para que o Brasil entre na OCDE, organização conhecida como um clube de países ricos. Faz diferença ser sócio desse clube?

Isso é irrelevante. É muito bom entrar na OCDE, é um clube interessante, mas não é isso que vai produzir o desenvolvimento. O que vai desenvolver o País é a consciência nacional de que há limites que devem ser atingidos, os princípios e os direitos estão estabelecidos, mas isso não cria recursos. Os recursos são os que nós temos aqui, no País, e que estamos utilizando mal. O Brasil está investindo muito pouco e não tem nenhuma outra solução para o Brasil, a não ser voltar a investir.

Investir de que modo?

O Brasil tem oportunidades maravilhosas de investimentos, com taxas de retorno imensas, de 6%, 7%, para os próximos 30 anos. E o mundo está com taxas de juros negativas. O resto do mundo está à disposição do Brasil, se ele tiver o mínimo de inteligência. E mais do que isso: é visível a situação instável em que estão os outros países. Quem é que pode acreditar na estabilidade do Oriente Médio? Quem pode acreditar que os países ricos tenham um suprimento razoável de energia sem o controle do (presidente da Rússia, Vladimir) Putin?

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Substituto do Bolsa Família

Renda Brasil terá R$ 51,7 bilhões e vai pagar benefício médio de R$ 232, prevê governo

Hoje, o Bolsa Família inclui 13,2 milhões de famílias, o que alcança 41 milhões de pessoas a um custo de cerca de R$ 32 bilhões ao ano

Mais lidas Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: Os 10 anos bem vividos da Tesla na bolsa

Nos dez anos que separam a abertura de capital da Tesla na Nasdaq e o último dia 29 de junho, as ações da companhia subiram vertiginosos 4.125%, enquanto o principal índice da bolsa americana de tecnologia teve alta de “apenas” 345%. E a companhia do bilionário Elon Musk pôde comemorar o aniversário de uma década […]

Avião-problema

Fabricante de aviões trilha novo caminho: Boeing aposta no MAX

Mesmo começando a ficar otimista com relação ao futuro do Max, acredito que comprar ações da Boeing continua sendo mau negócio

ranking

Os títulos públicos mais rentáveis do 1º semestre; indicações do Seu Dinheiro estiveram entre eles

Em março, levantamos a bola para uma oportunidade aberta no Tesouro Direto com a alta dos juros no mês, e alguns dos títulos indicados ficaram entre os mais rentáveis do semestre. Confira a lista completa dos melhores e piores títulos públicos do ano até agora

Recuperação mais lenta

Ipea diz que efeitos da pandemia tendem a persistir sobre mercado de trabalho

“É provável que a taxa de desemprego continue alta, mas não por uma piora do mercado de trabalho, e sim pela melhora da percepção das pessoas sobre o ambiente para procurar emprego”, diz diretor da instituição

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements